No princípio criou Deus os céus e a Terra


Se os métodos de datação fossem aquilo que os evolucionistas gostariam que eles fossem…
Abril 13, 2009, 8:33 pm
Filed under: Evolução/Big-Bang, Respostas a Ateus

O professor Ludwig Krippahl, ardente ateu evolucionista, respondeu ao meu post O que toda a gente devia saber sobre a datação radiométrica. O post dele pode ser lido aqui. Leiam-no e depois voltem cá.
____________________________________________________________________

O Ludwig pretende mostrar como eu estou errado em dizer que os geólogos assumem coisas que não se podem saber, mostrando como os métodos de datação estão cientificamente bem fundamentados, dando como exemplo o método do Rubídio (Rb) -Estrôncio (Sr).

A verdade é que os métodos de datação não são aquilo que o Ludwig gostaria que eles fossem. Ao contrário do que a maioria das pessoas pensa, os métodos de datação não são líderes, mas sim seguidores. Eles limitam-se a “comprovar” o panorama que os geólogos têm mais ou menos em mente (Aliás, a “ciência” já sabia que a Terra era antiga antes do advento dos métodos radiométricos). Quando eles dão idades “erradas”, o geólogo trata de arranjar explicações para o sucedido (temos o exemplo da “idade” atribuída às lavas basálticas das quedas de água do rio Colorado, que não coincidia com o observado). Quando eles dão idades “correctas”, a idade é aceite como traduzindo a realidade.

Eu posso estar aqui a escrever dezenas e dezenas de linhas a barafustar contra os métodos de datação, mas não há nada melhor do que o fazer com exemplos práticos. O professor Ludwig dá a teoria. Eu dou a prática.

1) Se os métodos de datação fossem fiáveis, então teríamos materiais mais velhos do que a própria Terra. O método potássio-árgon deu uma idade de 6 biliões de anos a diamantes do Zaire [meu destacado]:

A group of 10 cubic diamonds from Zaire has been found1 to contain correlated concentrations of 40Ar and K which, interpreted as a whole-rock K−Ar isochron with the usual assumptions, yield the unreasonable age of 6.0 Gyr.” (In Nature)

2) Se os métodos de datação fossem fiáveis, então teríamos de aceitar as idades discordantes entre os diferentes métodos. E já que o Ludwig deu o exemplo do Rb-Sr, vamos usar um exemplo onde esse método foi utilizado. As lavas de Cardenas, um dos estratos mais antigos do Grand Canyon, foram “datadas” com 2 métodos diferentes. O potássio-árgon deu uma idade de 845 milhões de anos. O Rubídio-estrôncio deu uma idade de 1090 milhões de anos.  Estamos a falar de uma diferença de 245 milhões de anos. Os cientistas aceitaram a idade que foi dada pelo rubídio-estrôncio, tendo fornecido possíveis explicações para a idade dada pelo outro método.

3) Se os métodos de datação fossem fiáveis, então teríamos de aceitar idades antiquíssimas para material que se sabe que é recente. A datação de lavas proveninentes do vulcão Kilauea, no Havai, deu a idade de 22 milhões de anos. Lavas do vulcão Hualalai, também no Havai, que não têm mais de 210 anos, deram idades elevadíssimas [meu destacado]:

Isotopic studies have been made of the inert gases present in ultramafic xenoliths from two sites in Hawaii, the 1800–1801 Kaupulehu flow (Hualalai Volcano, Hawaii) and Salt Lake Crater (Oahu). Apparent ages calculated from the measurement of radiogenic argon and helium have very high values.” (In Journal of Geophysical Research)

Se nos dermos ao trabalho de procurar, mais exemplos teremos da comédia da datação evolucionista. Se a “idade” dada pelo método não trouxer problemas ao paradigma evolucionista, ela será aceite pelo geólogo evolucionista. Mas caso ela entre em conflito com o seu paradigma, possíveis cenários serão adiantadas para explicar as disparidades. Isto acontece porque a datação radiométrica não é ciência objectiva.

Os métodos de datação falham em material que nós sabemos que tem pouca idade. No entanto, querem que confiemos neles quando estes nos “dizem” a idade de material que ninguém viu ser formado.

O professor Ludwig tem a ousadia de dizer:

Sabemos a idade do universo como sabemos que são 314 km de Lisboa ao Porto.

O problema é que não sabemos a idade do universo como sabemos que são 314 km de Lisboa ao Porto. Calcular a distância de Lisboa ao Porto faz parte da ciência experimental. Já a adivinhação da idade do Universo encontra-se no terreno frágil da ciência histórica, porque nenhum de nós esteve lá para acompanhar os seus aniversários.

Advertisements

63 comentários so far
Deixe um comentário

Tanta treta para não dizer nada.

Invocas um post e não explicas onde está o erro desse post.

Os pressupostos matemáticos e fisicos da datação radiométrica estão correctos.

A sua aplicação , por vários motivos, é por vezes incorrecta, o que não inavalida a totalidade das medições.

Isso acontece em todas as areas: medicina, engenharia, etc etc.

Só não acontece nos contos de fadas e da carochinha como é o caso da biblia.

Dou-te um exemplo: ando há dois meses com um problema grave, já fui a 5 médicos e tive 3 opiniões diferentes e nenhum acertou.
Amanhã vou tentar de novo no British Hospital.
Isto não significa que a medicina está errada ou os médicos errados, mas apenas que ainda não foram realizados exames suficientes e que as premissas em que os médicos se basearam eram insuficientes.
Com novos dados vão corrigindo e tenho confiança que rápidamente chegarão ao prognóstico certo.
Se rezasse a deus estava bem f…
Com a ciência pelo menos consigo amenizar um pouco as dores … o resto logo se vê

Comentar por Joaquim Coelho

Joaquim, isso é um mau exemplo porque tu sabes que existe alguma coisa. Falta saber o que é. O facto de os médicos não saberem ainda não é uma falha da ciência mas sua falha. Há muita subjectividade na análise de problemas físicos. Alguns médicos podem ter mais experiência e outros menos.

No que toca à datação não deveria haver subjectividade nenhuma. As coisas deveriam ser mecânicas e claras como a água.Infelizmente para os ateus, a ciência tem mostrado que os métodos de adivinhação não são fiáveis.

Sem os métodos de adivinhação, todo o castelo de cartas da teoria da evolução cai por terra.

Comentar por Mats

Que tolice Mats

Os metodos de datação são precisos. A sua aplicação é que por vezes é errada.

Tal como nas doenças. Depois de conhecido o mecanismo da doença é regra geral fixo, mas a detecção e combate pode variar e ser mal aplicado.

Comentar por Joaquim Coelho

Tinha que ser o Joaquim trocando alhos por bugalhos.

Comentar por jose moraes

Os metodos de datação são precisos. A sua aplicação é que por vezes é errada.

A forma como se data é “preciso”. O problema são as coisas não provadas que se assumem no que toca à datação. O Sabino deu o exemplo do copo de água. Eu posso medir a quantidade que lá stá, medir a cadência da quantidade de água que entra, e tudo o mais. Isto é simples. O problema são as coisas que eu assumo quando vou dar a minha resposta. O mesmo se passa com a datação. Medir, quantificar e tudo o mais. O problema começa com a extrapolação.
Admite, JOaquim. Os métodos de datação não são fiáveis.

Comentar por Mats

Marcos,

Quando escreves «os métodos de datação não são líderes, mas sim seguidores» revelas um problema fundamental na tua compreensão da ciência. Na tua religião tens uma fonte que consideras líder e tudo o resto terá de ser seguidor ou rejeitado. A ciência não funciona assim. Não atribui a nada autoridade sobre o resto.

Em ciência todos os dados contribuem como peças do puzzle. Não há um chefe ou determinante; é o padrão que formam, a maneira como encaixam, que importa. Todas as tuas descrições da ciência como algo fragmentado (experimental vs histórica) ou estratificado (dados que lideram vs dados que seguem) falham este ponto fundamental. É tudo a mesma coisa. Tem de ser tudo a mesma coisa porque a ciência descreve uma só realidade.

Nós sabemos a distância entre Lisboa e Porto criando instrumentos e técnicas de medição, testando-os em coisas que medimos independentemente com vários instrumentos e depois medindo essa distância também com vários instrumentos nos quais confiamos porque, em conjunto, tudo isto forma uma rede coerente de dados e hipóteses.

É exactamente assim que medimos a idade do universo. Em ambos os casos, não há um único dado que “lidera”. Não temos bíblia como desculpa para não investigar as coisas. A conclusão é fundamentada pelo padrão das observações.

Comentar por Ludwig Krippahl

Hoje, na Gulbenkian, às 19h00, a não perder!

Lynn Margulis, a bióloga norte-americana de 71 anos que se tornou famosa pela sua formulação da Teoria Endossimbiótica em 1966, fala amanhã às 19h na Fundação Gulbenkian, em Lisboa, sobre o tema “Evolução no Planeta Gaia: o Legado de Darwin”.

O evento integra-se no ciclo de oito conferências internacionais organizado pela Gulbenkian no âmbito das comemorações dos 200 anos do nascimento de Charles Darwin e dos 150 anos da publicação do livro “A Origem das Espécies através da Selecção Natural”.

Professora da Universidade de Massachussets-Amhers (EUA) e autora ou co-autora de 17 livros, oito dos quais com o seu filho Dorion Sagan (Lynn foi a primeira mulher do astrónomo Carl Sagan), Margulis enfrentou a oposição de muitos biólogos relativamente à sua inovadora formulação da Teoria Endossimbiótica.

(…)

Comentar por Raúl

Agência Ecclesia, terça-feira, 14 de Abril de 2009

(…) Em Lisboa, o Cardeal Patriarca apontou os caminhos cruzados da criação bíblica e do darwinismo. Na Vigília Pascal, D. José Policarpo referiu que “a Igreja não pode abdicar de um diálogo com a ciência e de uma possível convergência na busca da verdade”. Por outro lado, “a perspectiva científica de Darwin levantou questões cruciais, a que a Igreja não pode ser indiferente na sua compreensão da realidade”. (…)

Comentar por Manel

http://origins.swau.edu/papers/geologic/questions/defaultp.html

A QUESTÃO DO GRANDE TEMPO GEOLÓGICO E A EVIDÊNCIA CIENTÍFICA DE UMA CRIAÇÃO RECENTE

Comentar por Fabricio Lovato

Joaquim Coelho,

“Os pressupostos matemáticos e fisicos da datação radiométrica estão correctos.”

Quando se trata de medir isótopos nas rochas, sim. Eu nunca disse que a medição de isótopos é furada. Aliás, eu disse precisamente o contrário no outro post da datação radiométrica. Agora, atribuir uma idade à rocha segundo os isotopos medidos é que é outro tipo de exercício.

“Os metodos de datação são precisos. A sua aplicação é que por vezes é errada.”

Com efeito, o que tu queres dizer é que “a medição de isotopos é precisa”. A determinação da idade à rocha é outro tipo de exercício. Eu não falo de barato… eu tenho muitos exemplos que mostram isso… alguns mostrei aqui e continuarei a mostrar outros com o passar do tempo.

Comentar por alogicadosabino

Sabino, com isso queres dizer que haveria contaminação nas amostras certo?
Sabe que os cientistas levam isso em conta e criaram uma tecnica só para isso !?
Mas então se voce sabe que temos argumentos contra isso que dizes por que não postou tambem? deveria apresentar nosso lado mesmo que não concordasse.
Os posts dos colegas abaixo mostram que seus argumentos são invalidados pelos detalhes e pela logica.
Aparentemente voce é um criacionista honesto, seguidor de Cristo. Mas seu principal erro é a omissão. Isso mesmo. Se queres provar o criacionismo deves buscar todas as fontes possiveis para não mostrares argumentos que foram mostrados como incorretos.
Alguns de seus argumentos são desacreditados ate mesmo por outros criacionistas.
Não seja como o Adauto Lourenço que usa argumentos que ele sabe que ja foram rebatidos mas que continua usando só para atrair ateus ou manter o criacionismo.

Comentar por Anderson du Lustoza

A questão não é só não haver maneiras de calibrar a datação. É que mesmo com todo o erro, existe uma consistência entre a antiguidade comparativa do que se espera pela biologia e pela datação radiométrica. Mesmo que ocasionalmente apareçam amostra que não batem certo por sem contaminação, a maioria de um dado local bate certo com o que lá encontramos de fosseis. Isto para não falar na teoria por detrás da datação radiométrica que também está provada por outra linha de investigação diferente e que levou a pensar que se poderia usar a datação radiométrica com vantagens obvias.

Na prática, a datação de antiguidade relativa contuinaria sempre funcional. Embora não dissesse quando as coisas aconteceram seria sempre capaz de dizer o que era mais antigo e mais recente. Senão isso presumiria que a variação de C 12/14 foi exatamente no sentido de gerar dados na sua maioria consistentes com o esperado por uma análise morphologica, genética (mutações neutras), geológica e com outros radioisotopos.

Comentar por Joao

Ludwig,

mas as cidades do Porto e Lisboa estarão sempre aqui para nós podermos repetir as medições sempre que necessárias. O Porto não vai mudar de sitio amanha nem depois de amanhã. Como é que se quer comparar a medição da distancia entre duas cidades à determinação da idade do Universo…

Comentar por alogicadosabino

Marcos,

O universo também está aqui, e podes medir o que quiseres quantas vezes quiseres.

Em qualquer medição tens de assumir hipóteses acerca do método que usas. Seja para medir da idade das rochas seja para medir a distância entre duas cidades. Por exemplo, assumir que a distância é constante e que a taxa de decaimento radioactivo é constante.

Mas em todos os casos podes assumir como válidas aquelas hipóteses que melhor encaixam no conjunto de dados de que dispões. Isso leva a erros, ocasionalmente, mas garante que vais progredindo na direcção certa conforme fores acumulando mais informação.

E a Bíblia serve tanto para saber a idade do universo como serve para saber quantos quilómetros são de Lisboa ao Porto…

Comentar por Ludwig Krippahl

Senhor ludwig, aprecio sua participação,…
Mas, dando minha opinião, minhas idéias não se limitam aos dados bíblicos, mas acredito que as passagens bíblicas são baseadas em ocorrências, porém expressadas no contexto do povo que a escreveu; Portanto não acho que a bíblia contenha todas as informações que carecemos para descobrir a história natural.
No entanto, por vezes, os estudiosos parecem tentar a contrariar ao máximo a bíblia, forçando a interpretação dos experimentos. E o fato é que muitos estudiosos de história atacam a historicidade da bíblia, biólogos e geólogos atacam a criação e filósofos atacam a moral bíblica e a teologia. Sabendo que existe um senso comum entre muitos destes estudiosos que se ofendem com a crença(e vice-versa), é razoável dizer que quando os estudos são relativos à estas áreas, eles costumam ser parciais.

Comentar por Arthur

pois é, O problema é que as pessoas comuns não se envolvem com estes assuntos, mas as informações sobre eles é, da parte dos cientistas(a quem as pessoas atribuem autoridade ideológica em quase todos os assuntos) quase a mesma. Isso provoca uma espécie de lavagem cerebral. Sendo que nós sabemos que as informações sobre história natural ainda são muito vagas ou expeculações.

Comentar por Arthur

Não estou a acusar ningém, afinal não importa onde, as pessoas costumam se acomodar com as conclusões dos outros, adquirindo dados formatados pela mídia(que estou a dizer que tendem para a versão da história natural influênciada pelo naturalismo)

Comentar por Arthur

O que os criacionistas estão a fazer é compartilhar de estudos científicos e formatar as informações por nossas próprias cabeças(o que acho que qualquer estudioso considera louvável)

Comentar por Arthur

Sei que em qualquer lugar na ciência existe espaço para isso, mas estamos trazendo isto para as pessoas comuns, que não se envolveriam com ciência se não houvesse um assunto que tocasse a sua fé, o que intriga a pessoa sobre a verdade.

Comentar por Arthur

No final das contas só espero considerem válidos os comentários de Sabino, pois pelo que pude ver no outro blog, a discussão começou com muita zombaria da parte dos céticos, mas espero que já não vejam mais da mesma forma.

Comentar por Arthur

Caro Arthur e etc.,

A zombaria, ainda que descortês, é justificada, pois gente que nada entende de ciência (estou a referir-me, em concreto, ao amigo Sabino), nem de técnica, nada de nada, acha que, lá porque manda umas “postas de pescada” pseudocientíficas está a colocar em causa o que quer que seja e que as suas ideias valem algo mais que um “tostão furado” (no que toca a temas científicos).

A questão das datações em Geologia aqui badalada é um exemplo clássico.

Pensam que sabem… mas na realidade, não percebem pevas do assunto. Pensam que abalam o sistema… mas o sistema está-se borrifando para as vossas opiniões.

Acham que a distância de Lisboa ao porto é uma constante universal… quando nem isso é assim. Também neste caso, os valores dependem de pressupostos. Só que neste caso, como é Lisboa e Porto, toda a gente acha que a distância é um número mágico e absoluto. Nada é absoluto… Até o conceito de Deus muda!

A distância de Lisboa ao Porto variará consoante os pontos de referência tomados (o centro geográfico, a câmara municipal, os estádios do Benfica e do Dragão). Variará consoante o método de medição. Variará consoante a dimensão da bitola escolhida. Variará consoante a temperatura ambiente e etc.

Os métodos de datação geológica servem para formular os modelos geológicos com base nos quais se encontram os recursos geológicos que os criacionistas (e toda a gente) usam todos os dias: petróleo, carvão, gás natural, carvão, etc., etc. Mas não servem para datar a idade da Terra (se esta for superior a 6000 e tal anos, claro!).

Polémica é interessante, especulação é bestial, achar que se sabe algo de Geologia é fixe, mas não confundam esses vossos devaneios com ciência.

Lamento, mas em termos de ciência e técnica, as vossas opiniões criacionistas de nada contam. Felizmente!

Ainda gostava de saber quantos campos petrolíferos foram encontrados com os vossos métodos de datação “criacionistas”…

Os esquizofrénicos também “formatam” informação por sua própria cabeça… isso não é relevante. Não basta “formatar”, é necessário que o resultado faça sentido.

Acham que a Terra tem 6000 anos? Bestial! Acham que a arca andou por aí a navegar? Fixe! Acham que não há evolução? Fantástico! Acham que o primeiro homem foi Adão e que Eva nasceu de uma costela. Cool! Mas deixem-nos em paz e não chamem a essas ideias ciência. Por favor!

P.S. – Ainda gostaria de saber o que o Sabino faz na vida. Em que tem formação superior… se é que tem alguma… Em que se licenciou ou doutorou… Apenas por curiosidade…

Comentar por António

Caro ateu António irritado,

a variação da distancia em km de Lisboa ao Porto será mínima. Ela nunca será mudada para 1000km ou para 2000km… como acontece com o universo.

Os criacionistas denotam o desespero evolucionista quando estes procuraram colocar no mesmo plano o calculo da distancia de Lisboa ao Porto, que é ciencia experimental, com o calculo da idade do Universo, ciencia histórica.

Comentar por alogicadosabino

Obrigado António por explanar sua opinião, mas em alguns aspectos eu diria que elas retratam certas posturas tomadas, que eu considero no mínimo ignorantes(não achei uma mais leve, dsclp)
Quanto ao Sabino o trabalho que ele faz aqui é análize e avaliação das informações, filtrar as sugestões contidas na mídia para aceitação do ateísmo e afins, com o intuito de evitar a factualização equivocada de evntos e ferramentas naturais.

Comentar por Arthur

Como voce diz, pode ser que as idéias criacionistas não tenham qualificação para serem aceitas como verdade, mas, de igual modo, os criacionistas afirmam que o naturalismo não se sustenta.Ou seja, Se analisares os dois lados, verás que estamos equidistantes da factualidade, e igualmente qualificados como tendo uma crença por traz de algumas idéias.Portanto não acho certo o descaso que acontece.

Comentar por Arthur

O que Sabino faz é baralhar e dar de novo. Sobretudo baralhar… Enfim, deita cá para fora o que lhe vai na mente…

O seus conhecimentos são nulos e os seus argumnentos ocos. Fazem sentido neste contexto e nas vossas mentes, nada mais.

Posso ser ignorante em questões criacionistas. Com muita honra! Não é possível saber tudo (ao contrário do Sabino, claro) e criacionismo e religião são temas que me interessam vagamente. Em termos de ciências geológicas, não… lamento. A igorância,é verdade, está desse lado. Do lado do dilúvio! Do lado dos 6000 anos de idade! Etc…

Ateu, sim, sou… Graças a Deus! 🙂 Irritado… não, apenas espantado com a sandice que por aqui grassa.

Felizmente, não são os criacionistas que prospectam os recursos geológicos, são o que professam as ideias “naturalistas”. Se estivéssemos entregues à visão ciacionista do mundo… ainda andaríamos de carroça. Não haveria petróleo para ninguém…

Então, Sabino, quais as tuas qualificações académicas? Em que revistas (científicas ou outras) publicas tu as tuas análises científicas? Escrever em blogues é fácil e nem é necessário cérebro… basta escrever… Ao menos escreves no jornal da paróquica? Algo algo em suporte perene? Onde posso encontrar os teus escritos em papel?

🙂

Comentar por António

“Se estivéssemos entregues à visão ciacionista do mundo… ainda andaríamos de carroça. Não haveria petróleo para ninguém…”

Tens toda a razão, senhor António. Vamos juntos – eu e o senhor – riscar de nossos livros as contribuições de Antoine Becquerel (descobridor da radioactividade dos sais de urânio), Isaac Newton, Max Planck, Boyle, Kelvin, e outros mais. Afinal de contas, o que é que as contribuições destes homens – que criam no Criador e no poder de sua palavra (bíblia) e que se importaram em fazer a Sua vontade – têm a contribuir para a ciência?

Foram uns ignorantes, não foram como o senhor é, caro António; não foram como o senhor é…

Comentar por Fernando

Fernando:

“Tens toda a razão, senhor António. Vamos juntos – eu e o senhor – riscar de nossos livros as contribuições de Antoine Becquerel (descobridor da radioactividade dos sais de urânio), Isaac Newton, Max Planck, Boyle, Kelvin, e outros mais. Afinal de contas, o que é que as contribuições destes homens – que criam no Criador e no poder de sua palavra (bíblia) e que se importaram em fazer a Sua vontade – têm a contribuir para a ciência?”

Voce pode detalhar alguma fórmula de Newton que tem Deus?

Mas tenho uma explicação para estes cientístas:

Tudo o que foi feito e que persistiu, foi a parte do conhecimento deles que está fora das fornteiras do criacionismo.

Comentar por Clayton Luciano

“Voce pode detalhar alguma fórmula de Newton que tem Deus?”

???….
Caro Clayton, você entendeu bem o comentário de António??
A crítica deste senhor é afirmar que a ignorância está do lado criacionista, querendo dizer que esta visão entre os cientistas compromete os avanços sociais e científicos.

Quanto a sua visão, Newton escreve:

“Existe um só Deus Pai, perpétuo, onipresente, onisciente e onipotente, criador do céu e da Terra, e um só mediador entre Deus e o homem: o homem Cristo Jesus”.

Comentar por Fernando

Ludwig,

Em ciência todos os dados contribuem como peças do puzzle. Não há um chefe ou determinante;

Na ciência não há, mas na teoria da evolução certamente que há. Não é difícl de encontrar cientistas que mudam os dados de forma a eles estarem de acordo com a teoria da evolução.

O paradigma toma preeminência sobre as evidências, como muito bem disse o filósofo da ciência Tomas Kuhn há anos atrás.

Comentar por Mats

Ludwig, se ainda não tens, aconselho-te a adquirires o livro “Evolution: A Theory in Crisis” do biólogo não-criacionista Michael Denton. Repara nas coisas que ele diz no capítulo sobre a dominância do paradigma.

Comentar por Mats

Mais uma leitura interessante:

Stephen Hawking – God, the Universe, & Everything / Carl Sagan, Arthur C. Clarke (1988)

http://www.amazon.com/Stephen-Hawking-Universe-Everything-Arthur/dp/B000LP6KQW

Apreciem!

🙂

Comentar por Jonas

Bem, António, entenda como quiser, um abraço

Comentar por Arthur Vergara

Mais de 500 cientistas doutorados proclamam suas dúvidas acerca da Teoria de Darwin

http://www.cacp.org.br/movimentos/artigo.aspx?lng=PT-BR&article=1899&menu=12&submenu=4

Comentar por Fabricio Lovato

Querido Joaquim se tu fosses direto ao médico dos médicos não perderia seu tempo nem dinheiro. Peça logo pra que Jesus te cure. Foi ele mesmo que disse que tudo que vc pedisse em nome dele ele faria.

Comentar por Gabriel

[i]O que Sabino faz é baralhar e dar de novo. Sobretudo baralhar… Enfim, deita cá para fora o que lhe vai na mente…
O seus conhecimentos são nulos e os seus argumnentos ocos. Fazem sentido neste contexto e nas vossas mentes, nada mais.[/i]
Sabe, Antônio, algo que acontece muito com os ateus é eles subestimarem a inteligência de nós os criacionistas, falando que não entendemos nada de ciência, que nossos argumentos são ocos e não sei o que, mas no final, vêem que quem não entende nada de ciência são eles! Prova disso é que eles continuam repetindo a mesma coisa, com tons irônicos e sem respeito nenhum e refutar mesmo, nada!

[i]Posso ser ignorante em questões criacionistas. Com muita honra![/i]
Bom começo, com isso você afirma que você não sabe que nós os criacionistas entendemos de ciência sim, que nós temos os nossos estudos, sabemos o que são métodos científicos, provas, fatos… e exploramos as mancadas que muitas vezes a ciência não mostra, como essa daí da datação. Que blog ateu publicaria um fato como esse?

[i](…) (ao contrário do Sabino, claro) e criacionismo e religião são temas que me interessam vagamente. Em termos de ciências geológicas, não… lamento. A igorância,é verdade, está desse lado. Do lado do dilúvio! Do lado dos 6000 anos de idade! Etc…[/i]
Ninguém sabe de tudo e nem pense que o Sabino acha que sabe igual muitos ateus que acham que sabem de tudo: aliás: que a ciência sabe de tudo (aí quando eles vêem o circo pegar fogo admitem que não tem resposta pra tudo e ainda por cima atacam quem mostra os fatos!)

[i]Ateu, sim, sou… Graças a Deus! 🙂 Irritado… não, apenas espantado com a sandice que por aqui grassa.[/i]
Mas pareceu estar irritado pelos seus comentários com irônicos.

[i]Felizmente, não são os criacionistas que prospectam os recursos geológicos, são o que professam as ideias “naturalistas”. Se estivéssemos entregues à visão ciacionista do mundo… ainda andaríamos de carroça. Não haveria petróleo para ninguém…[/i]
Você nem sabe se as pessoas que trabalham e que trabalharam na geologia são realmente evolucionistas ou que tem que ser para trabalhar nisso. Isso está parecendo aquele velho argumento furado de que ‘a evolução colaborou para os remédios, para a medicina’.

[i]Então, Sabino, quais as tuas qualificações académicas? Em que revistas (científicas ou outras) publicas tu as tuas análises científicas? Escrever em blogues é fácil e nem é necessário cérebro… basta escrever… Ao menos escreves no jornal da paróquica? Algo algo em suporte perene? Onde posso encontrar os teus escritos em papel?[/i]
O que há de mais nas qualificações dele??? Todo mundo que se forma numa área de ciência é ateu? De modo algum, embora muitos infelizmente se tornem porque com o rítmo acelerado das faculdades de hoje, muitos alunos vêem só o que é lhes dado e não o que está por traz disso e nunca vêem fatos como os problemas de datação.
Essa pergunta parece até uma pegadinha: se ele falar que é formado em computação por exemplo você falará que ele não pode falar nada, porque não é de tal área, se ele falar que é formado em biologia vai falar que ele não teve uma boa formação, se ele falar que ele não é formado vai falar que ele não entende nada…
Engraçado: em fóruns sites ateus em que vemos muitos sem nenhuma formação, mas que sabem de ciência, mesmo não enxergando o outro lado das coisas, apesar de alguns cometerem tantas pérolas… e deles ninguém fala nada.

Enfim, veja o outro lado das coisas, nós os criacionistas conhecemos a ciência sim, existem muitos criacionistas, mais muitos mesmo que tem doutorado, mestrado (apesar de vocês ateus falarem que não entendem nada, mesmo tendo esses títulos, como o Sabino demonstrou) mostramos muitas coisas que os evolucionistas jamais mostrariam. Se você percorrer esse blog verá vários tópicos em que os ateus mal deram a cara!

Comentar por Adalberto

Vixi, me acostumei tanto com a formatação do orkut que formatei erradamente aqui… rs, mals aí.

Comentar por Adalberto

A ciência dos homens não passa de ser uma criação do mesmo!
E pergunto: Falho como ele é, o que pode se esperar da sua criação?
Não perguntemos jamais aos que se foram por falhas das criações e cálculos da ciência, exemplo: os Titanics da vida, explosões de Naves espaciais ainda no solo; quedas de aeronaves sem explicações, etc.
Infelizes os que confiam nela (ciência); porque quando assim procedem, demonstram depositar toda a sua confiança no ser humano.
E a histórina nos mostra: quem mais cometeu todas as espécies de barbáries ao longo da nossa existência?
– O ser humano
Diante disso, só tenho uma coisa a pensar: Creio que o maior resultado que a ciência poderá chegar um dia: a total destruição do planeta.

Comentar por Jefté

sabino:

“Quando se trata de medir isótopos nas rochas, sim. Eu nunca disse que a medição de isótopos é furada. ”

E é uma coicidencia extraordinaria que os resultados dessa medição dos isotopos sejam largamente consistentes com os estudos geologicos e paleontologicos é?

Deus andou a por os isotopos mais velhos nos estratos mais velhos e fosseis mais velhos?

Comentar por joao

Que estudos?

Comentar por alogicadosabino

Os estudos que concluiem que logo por coicidencia os isotopos que estão nos fosseis considerados mais antigos pela teoria da evolução também tém isotopos mais antigos.

Comentar por joao

Sabino:

Os estudos que concluiem que logo por coicidencia os isotopos que estão nos fosseis considerados mais antigos pela teoria da evolução também tém isotopos mais antigos.

E já agora. Que comiam os animais na arca? Havia um livestock para os carnivoros ou não?

Comentar por joao

Sabe porque teus comentários não são interessantes Jefé, talvez seja a tua arrogância e a nulidade de tantas palavras.

Também não estou a dizer nada a cá.

Mas realmente como o criacionista que sou, posso dizer que nada sabes sobre mim, e meu pensamento não se encaixa em nada que dizes sobre o criacionismo, …
Mas acredito no seu potêncial.

Comentar por Arthur

“E já agora. Que comiam os animais na arca? Havia um livestock para os carnivoros ou não?”

https://alogicadosabino.wordpress.com/2008/12/25/consideracoes-sobre-os-animais-que-foram-na-arca-os-carnivoros/

Comentar por Fabricio Lovato

Ja respondi no local devido do post. Muito divertido.

ERam herbivoros!!

Olha e que se fazia com as fezes e urina de tantos milhares de animais? suponho que ia borda fora, mas como se encaminhava isso? Havia um sistema de esgotos interno? Uma bomba de agua? Ou aquilo era mesmo umm sitio muito sujo?

Comentar por Joao

Mesmo que ainda houvesse animais carnívoros na arca [e para mim havia], os animais selvagens poderiam estar hibernando durante o dilúvio.
Ou também há a possibilidade de eles terem controlado a população de roedores, como demonstrado no livro “O mundo já foi melhor”, do naturalista inglês Harry Baerg.

“Olha e que se fazia com as fezes e urina de tantos milhares de animais? ”
https://alogicadosabino.wordpress.com/2009/01/20/excrementos-dos-animais-e-os-gases-provenientes-dos-maus-odores-na-arca-de-noe-parte-1/

Veja tbm a parte 2.

Comentar por Fabricio Lovato

“Olha e que se fazia com as fezes e urina de tantos milhares de animais? ”
https://alogicadosabino.wordpress.com/2009/01/20/excrementos-dos-animais-e-os-gases-provenientes-dos-maus-odores-na-arca-de-noe-parte-1/

Ok, não limpar e não ha problema. BOa.

E alimento e agua doce, como é? Onde tinham espaço para levar? Como conservavam a comida? era tudo seco?

Comentar por joao

João, não tinham espaço pk?

Comentar por alogicadosabino

“Ok, não limpar e não ha problema. BOa.”

Tens certeza que leste o artigo?

“E alimento e agua doce, como é? Onde tinham espaço para levar? Como conservavam a comida? era tudo seco?”

O Joao, não tenho todo o dia a estar aqui te postando links… 😀
Encontrarás provavelmente todas tuas respostas aqui:

https://alogicadosabino.wordpress.com/diluvio-e-arca-de-noe/

Comentar por Fabricio Lovato

“Mesmo que ainda houvesse animais carnívoros na arca [e para mim havia], os animais selvagens poderiam estar hibernando durante o dilúvio.”

Ok, esta é sensata. Mas nem todos hibernam.

Quanto à historia dos roedores não faz sentido. Eles teriam de ser imensos para funcionar e necessitariam de uma grande quantidade de alimento. Transformar erva em carne é um processo de baixo rendimento. Ia fazer um furo na arca.

Comentar por joao

O que não encontrares nos links, esteja à disposição de perguuntar!
(^^)

Comentar por Fabricio Lovato

Evolucionistas… sempre eles…! Os métodos de datação deveriam se chamar métodos de adivinhação!!! Tanta discrepância de um método para o outro. Tem também a questão da coluna geológica. Uma falha de quase 200 milhões de anos geológicos e, mais uma coisa: onde estão os elos perdidos, as espécies transicionais!???

Não existe e sabemos porque: Design Inteligente Now!

Comentar por Jorge Luis

Parabéns, pena que muitos fecham os olhos mesmo enxergando a verdade tão obvia.

Comentar por Fabiano

Bom estudo mostram que até o carbono 14 se tornou pouco confíavel!
veja este link:
http://evolution-myth.blogspot.com/2008/04/carbono-14-objetivo-ou-subjetivo.html

É a ciência comprovando a veracidade da Palavra de Deus. Não vejo a hora de a comunidade científica por um todo conseguirem ver que a teoria da evolução é furada e assim vir a cair no esquecimento!

Comentar por Allef

Allef:

“É a ciência comprovando a veracidade da Palavra de Deus”

Por não a de Lúcifer?

“JÁ FOI COMPROVADO, O PETRÓLEO PODE SER FEITO ATÉ EM 20 MINUTOS. E AGORA EVOLUCIONISTAS”

O ouro também pode ser feito artificialmente, e agora criacionistas?

Comentar por Clayton Luciano

JÁ FOI COMPROVADO, O PETRÓLEO PODE SER FEITO ATÉ EM 20 MINUTOS. E AGORA EVOLUCIONISTAS.

Comentar por José Marcelo

Ótimo post, Sabino.

Comentar por Fernando

Fernando:

“A crítica deste senhor é afirmar que a ignorância está do lado criacionista, querendo dizer que esta visão entre os cientistas compromete os avanços sociais e científicos.”

Pode não comprometer totalmente, mas compromete, pois uma situação é o cientísta pensar e valorar livremente

e outra é ele valorar e ter que selecionar só aquilo que não vá contra o livro “sagrado” ou algum livro de fadas.

“Quanto a sua visão, Newton escreve:

“Existe um só Deus Pai, perpétuo, onipresente, onisciente e onipotente, criador do céu e da Terra, e um só mediador entre Deus e o homem: o homem Cristo Jesus”.”

Pois é, este ensinamento não persistiu, pois não é encontrado nada de comprovado nisto.

Comentar por Clayton Luciano

Caro Clayton, diante das inúmeras notícias que temos a observar, livros de fadas parecem estar sendo muito mais requisitados por evolucionistas do que por qualquer outra corrente de pensamento.

“Pode não comprometer totalmente, mas compromete..”

“O relato darwinista clássico da evolução como sendo principalmente realizado pela seleção natural está em dificuldades tanto em termos conceituais como empíricos.”
Jerry Fodor, Filósofo da Ciência e Cientista Cognitivo.

Pois é, Jerry Fodor não é nenhum adepto do ID, muito menos criacionista. Fodor é um ateu. Isso faz algum sentido a vc?

Ao que parece, a única crença que está atrapalhando o avanço da boa ciência não está neste lado.

“Pois é, este ensinamento não persistiu, pois não é encontrado nada de comprovado nisto.”

Crença por crença, então os ensinamentos ateístas também não persistiram, pois “não é encontrado nada de comprovado nisto”.

Os ensinamentos sobre geração espontânea também não persistiram, pois “não é encontrado nada de comprovado nisto”.

Os ensinamentos que falam sobre “leis físicas desconhecidas” que provocaram o big bang também não persistiram, pois “não é encontrado nada de comprovado nisto”.

E a lista continua….

“Para o crente, Deus está no começo; para o físico, Deus está no ponto de chegada de toda a sua reflexão”.
Max Planck, pai da Teoria Quântica.

Comentar por Fernando

Fernando:

“O relato darwinista clássico da evolução como sendo principalmente realizado pela seleção natural está em dificuldades tanto em termos conceituais como empíricos.”
Jerry Fodor, Filósofo da Ciência e Cientista Cognitivo.

Toda a ciência é uma dificuldade pois ela não pode ter o conforto, fácil e preguisoso de falar: “foi Deus!”

“Ao que parece, a única crença que está atrapalhando o avanço da boa ciência não está neste lado.”

Por que?

“Crença por crença, então os ensinamentos ateístas também não persistiram, pois “não é encontrado nada de comprovado nisto”.

A ciência é a até certo ponto comprovada, pode não ser por completo devido ao fato da relatividade da verdade científica, Mas religião não é nada comprovado.

“Os ensinamentos sobre geração espontânea também não persistiram, pois “não é encontrado nada de comprovado nisto”.

Geração espontânea não está em evidência científica mais e quem tem ao menos um segundo grau bem estudado sabe disto.

“Os ensinamentos que falam sobre “leis físicas desconhecidas” que provocaram o big bang também não persistiram, pois “não é encontrado nada de comprovado nisto”.

Temos evidências sobre o Big Bang (pesquisa aí), que envolvem cálculos, a expansão do universo, etc… mas não temos evidências sobre ressuscitar provar filiação.

E a lista continua…

Não compare Big Bang com o fadismo crente pois uma diferença que já é suficiente é que qualquer cientísta que que tiver um projeto de carreira

ambicioso de desmascarar o Big Bang terá seu nome nos livros de física para sempre e ele se orgulhará disto, agora um crente que tente desmascará sua religião já dorme preocupado de ir pro inferno.

Ou seja:

Ciência: descobrir, desmascarar é o caminho da verdade.

Religião: acredite custe o que custar, pois esta obrigatoriamente tem que ser a verdade.

“Para o crente, Deus está no começo; para o físico, Deus está no ponto de chegada de toda a sua reflexão”.
Max Planck, pai da Teoria Quântica.

1 – Então se ele tiver dito que para ele as morenas são melhores que as loiras, logo as morenas são melhores que as loiras. Que raciocínio este seu hein?

2 – Max Planck disse uma coisa que ele não conseguiu provar, ele falhou.

Comentar por Clayton Luciano

Bom dia, só agora conheci este blog estive a ler, com atenção, e há uma coisa que me chama atenção, se o criacionistas, os que propoêm o DI são todos um bando de ignorantes, porque nas universidadades nos EUA fazem pereguição a quem ousa defender o DI? Se são um bando de indoutos a ciência o mostrará, não é necessario impedilos de falar nem chama-los de ignorantes como faz Richard Dawkins, é só deixar o tempo falar, e a verdade supostamnte virá ao de cima, não consigo perceber de que é que os evolucionista têm medo quando querem impedir que se mostrem os dois lados. Quando nós conhecemos os argumentos dos dois lados podemos decidir no que queremos acreditar, como Dawkins refere numa entrevista não lhe custa acreditar numa origem cosmologica, admitia ele que poderiamos ter sido semeados na terra, e quem sou eu para contradizer semelhante autoridade, em histórias de fadas acredita quem quer, penso que o que se pretende é que ambos os lados possam apresentar os seus “contos de fadas” e deixar ao livre arbitrio de cada um escolher.

Comentar por Manuela Fonseca

Manuela Fonseca :

Você está totalmente destualizada, aliás, além de estar desatualizada está propagando a mentira.

Primeiro que Dawkins não é cientista, nunca foi, tem míseros dois artigos na ISS Indexada, que não falam nada de importante.

Depois quem, é o MAL (com L de MALVADO) aqui na história não são os Evolucionistas.

Mas os CRIACIONISTAS que levam os EVOLUCIONISTAS no JUDICIÀRIO para OBRIGAR as universidades a ensinar o Criacioniosmo, o que já foi decidido nos EUA (OXalá, que venha isto para o Brasil um dia), que é algo RELIGIOSO e não CIENTÍFICO.

Então, atualize-se melhor.

Apenas para dar Nome aos bois, diferentemente de você, que *jogou as traças*.

Aqui estão os links.

Tente achar algum EVOLUCIONISTA que colocou os CRIACIONISTAS como Réus. Não vai encontrar.

Ah, eh diferentemente de alguns, que postam *estudos científicos* do tempo de guaraná co rolha, o último é de 2.005.

http://en.wikipedia.org/wiki/Scopes_Trial
http://en.wikipedia.org/wiki/Epperson_v._Arkansas
http://en.wikipedia.org/wiki/Daniel_v._Waters
http://en.wikipedia.org/wiki/Hendren_v._Campbell
http://en.wikipedia.org/wiki/McLean_v._Arkansas
http://en.wikipedia.org/wiki/Edwards_v._Aguillard
http://creationwiki.org/Webster_vs._New_Lenox
http://creationwiki.org/Segraves_vs._State_of_California

Comentar por Ricardo Muradas

O Sabino em sua ânsia de desacreditar a Teoria da Evolução se baseou em um artigo de mais de 22 anos atrás.
Veja a data:(18 de agosto de 1988)
.
Mal sabe ele que foi publicado um artigo 5 meses após solucionando esse problema:
.
http://www.nature.com/nature/journal/v337/n6204/pdf/337226a0.pdf
cite=””>Diamantes Cúbicos do Zaire mostram excelentes correlações entre o teor de potássio e 40 Ar / 36 Ar , e entre 40 Ar / 36 Ar e 39 Ar / 36 Ar, que pode ser interpretado como rendimento “isócrona” de uma idade de cerca de 6 bilhões de anos. Agora, a descoberta de uma correlação entre o teor de cloro e 40 Ar, junto com o trabalho mineralógicos e geoquímicos recentes sobre a origem dos diamantes cúbicos, sugere fortemente que o 40 Ar é um componente adicional que não tem nenhuma relevância para a idade, e que o 40 Ar e seu potássio associado está contido nas inclusões de sub-microns de derivados do fluido do manto.
.
Desculpem-me se a tradução não ficou boa.

Comentar por Agildo Matos




Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s



%d bloggers like this: