No princípio criou Deus os céus e a Terra


Feliz Natal a todos
Dezembro 24, 2010, 1:37 pm
Filed under: Desabafos, Multimédia

Eu, Marcos Sabino, desejo um bom natal a todos os leitores deste blog, passado na companhia daqueles que vos são mais queridos. E com alegria, já que Natal significa que o Salvador nasceu!

[Youtube=http://www.youtube.com/watch?v=_tgv5UeEAaw]



Ainda o “Zeitgeist Refutado”
Novembro 22, 2010, 7:01 pm
Filed under: Multimédia

Numa das suas raras manifestações públicas, Peter Joseph, o autor do documentário Zeitgeist, sentou-se à mesa com uma das suas fontes mais citadas no filme (mais de 30 vezes), Acharia S. O intuito da conversa amena era oferecer as respostas ao desafio colocado pelo site Zeitgeist Challenge, que oferece dinheiro a quem conseguir mostrar os registos históricos egípcios pré-Cristianismo que fundamentem as alegações do documentário, nomeadamente, que Jesus Cristo não existiu e é apenas uma junção de vários deuses pagãos.

A tentativa de defesa desta ocultista tão citada pelo autor de Zeitgeist roçou o patético. No decorrer do vídeo de refutação que o dono do site Zeigeist Challenge preparou, a autora admite que a fonte mais antiga que serve de sustento às alegações do filme é Plutarco e os seus escritos. Acontece que Plutarco viveu depois de Cristo (e, por conseguinte, depois do advento do Cristianismo) numa altura em que os hieróglifos egípcios, que segundo Acharia S. contém as inscrições da vida de Hórus e dos seus paralelismos com Cristo, mal eram compreendidos.

Isto para não falar que é reconhecido pelos historiadores modernos que Plutarco tinha uma agenda a defender e era conhecido por fabricar paralelismos entre diferentes divindades. Portanto, fontes egípcias originais que sustentem as afirmações não-históricas do Zeitgeist nem vê-las.

Mas esta não é a única parte anedótica. A meio da conversa Acharia S. começa a dizer que os termos “virgindade” e “crucificação”, referidos no documentário para desenhar paralelismos entre os deuses pagãos e Jesus Cristo, afinal não são bem aquilo que nós entendemos para o caso de Cristo.

Por exemplo, ela admite que os deuses pagãos citados não eram virgens quando deram à luz no sentido que nós damos a isso (não ter tido relações sexuais aquando da concepção). Pelo contrário, ela admite que os deuses egípcios podiam permanecer virgens mesmo depois de terem relações sexuais e darem à luz, uma vez que os egípcios adoptavam o conceito de “virgindade perpétua” para os seus deuses (Parte 5 do vídeo).

Outra coisa interessante admitida pela autora é que Hórus não nasceu apenas dia 25 de Dezembro, mas sim todos os dias. Acharia S. diz que Hórus, sendo o deus-sol (informação também incorrecta – Hórus era o déus dos céus) nascia todos os dias.

Basicamente, à medida que a conversa amena avança, os 2 intervenientes vão-se refutando a eles mesmos e mostrando que tiveram de permitir grandes liberdades criativas para traçarem os paralelismos que traçaram. A credibilidade, que já não tinham, fica ainda mais arranhada. E é esta informação-lixo que os ignorantes engolem e alguns deles inclusive gastam dinheiro nos livros destes ocultistas travestidos de académicos (por certo, um bom exercício para ti que acreditas neles seria listares todos os autores citados no Zeitgeist e procurares as suas habilitações académicas. Boa sorte!).

Tem mais pontos interessantes esta conversa mas como ouvi os vídeos no trabalho enquanto fazia outras coisas, isto foi o que me ficou na cabeça. Para quem gostar deste tema, pode ver os vídeos. São 10 partes em inglês ainda sem legendas. Fica aqui a 1ª parte, as restantes vão pelos vídeos relacionados.

[Youtube=http://www.youtube.com/watch?v=o6Kyxy0_hGg]



Páscoa = Vida
Abril 4, 2010, 4:26 pm
Filed under: Convicções / Fé, Multimédia

Nesta Páscoa voltamos a lembrar o sacrifício de Jesus Cristo por amor de todos nós, mesmo por aqueles que o negam como Salvador e até como figura histórica. Jesus Cristo, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus. Antes, esvaziou-se a si mesmo e tornou-se semelhante aos homens, humilhando-se e dando a sua vida para que tu e eu pudéssemos ganhar uma nova vida. (Filipenses 2:6-8)

Graças Te damos Deus Pai por aquilo que fizeste e tens feito por nós. Amén

[Youtube=http://www.youtube.com/watch?v=vMuX9f5HFYg]



A Eugenia até pode nem ser uma má ideia
Janeiro 21, 2010, 9:19 am
Filed under: Evolução/Big-Bang, Multimédia

O termo Eugenia foi criado por Francis Galton, que o definiu como: “O estudo dos agentes sob o controle social que podem melhorar ou empobrecer as qualidades raciais das futuras gerações, quer física quer mentalmente”. Galton acreditava que as forças cegas da selecção natural, como agente propulsor do progresso humano, deveriam ser substituídas por uma selecção humana consciente, recorrendo ao conhecimento e técnicas disponíveis a fim de promover o progresso físico e moral. Esta crença está directamente associada à teoria da Evolução, que prega que, ao contrário do que dizem os cristãos, o ser humano não é especial… é apenas um animal evoluído.

O conceito da eugenia esteve na base do regime nazi, cujo propósito era fazer aquilo que a selecção natural não fez… eliminar os menos aptos.

Não é politicamente correcto concordar com Hitler, mas…

Há poucos anos, um dos padres da teoria evolucionista veio dizer que a Eugenia até pode nem ser uma má ideia. Richard Dawkins ataca os “cristãos” pelas atrocidades cometidas em nome da religião, mas parece querer restaurar as ideias nazistas.

richarddawkinsadolfhitler

Para os interessados, fica aqui um vídeo sobre a influência deste pensamento na sociedade:

[Youtube=http://www.youtube.com/watch?v=pAb9CmXGd2Y]

[Youtube=http://www.youtube.com/watch?v=YzDzVpPHXAo&feature=related]

[Youtube=http://www.youtube.com/watch?v=KR4VsmrYhco&feature=channel_page]



Documentário: Zeitgeist Refutado
Dezembro 2, 2009, 10:29 pm
Filed under: Convicções / Fé, Multimédia

O Zeitgeist é um documentário que foi lançado em 2007 que contesta alguns temas da religião, política e economia. Relativamente à religião, que é a parte que nos interessa, este documentário nega a existência histórica de Jesus Cristo, alegando que o mesmo é apenas uma junção de histórias de vários deuses de outras religiões.

Este documentário é um grande exemplo de como não fazer um documentário, pois as alegações que faz acerca de Jesus Cristo e do Cristianismo encaixam num ou mais dos seguintes quatro pontos:

1) são fabricadas. Não se encontram registadas em nenhuma obra histórica antiga;

2) recorrem a fontes que datam mais de 100 anos depois do Cristianismo e de Jesus Cristo (tradução: supostamente, ideias que só surgiram mais de 100 anos depois do Cristianismo terão influenciado o mesmo);

3) má utilização de termos para se referir a práticas bíblicas (por exemplo, os escritos egípcios contam que Osíris morreu e os seus pedaços foram lançados nas águas, tendo sido depois pescados por Sebek, o deus crocodilo, a pedido de Ísis. Este acto é referido como sendo um “baptismo”, como se isto tivesse alguma coisa a ver com o baptismo de Jesus Cristo, para depois se dizer que Osíris também foi baptizado (vá, não se riam)).

4) as suas fontes são livros de pessoas que estão longe de serem historiadores que, por sua vez, se citam uns aos outros ou então citam a tal literatura antiga que data mais de 100 anos após o Cristianismo.

Resumindo, este documentário é lixo autêntico, desprovido de qualquer validade histórica. O site Zeitgest Challenge oferece dinheiro a quem oferecer evidências históricas tangíveis relativamente às alegações apresentadas no filme.

O que mais me preocupa é que há por aí muita gente que viu o Zeitgest (mais de 10 milhões, segundo o Diário de Notícias) e que engole tudo aquilo que este documentário enganoso afirma. Também descobri que existe um movimento português a promovê-lo e a procurar exibi-lo em locais públicos. Achei, por isso, que era altura de ter aqui qualquer coisa referente ao Zeitgest.

Encontrei o documentário “Zeitgest Refutado” por intermédio do blogue Fatos em Foco. Deixo-o aqui para todos aqueles que quiserem conferir as mentiras do documentário relativamente à parte do Cristianismo. Legendas em português.
_____________________________________________________________________

Parte 1 – Foi o Cristianismo criado para controlo social? Quais são as fontes das ideias no filme Zeitgest?

[Youtube=http://www.youtube.com/watch?v=jlPvJbmUdB8]

Parte 2 – Quais são as fontes das ideias no filme Zeitgest? Está o Evangelho baseado na Astrologia?

[Youtube=http://www.youtube.com/watch?v=7m2bPfPXjAs]

Parte 3 – Está o Evangelho baseado na Astrologia? Jesus Cristo é um mito pagão?

[Youtube=http://www.youtube.com/watch?v=x5HOo4i-9JQ]

Parte 4 – Jesus Cristo é um mito pagão?

[Youtube=http://www.youtube.com/watch?v=KAwkHVN-aYM]

Parte 5 – Jesus Cristo é um mito pagão? A Bíblia foi plagiada?

[Youtube=http://www.youtube.com/watch?v=mwv8I0hKg3Y]

Parte 6 – A Bíblia foi plagiada? Existe evidência histórica de Jesus Cristo?

[Youtube=http://www.youtube.com/watch?v=b_i808ybm3U]

Parte 7 – Existe evidência histórica de Jesus Cristo?

[Youtube=http://www.youtube.com/watch?v=u-wksO_afqA]

Parte 8 – Jesus ressuscitou?

[Youtube=http://www.youtube.com/watch?v=056AalU3WfM]

Parte 9 -Jesus ressuscitou? O que é que a Bíblia ensina?

[Youtube=http://www.youtube.com/watch?v=YxF9pQrUHlM]

Parte 10 -O que é que a Bíblia ensina?

[Youtube=http://www.youtube.com/watch?v=ULTmbp2CIRk]



“I have a dream” – Martin Luther King
Novembro 16, 2009, 3:57 pm
Filed under: Multimédia

Aqui se pode ver o que é falar aquilo que se crê e se vive.

[Youtube=http://www.youtube.com/watch?v=q6_zeDrRgXQ]

__________________________________________________________________

Modificado a partir do original Resumo da ÓperaProfetas Modernos: Martin Luther King



A Torre de Babel e as evidências arqueológicas
Novembro 2, 2009, 9:08 pm
Filed under: Convicções / Fé, Multimédia

Exposição realizada pelo Dr. Rodrigo Silva a respeito das evidências arqueológicas da torre de Babel.

[Youtube=http://www.youtube.com/watch?v=eijm8dsQNZk]

[Youtube=http://www.youtube.com/watch?v=PAumNy8gBEw]

[Youtube=http://www.youtube.com/watch?v=IgoKolJ2pgQ]

Ver também: Ao mesmo tempo – os efeitos de Babel