No princípio criou Deus os céus e a Terra


Explosão criativa – Mais ecos de Babel
Março 24, 2010, 9:22 pm
Filed under: Convicções / Fé, Evolução/Big-Bang

Ensina a teoria religiosa de Darwin que tudo chegou onde está através da evolução gradual. No entanto, gradual é algo que não se vê muito quando olhamos para as evidência espalhadas por aí. São os exemplos vistos nos posts Fóssil de dinossauro atenta contra o gradualismo evolucionista, Evolução do cavalo leva coice e Ao mesmo tempo – Os efeitos de Babel. Pegando neste último post sobre Babel, a linguística é uma das áreas que mostra súbitas “explosões” que contrariam a ideia do gradualismo darwinista.

Para além da “explosão das civilizações” e “explosão das línguas”, existe agora uma outra explosão a que os arqueólogos chamam de “explosão criativa”, caracterizada pelo súbito aparecimento do pensamento abstracto e de criação artística. Investigadores da Universidade de Victoria, nos EUA, reuniram todos os registos presentes em 146 cavernas na França. Segundo eles, estas cavernas têm entre 35 e 10 mil anos de idade (não se esqueçam que estas idades não são atribuídas através da observação, mas sim da interpretação de dados, interpretação essa que já foi mostrada obsoleta).

Os arqueólogos ficaram surpreendidos quando repararam que os diferentes locais continham sinais e símbolos com um estilo semelhante. Iain Davidson, especialista em arte rupestre da University of New England, explicou: “Este trabalho é realmente excitante. Podemos ver que estas pessoas tinham uma convenção semelhante para representar alguma coisa“.

Von Petzinger, outro arqueólogo, também disse estar “mesmo muito surpreendido ao descobrir isto“. Se a explosão criativa ocorreu entre 30 a 40 mil anos atrás, como julgavam os arqueólogos, seria de esperar encontrar evidência de símbolos a serem inventados e descartados ao longo deste período. Seria de esperar que passasse um longo período de tempo antes que um sistema de símbolos e sinais pudesse ser reconhecido. No entanto, não é isso que os dados mostram. Os dados sugerem que um conjunto de símbolos já estava muito bem estabelecido no início da tal explosão.

Explosão comum única vs explosão comum independente

Os arqueólogos interpretam estes dados de duas maneiras. Um dos lados afirma que o conhecimento destes símbolos viajou com as tribos pré-históricas à medida que emigraram desde África, tendo tido origem inicial neste continente. O outro lado diz que esta explosão criativa originou-se de forma independente, isto é, surgiu nos diferentes povos em diferentes zonas do globo.

CONCLUSÃO

Qualquer um dos lados é facilmente acomodado na visão criacionista. Por outro lado, qualquer um dos lados é uma forte evidência contra o gradualismo evolucionista. Se o ser humano já anda pela Terra há muitos milhares de anos, por que razão este click de representação simbólica e criativa aconteceu na mesma altura para os diferentes povos?

Por que razão não há evidências de um upgrade gradual na representação criativa? Onde é que estão as evidências da tentativa-erro que seria de esperar num mundo que evoluiu através do gradualismo (tal como os arqueólogos esperavam)? E quais terão sido as raízes da “convenção semelhante para representar alguma coisa“?

Para os menos perspicazes e/ou demasiadamente hipnotizados pelo evolucionismo, vamos ver em que cenário os dados encaixam melhor:

O que diz a Bíblia? Que os idiomas surgiram num único momento, de forma instantânea. O que mostram os dados, estes em concreto? Que um conjunto de símbolos e sinais já estava muito bem estabelecido desde o momento em que ele surge. Encaixe perfeito!

O que seria de esperar num cenário evolucionista? Evidência de símbolos a serem inventados e descartados ao longo de um certo período de tempo. O que mostram os dados, estes em concreto? Que um conjunto de símbolos e sinais já estava muito bem estabelecido desde o momento em que ele surge. Não encaixa!

Mais uma vez, a bíblia mostra-se fiel no relato da verdadeira origem das coisas.


30 comentários so far
Deixe um comentário

Vamos combinar o seguinte: Leiam o livro A Gênese de Alan Kardec e depois vocês vão ver como as coisas realmente se encaixam.

Comentar por Angela

Sabinoooooo!!🙂

Estávamos preocupados, nem email tu respondias…

Obrigado pelo post novo, abraço forte.

Comentar por nilo

É um erro comum entre o leigos… entre os pseudo-biólogos-evolucionistas, a evolução cultural não se dá segundo critérios darwinistas. O darwinismo é uma Teoria Biológica que apenas diz respeito à evolução biológica…

Quanto ao resto, encontrem a Torre de Babel, desenterrem-na, e depois falaremos.

Comentar por Tucano

Finalmente alguém reconheceu que o darwinismo não pode explicar o surgimento do quadro Mona Lisa de L. da Vinci.

Muita gente não admite isso, parabéns!

Comentar por nilo

mas que é essa muita gente que pensa dessa forma?

Comentar por ND

Alguns loucos tais Herbert Spencer.

Comentar por nilo

só isto?

Comentar por ND

Sério ND?
Steven Pinker

Leda Cosmides

Robert Trivers

Aliás, você ainda não respondeu minha enquete abaixo…. SIM ou NÂO?

Comentar por nilo

acho que estás a fazer confusão, uma coisa é a crença no “darwinismo social” ou eugenia. Outra coisa é a influência que o ser humano como animal, com os seus comportamentos inatos, e como esta forma de ser se manifesta na sociedade

Sim ou não, o quê?!

Comentar por ND

Aliás, isto dá até um bom inquérito.

a. Quem acha que o darwinismo explica, direta ou indiretamente, o surgimento do quadro Mona Lisa de L. da Vinci, responda: SIM.

b. Quem acha que o darwinismo NÂO explica, nem direta e nem indiretamente, o surgimento do quadro Mona Lisa de L. da Vinci, responda: NÃO.

[..]

Nilo: NÃO

Comentar por nilo

desculpa “Sim ou não, o quê?!” em cima, só agora li.
Acho que é um absurdo completo. Mas também ainda não vi em lado nenhum quem realmente defenda isso.

Comentar por ND

O Sabino esteve ausente porque esteve preso por ataques à ciência!

Bem vindo (de volta), soldado de Cristo!

Comentar por Mats

Sabino ou outro:

“O que diz a Bíblia? Que os idiomas surgiram num único momento, de forma instantânea.”

Favor identificar a passagem bíblica, para que os interessados certifiquem que houve uma interpretação autêntica.

Comentar por Clayton Luciano

“E era toda a terra de uma mesma língua e de uma mesma fala.

E aconteceu que, partindo eles do oriente, acharam um vale na terra de Sinar; e habitaram ali.

E disseram uns aos outros: Eia, façamos tijolos e queimemo-los bem. E foi-lhes o tijolo por pedra, e o betume por cal.

E disseram: Eia, edifiquemos nós uma cidade e uma torre cujo cume toque nos céus, e façamo-nos um nome, para que não sejamos espalhados sobre a face de toda a terra.

Então desceu o SENHOR para ver a cidade e a torre que os filhos dos homens edificavam;

E o SENHOR disse: Eis que o povo é um, e todos têm uma mesma língua; e isto é o que começam a fazer; e agora, não haverá restrição para tudo o que eles intentarem fazer.

Eia, desçamos e confundamos ali a sua língua, para que não entenda um a língua do outro.

Assim o SENHOR os espalhou dali sobre a face de toda a terra; e cessaram de edificar a cidade.
9 mapa Por isso se chamou o seu nome Babel, porquanto ali confundiu o SENHOR a língua de toda a terra, e dali os espalhou o SENHOR sobre a face de toda a terra.”

(Gn 11)

Sabe Luciano, algumas coisas precisam ser consideradas aqui….

As linguas são “vivas”, são moldadas pela cultura, todos os dias. Há linguas que deixam de existir por imposição de dominadores e impérios, e há dialetos e formas novas ou misturadas de falar aparecendo também.

O fato narrado nesta passagem fala que os homens estavam todos juntos e tinham a mesma forma de falar – que, naturamente, era dinâmica e não estática.

Ou seja, a língua também teria mudado, naturalmente, e seria muito diferente com o passar dos séculos. Provavelmente surgiriam dialetos e outras formas de falar mesmo sem estes acontecimentos de Babel.

Mas por que Deus fez isto então?

Veja, o homem já estava caído, já era mau constantemente.

Então, se a humanidade se desenvolvesse de uma única cultura, teríamos uma história muito abreviada: a perversidade humana teria expressão máxima muito antes do tempo devido.

Deus achou apropriado espalhar a humanidade pelo globo (isto explica bem os homens na América e por toda parte fora da Africa), dividindo-os geograficamente, isto nos livrou de um fim precocemente trágico.

A separação dos homens e o surgimento das diversas línguas foram bençãos de Deus, e não castigos.

[…]

Mas hoje, estamos caminhando para um sistema globalizado novamente. A questão língua e distancia geográfica não são mais barreiras.

Dentro em pouco, teremos um tribunal internacional, um governo internacional, um único presidente e uma cultura convergente.

Este é o cenário descrito no livro de Apocalipse e será nesta época que, finalmente, a maldade humana irá atingir seu apice.

Abraço.

Comentar por nilo

desculpe pelo negrito exagerado, esquecí de fechar a “tag”

Comentar por nilo

Nilo:

O Sabino disse que TODOS (plural, mais de um) os idiomas surgiram ao mesmo tempo e voce diz que primeiro surgiu um, que deste depois surgiram os demais. Confira:

“O que diz a Bíblia? Que os idiomas surgiram num único momento, de forma instantânea.” (sabino)

Comentar por Clayton Luciano

Sim, mas vá lá. Você entendeu o que ele disse.

Você esta apenas polemizando.

[..]

a. É claro que havia 1 lingua

“E era toda a terra de uma mesma língua e de uma mesma fala.”

b. É claro que o fato de Babel espalhou os homens e fez nascer, naquele dia, as famílias linguísticas que deram origem as mais variadas maneiras modernas de falar.

“Por isso se chamou o seu nome Babel, porquanto ali confundiu o SENHOR a língua de toda a terra, e dali os espalhou o SENHOR sobre a face de toda a terra.”

Não tenho dúvidas de que o Sabino considera estas coisas. Basta ler outros posts dele sobre o assunto (aqui, por exemplo )

Mas o ponto importante aqui é:

“Por que as civilizações a florescerem pelo planeta, mais ou menos na mesma altura?”

Comentar por nilo

As “súbitas “explosões”” são a nível cultural. O gradualismo darwinista é a nível biológico. Não existe qualquer relação directa. Em nenhum livro sobre evolução encontras esta relação. Está errado.

“upgrade gradual na representação criativa” está errado. Não existia como transmitir a informação. Uma tribo era culturalmente evoluída se o alimento era farto ou não deixava qualquer vestígio se lutava para sobreviver.

o restante texto parece-me interessante.

E já agora, os descendentes da arca desenhavam um bocadito mal, não?

Comentar por ND

E toda a gente sabe que os historiadores fazem parte duma sinistra organização que tem como fim desacreditar a interpretação literal da Bíblia.

É sabido que antes de publicarem algo sobre história o Prof Hermano Saraiva e o o José Matoso reunem-se secretamente com os astrofisicos, os biólogos, os geógrafos, na cave do Dawkings para que os resultados e evidências sejam todos iguais e que, é claro, sejam contrários ao CTJ.

O Papa também vai ?

Tem juízo Sabino e vai estudar história …..

Comentar por Joao Melo De Sousa

Nilo:

“Sim, mas vá lá. Você entendeu o que ele disse.

Você esta apenas polemizando.

[..]

a. É claro que havia 1 lingua”

O Post trata do surgimento de VÁRIAS linguas e o sabino diz que a Bíblia trata sobre o surgimento de VÁRIAS linguas ao mesmo tempo.

O que eu entendi é que estão querendo pegar uma situação sem explicação ainda e apropriar com a Bíblia de forma grosseira e indevida, pois a Bíblia não diz isso. É política.

Comentar por Clayton Luciano

Sei lá, não estou te entendendo.

Coloquei um texto lá para cima, parece claro que:

– Havia 1 lingua e o povo estava junto.
– Deus espalhou as pessoas pela Terra e fez falarem novas e diferentes linguas, isto simultâneamente, em um único evento.

E é claro não está dizendo que, que naquele dia, surgiram todas as linguas que existem hoje. Mas que surgiram modos de falar novos que, evidentemente deram origem às nossas linguas modernas como também às linguas agora mortas.

Qual é o seu ponto, afinal?

Comentar por nilo

Nilo:

“Qual é o seu ponto, afinal?”

Que a Bíblia não ajuda em nada para este enigma do post.

Pois há inúmeras outras possibilidades como aquelas que estão neste post.

“O que diz a Bíblia? Que oS idiomaS surgiram num único momento”

A Bíblia não diz isto.

Comentar por Clayton Luciano

Por outro lado, a narrativa de Gn 11 responde bem ao surgimento simultâneo das linguas, das civilizações e culturas em diferentes partes do globo.

Ainda que você não achou as exatas palavras usadas pelo Sabino no texto santo.

Comentar por nilo

Este, como outros posts, demonstram por um lado uma ignorância enorme sobre o que é a ciência histórica ou, no caso de ser informado apenas má fé.

Não há qualquer concordância entre a cronologia bíblica do CTJ com a história. Não há evidências de diluvio, jardins do éden, torre de babel ou outros mitos. São mitos e tomados como tal.
Há é fortes indícios que relatos da bíblia, do Alcorão, dos maias e do homem-aranha se passam em lugares que existiram na realidade.

Ninguem contesta que a Nova Iorque do Peter Park é real. A estória da aranha radioactiva já não é tão certa….

Partes do VT são relatos baseados em factos tão verídicos como a Eneida.

Não vamos é imaginar e muito menos ensinar a alunos que a terra tem 6000 anos ou que as éguas da Lusitânia engravidavam com o vento…

A hipótese das línguas terem surgido em Babel é extraordinariamente remota.

Não há qualquer trabalho histórico que suporte.

E se o querem fazer façam-no e enviem-no para uma faculdade de história.

Boa sorte !

Ahhh! Eu sei! A tal sinistra organização evolucionista e ateia que controla as faculdades de história de todo o mundo para que estas só apresentem resultados completamente incompatíveis com o CTJ.

Vá lá! Coragem!

Digam publicamente que os historiadores escondem e torcem factos só para contrari o CTJ.

Isso é que era coragem!

kkk

Claro que nem se atrevem!

Sempre é mais simples dizer que T.E. é que é a culpada de tudo…

Comentar por Joao Melo De Sousa

João, tirando o excesso na ironia do final, respeito tua posição, parabéns.

O relato de Gn 11 fala do espalhamento do homem pelo globo e do surgimento de diversas linguas.

Nós dois concordamos sobre isto.

Mas vamos ver onde divergimos:

1) Você vê o texto como uma mitologia feita a partir do fato, ou seja, quem criou o mito observou que os homens estavam espalhados e falavam várias linguas, então explicou daquela forma. Era uma explicação válida até que outra melhor a substituísse.

Mas note, existem também outras duas possibilidades:

2) O texto realmente é divinamente inspirado e trata-se de uma parábola, ou seja, uma maneira simbólica de falar, ao arcaico leitor daquela época, coisas tão complexas quanto a evolução do homem, migração pelos continentes, evolução da fala e etc. Ou seja, o texto é simbolicamente sobre o fato.

3) O texto realmente é divinamente inspirado e trata-se de uma explicação factual do que ocorreu, e como ocorreu. Ou seja, o texto é literalmente sobre o fato.

Minha aposta é a opção 3. Posso estar enganado? Sim, obviamente.

Mas não estou enganado sobre o Jesus da Bíblia.

Digo isto sem qualquer arrogância. O que acontece é que minha vida nunca mais foi a mesma depois que Ele me salvou.

“Antes eu te conhecia, só de ouvir falar, mas agora te conheço por contigo andar”

[..]

Estava lendo o wiki sobre a torre de babel. Como é um artigo aberto, tem um pouco destas 3 visões lá, é interessante.

Acho que só indo ao Iraque escavar para tirar a dúvida mesmo, que acha?

Mas cuidado onde pisar, pode explodir…
🙂

Abraço.

Comentar por nilo

Nilo:

A fé não é sinal de estupidez ou ignorância. Uns tem outros não. Pessoas superiormente inteligentes são crentes e descrentes.

Uma coisa completamente diferente é pretender alterar o sistema de ensino, como aconteceu nos EUA, porque a ciência de alguma forma colide com as nossas convicções pessoais.

Os mórmones adoravam que se ensinasse qie houve uma colonização egípcia nas américas, os conservadores biblicos que a terra só tem 6000 anos e, possivelmente os borórós teriam outras pretensões.

Legitimas porque a fé de cada um é legitima mas impraticável porque se tivéssemos nas aulas de ciência ou história ensinar todas as fés particulares e hipóteses não confirmadas a coisa desandava em confusão.

Repara : “Eram os deuses astronautas”, as crenças Wicca ou a mitologia Indu tem tanta dignidade, para quem crê como a mitologia cristã literalista.

São verdade para quem crê nelas.

Agora, do ponto de vista prático, não passam de meras hipóteses não testáveis.

E, deves concordar comigo, as alegações dos CTJ são regra geral argumentos baseados em má fé, citações fora do contexto e manipulação de dados e factos.

E repara a explicação da origem das línguas por Babel é uma utilização do deus das lacunas:

Não se sabe como se deu tal fenómeno, logo foi deus. Quando se descobre o mecanismo já não é preciso deus.

Repara que dizer :

As línguas surgem em Babel todas ao mesmo tempo por um processo mágico e para além da nossa compreensão.

É uma explicação tão boa como dizer o arco-íris é um lembrete de deus para não fazer outro diluvio e é por isso que as cores se juntam daquela forma.
Como era um processo desconhecido até Newton atribuia-se a deus.

<felizmente Newton decidiu investigar e não se contentou com a resposta : -foi deus!

Penso que é péssimo para a fé utilizar deus como um colmatador de lacunas

Comentar por Joao Melo De Sousa

Sim, existe muita aposta no meu CTJ.

E não, não creio nas lacunas da forma como você esta apresentando.

Creio no Jesus, da Bíblia.

E sim, o D.I. é cientificamente viável.

Vale lembrar que CTJ depende do D.I., mas D.I. não depende do CTJ. Não confunda.

E, finalmente, sim, sou a favor da pesquisa.

“Não sabemos, que não sabemos”

Abraço.

Comentar por nilo

A SCB [Sociedade Criacionista Brasileira], por meio de seu presidente, Dr. Ruy Carlos de Camargo Vieira, se manifesta totalmente contra o ensino do criacionismo nas escolas e universidades públicas. Além da questão da laicidade do Estado, há escassez de profissionais devidamente versados em criacionismo bíblico, pois todos os cursos universitários apresentam em sua grade curricular propostas para o ensino apenas das teses evolucionistas. Consequentemente, não há formação de profissionais devidamente conhecedores do modelo criacionista e muito menos aptos a apresentar e defender suas teses.

Não existe interesse algum (pelo menos no Brasil), ao contrário do que é divulgado pela mídia, de que as teses defendidas pelo modelo criacionista substituam a teoria da evolução ensinada nas escolas e universidades (tanto é que escolas criacionistas como a Adventista e a Mackenzie incluem os dois modelos em seu currículo). Obviamente, não há nenhuma oposição ao ensino do modelo criacionista em escolas confessionais, uma vez que há abertura constitucional para isso.

Comentar por Fabricio Lovato

Fabricio Lovato

O Criacionismo não quer substituir o ensino do evolucionismo, mas apenas demonstrar que as idéias de Darwin não são a única teoria que existe e acima de tudo, que não são uma teoria comprovada e incontestavel.

Comentar por Rodrigo César Nunes Pino

Sabino, só uma coisa.
Eu acredito em todas as palavras do Genesis, acredito em nossos dois primeiros pais, mas existem coisas no sagrado relato que evidentemente são simbolos.
A arvore do bem e do mal certamente representa a Magia, uma ciencia que pretende transformar o homem num Deus.
A Torre de Babel certamente foi um império que possuia tanta tecnologia como nós temos hoje, sediado na planície de Sinnear, que governava todos os homens. A torre representa a velha ambição do homem de querer destronar Deus, como se Deus não fosse infinito. Ela foi destruida por catastrofes sobrenaturais e talvez também por uma guerra nuclear, separados pelas trágedias que os povos passaram a formar linguas diferentes, pois assim era preciso para que as almas pudessem passar por experiencias diferentes e terem chances diferentes de encontrar o caminho da salvação, pois Deus já conhece cada alma assim que Ele à cria, e sabe que seriam tantas a serem criadas e tão diferentes, que cada uma delas precisava de uma cultura diferente, com costumes e cosmovisões diferentes, para poder se salvar seguindo a lei natural, a consciência.
Isso antes da Vinda de Deus em carne, quando a humanidade voltou a poder se unir como um único povo: por isso que foi a civilização cristã que unificou o mundo. Era fatal.

Comentar por Rodrigo César Nunes Pino




Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s



%d bloggers like this: