No princípio criou Deus os céus e a Terra


Na Idade da Pedra já se faziam amputações
Fevereiro 19, 2010, 11:15 pm
Filed under: Evolução/Big-Bang

Quando o tópico da evolução humana era abordado nas carteiras da escola, costumávamos ver imagens de homens primitivos de aspecto grotesco que mais não faziam do que pintar paredes de cavernas, caçar e brincar com o fogo (se tanto). Essas imagens ocuparam a nossa mente desde cedo na nossa vida e induzem-nos (mal) a pensarmos que os seres humanos do passado realmente eram broncos primitivos sem grande inteligência, raciocínio e capacidade de aprendizagem.

Pois bem, essa é a histórinha evolucionista… que precisa apelar ao poder da visualização para convencer as pessoas de forma mais eficiente. Neste processo, as observações científicas são relegadas para o 2º plano.

Evidência de amputação

Um relatório de arqueólogos franceses reportou a descoberta dos restos mortais de um indivíduos sem um braço. A sua análise revelou que o braço tinha sido cortado mesmo acima do cotovelo e que tinha sido posteriormente curado, indicando que a pessoa viveu muitos anos após a cirurgia. O paciente teria sido anestesiado e o corte tratado após a cirurgia.

O artigo não consegue evitar dizer que estas observações sugerem que “os verdadeiros Flintstones eram mais desenvolvidos do que se pensava anteriormente” e que, ao contrário do que se pensava, “obviamente eles tinham conhecimento médico“.

Publicado no jornal Antiquity.

CONCLUSÃO

Mais uma vez os evolucionistas ficam surpreendidos ao detectarem conhecimento tão avançado há tantos anos a esta parte (Também já tinham ficado surpreendidos com evidências de prática de medicina dentária, operações à cabeça e outros feitos semelhantes).

Por que razão elas ficam constantemente surpreendidos? Porque têm em mente uma determinada concepção da história da Terra e do ser humano. Esta concepção prévia da História da Humanidade origina o seu constante espanto pelo nível de conhecimento demonstrado pelos antigos.

Sempre que abordo casos como este, há sempre algum evolucionista residente que tenta negar o Holocausto e põe-se com tretas do género: “Nunca um evolucionista disse que não era suposto encontrar altos índices de conhecimento e inteligência na pré-História“, coisa que é facilmente desmentida pelo constante espanto demonstrado pelos evolucionistas aquando destas descobertas.


25 comentários so far
Deixe um comentário

“os verdadeiros Flintstones eram mais desenvolvidos do que se pensava anteriormente”
Do que eles pensavam anteriormente, eheh.

Muito interessante😉

Comentar por JoanaPaz

O “processo imaginário da evolução” se apóia em premissas de uma cosmovisão em que o criador é trino:tempo-acaso-mutações.Há de se mudar a cosmovisão para que a “cegueira” se desfaça.A problemática não é sómente o desenvolvimento de seres “menos evloluídos,para mais evoluídos”através o aparecimento de novas formas corpóreas que mutações aleatórias e comprovadamente deletérias o fariam,e sim a explicação da origem do universo e da vida,com todas as suas improbabilidades e “milagres”naturalistas,em que a sua fé ,ultrapassa a dos teístas.

Comentar por jonas

Oi.Gostaria de ter uma orientação.É o seguinte: se um professor passa a seguinte questão: Faça um comentário sobre a origem do universo e do sistema solar? Se sou cristã devo colocar A visão evolucionista e criacionista ou apenas a evolucionista?

Comentar por clayra

Voce poderia expor as duas visões e mostrar que ambas são baseadas principalmente na fé, pois nenhum humano estava presente no momento em que o universo surgiu. Mas se você é cristã, poderia incluir esta história, cuja autenticidade ainda não coneguí confirmar:

Quem Fez Isto?

Sir Isaac Newton tinha um amigo que, como ele, era um grande cientista. A grande diferença era que este amigo era ateu, enquanto Newton era um dedicado e devoto crente. Embora sempre travassem batalhas acerca da existência e natureza de Deus, o mútuo interesse deles pela ciência os aproximava. Newton fez com que um mecânico muito habilidoso lhe fabricasse uma miniatura réplica do nosso sistema solar. No centro estava uma grande bola folheada a ouro, representando o sol; girando ao redor dela, fixadas nas pontas de braços de vários comprimentos, estavam bolinhas menores, representando Mercúrio, Vênus, Terra, Marte, Júpiter e Saturno, na ordem e nas distâncias apropriadas. Todas as bolas eram de tal forma ligadas entre si, através de complexos mecanismos de engrenagens e de correias, que se moviam em perfeita harmonia ao se girar uma manivela. Um dia, estando Newton lendo em seu estúdio, com seu mecanismo sobre uma grande mesa perto de si, seu amigo entrou. Ele era cientista bastante para reconhecer, num relance, o que estava diante dele. Apressando-se para lá, lentamente girou a manivela e, com indisfarçável admiração, viu todos os corpos celestiais se moverem em suas apropriadas órbitas e velocidades relativas. Afastando-se uns poucos metros, exclamou: “Caramba! Quem fez esta coisa, tão maravilhosa?”
Sem levantar os olhos de seu livro, Newton respondeu: “Ninguém!” Rapidamente, voltando-se para Newton, o ateu disse: “Evidentemente, você não entendeu minha pergunta. Eu perguntei: quem fez este maravilhoso mecanismo?” Levantando os olhos, Newton solenemente lhe assegurou que ninguém o tinha feito, mas que apenas tinha acontecido que, por acaso, a matéria (que o ateu tão fortemente admirava) tinha se agregado na forma do mecanismo. A isto, o atônito ateu replicou com certa raiva: “Você deve pensar que sou louco! Claro que alguém fez isto, ele é um gênio, e eu gostaria de saber quem é ele”.
Deixando seu livro de lado, Newton levantou-se, colocou uma mão no ombro de seu amigo, e disse: ”Este mecanismo não é senão uma ínfima imitação de um sistema muito mais grandioso, cujas leis você conhece. Ora, eu não sou capaz de convencê-lo de que este mero brinquedo existe sem um projetista e fabricador; ainda assim, você professa crer que o maravilhoso original (do qual eu grosseiramente copiei e imitei um aspecto do projeto) veio a existir sem ter projetista e sem ter fabricador! Agora, diga-me, por qual tipo de raciocínio você chega a uma conclusão tão absurda?” O ateu foi imediatamente convencido e tornou-se um firme crente de que ”Jeová, Ele é o Deus”.

Autor: E. L. Bynum, Pastor, Tract # D-504, Tabernacle Baptist Church
PO Box 3100, 1911 34th St., Lubbock, TX 79452

Comentar por Isaias S. OLiveira

Isaías:

“Ora, eu não sou capaz de convencê-lo de que este mero brinquedo existe sem um projetista e fabricador; ainda assim, você professa crer que o maravilhoso original (do qual eu grosseiramente copiei e imitei um aspecto do projeto) veio a existir sem ter projetista e sem ter fabricador! Agora, diga-me, por qual tipo de raciocínio você chega a uma conclusão tão absurda?”

Duas respostas: (se for responder, as duas por favor. Só vou levar em conta somente os elementos contidos no seu texto)

PRIMEIRA RESPOSTA:

1 – Os humanos são empíricos,

2 – Pelo empirismo, só os humanos fazem tais miniaturas,

3 – LOGO, foi humano que fez esta miniatura.

4 – MAS Deus não é empirico,

5 – E empíricamente nunca foi constatado Deus a construir algo,

6 – Logo, não posso afirmar que Deus fez algo.

(só posso raciocinar levando-se em conta a existência desta matéria e nada mais).

SEGUNDA RESPOSTA:

1 – Se tudo que existe, deve haver um construtor para tal,

2 – Se Deus existe,

3 – Deve haver um construtor para Deus.

“O ateu foi imediatamente convencido e tornou-se um firme crente de que ”Jeová, Ele é o Deus”.”

Por que não um mulçumano? Desculpe mas deve ter inverdades aí.

Observação:

1 – Não me convenceu esta estória, pois teria que admitir que Newton (um grande cientísta) e seu colega não entendiam nem mesmo de técnicas simples de raciocínio.

2 – Newton deve estar de lá pensando: “Fui superado pelo Clayton Luciano, que prejuízo que a religião está me dando.”

Comentar por Clayton Luciano

clayra:
O evolucionismo não trata sobre a origem do universo e sistema solar. Trata apenas sobre a origem das espécies, dizendo respeito à biologia, paleontologia, antropologia. A cosmologia, a astrofísica, a astronomia, estas sim, estudam sobre origem do universo e do sistema solar.

Comentar por Marcos

Marcos,
Sempre ouvi dizer isso (“evolucionismo só trata da origem das espécies”). No entanto vários livros sobre evolução tratam da evolução quimica, origem da vida, etc.

Alguns livros de biologia evolutiva dedicam seções e capítulos inteiros a isso (especialmente a origem da vida).

Acho que esse discurso não reflete a realidade das escolas e universidades.

Comentar por Vanessa Meira

Qualquer dia encontramos um Ipod junto aos ossos do “homem antigo”.

Comentar por Mats

Se há uma palavra que se cumpre sempre é esta:
O ORGULHO PRECEDE A QUEDA!
Disse o néscio ou insensato ou sem senso em seu coração:Não há DEUS!(Salmos 53:1)
Louco esta noite pedirão a sua alma,o que tens preparado para quem será!(Lucas 12:20)
Toda carne é erva e toda a sua beleza como a flor do campo.Seca-se a erva,e cai a flor.(Isaías 40:6 e 7)
Não se esqueçam,a vida é efêmera,fugaz e passageira!De tudo o que falarmos daremos conta,acreditando ou não.O néscio diz em seu coração,não hà DEUS!!!

Comentar por jonas

Clayton Luciano
Empiricamente nunca foi comprovada a teoria da evolução ou a do big bang.

Comentar por clayra

Clayra:

“Empiricamente nunca foi comprovada a teoria da evolução ou a do big bang”

1 – Na época de Newton, nenhuma das duas teorias eram evidência.

2 – Estas teorias não são verdades absolutas, como voces querem que a religião seja.

3 – Se um brinquedo tendo sido criado por um humano prova Deus,

Um quadro de Deus pintado por alguém, prova um criador de Deus.

Comentar por Clayton Luciano

“Deve haver um construtor para Deus”

Observação interessante. Mas isto nos levará a outra questão: Quem criou o criador de Deus? E o criador do criador de Deus? E o criador do criador do criador… Isto me parece não ser muito saldável para a mente. Mas se preferes ficar com este “raciocínio”, fique à vontade.

“Não me convenceu esta estória, pois teria que admitir que Newton (um grande cientísta) e seu colega não entendiam nem mesmo de técnicas simples de raciocínio”.

É porque voce não levou em conta que a tua “simples técnica de raciocínio” nos levaria ao criador do criador do criador do criador… .

“Na época de Newton, nenhuma das duas teorias eram evidência”

Nem na época de Newton e nem hoje.

“Se um brinquedo tendo sido criado por um humano prova Deus,
Um quadro de Deus pintado por alguém, prova um criador de Deus”.

Não. Prova apenas que o quadro não surgiu por geração espontânea; foi pintado por alguém.

Comentar por Isaias S. OLiveira

Isaías:

“Não. Prova apenas que o quadro não surgiu por geração espontânea; foi pintado por alguém.”

Ok, Deus surgiu por geração espontânea.

“Quem criou o criador de Deus? E o criador do criador de Deus? E o criador do criador do criador… Isto me parece não ser muito saldável para a mente. Mas se preferes ficar com este “raciocínio”, fique à vontade”

Para por fim nisto é que Deus foi inventado.

Comentar por Clayton Luciano

Parece-me que o único que fica surpreendido és tu.
As imagens não diferem em muito de o que actualmente existe em tribos africanas ou sul americanas, não é?
Este artigo, vai ao encontro com o que é defendido, por exemplo, para as gravuras de Foz Côa. A cultura das civilizações não tem um crescimento ao longo dos tempos, é sujeita a oscilações (e sim, diminui) consoante as condições ecológicas ou guerras. Daí que pela grande quantidade de gravuras se conclua que era um local propício à vida dos nativos e disponham de tempo para se dedicarem ao desenho.
Analogamente conhecimentos de medicina, que TALVEZ tenham conseguido amputar alguém com sucesso não vai contra nada do que é defendido pelo vossos arquiinimigos, afinal de contas, o que não faltam são exemplos de animais amputados que sem qualquer intervenção cirúrgica sobrevivem.

E já agora, o evolucionistas ficam realmente surpreendidos mas com a quantidade de coisas que ainda restam descobrir.
http://zaxy.wordpress.com/
“This blog is NOT a democracy.”

Comentar por Nuno Dias

Luciano,

‘Ok, Deus surgiu por geração espontânea.’
Não. Deus não surgiu, é Eterno.

Comentar por JoanaPaz

“Ok, Deus surgiu por geração espontânea”

Se a geração espontânea não conseguiu criar a vida, penso que jamais poderia ter criado o criador, seja Deus ou algum ET.

“Para por fim nisto é que Deus foi inventado”.

E a geração espontânea foi inventada para tentar pôr fim a Deu. Mas, ironicamente, foi um cientista cristão (Pasteur) que pôs fim a ela.

Comentar por Isaias S. OLiveira

«E a geração espontânea foi inventada para tentar pôr fim a Deu[s].»

Boa, Isaías… Isso significa que Aristóteles estava a tentar acabar com Deus?

Comentar por Marcos

Sabino, tudo na Paz?

“obviamente eles tinham conhecimento médico“

Muito interessante.🙂

..pintar paredes de cavernas..

Na minha opinião, desenhar na parede, como eles faziam, já é por sí só algo extremamente relevante.

É preciso um grau elevadíssimo de abstração, inteligência, consciência de sí e do mundo, do concreto e do subjetivo.. para compor aquelas obras de arte.

O conhecimento, a ciência, a tecnologia não estavam tão acumulados como hoje, mas aqueles homens e mulheres já eram tão capazes, intelectualmente, quanto qualquer um de nós.

Isto não é fantástico?

Comentar por nilo

É minha primeira vez por aqui e embora a nossa fé não precise de evidências, é fato que aquele que crer também verá, que venham então as evidências.
Creio no invisível Deus, Ele purifica o meu coração, ou seja, limpa os meus pensamentos de todas as dúvidas, por isso um dia eu também o verei.

Comentar por Sidney

“Boa, Isaías… Isso significa que Aristóteles estava a tentar acabar com Deus”?

Aristóteles não, pois ele não era ateu. E o conceito de geração espontânea de Aristóteles era diferente do que os evolucionistas apregoavam – Aristóteles é o pai da teoria da abiogênese, que durou até séculos mais recentes, segundo a qual um ser nascia de um germe da vida, sem que um outro ser precisasse gerá-lo (exceto os humanos): um exemplo é o das aves que vivem à beira das lagoas, cujo germe da vida estaria nas plantas próximas.
http://www.google.com.br/url?sa=t&source=web&ct=res&cd=1&ved=0CAYQFjAA&url=http%3A%2F%2Fpt.wikipedia.org%2Fwiki%2FArist%25C3%25B3teles&rct=j&q=aristoteles&ei=haWDS_uxJc2SuAeW0OTLAg&usg=AFQjCNGZ-ln69Qnhbkr0x8O-Mb8k-8HJFg
-(mas pouco importa, pois tanto Aristóteles quanto os ateus etavam errados; Pasteur provou que a geração espontânea era uma farsa; ou engano).

Aristóteles acreditava em Deus (e/ou os deuses).
Por isso, o homem possui uma centelha de razão divina. Isso mesmo… divina! Em algumas passagens, Aristóteles explica que deve haver um Deus que colocou em marcha todos os movimentos da natureza. E, assim, Deus passa a ssumir o cume absoluto na escada da natureza.
http://www.google.com.br/url?sa=t&source=web&ct=res&cd=2&ved=0CA0QFjAB&url=http%3A%2F%2Ffilosofianet.sites.uol.com.br%Aristóteles acreditava que Deus existe necessariamente, o que significa que Deus não depende de qualquer outra coisa para a existência….
http://translate.google.com.br/translate?hl=pt-BR&langpair=en%7Cpt&u=http://www.scandalon.co.uk/philosophy/aristotle_prime_mover.htm

Comentar por Isaias S. OLiveira

Isaías:
O meu comentário anterior era irónico, caso isso não tenha sido explícito.
E não vamos confundir as coisas. O que Pasteur refutou foi a Geração Espontânea de tradição aristotélica, e não a teoria da Abiogénese, que é geralmente adoptada pelos evolucionistas. Esta hipótese, na forma do modelo da “sopa primordial” só foi formulada nos anos 20 do séc. XX e testada posteriormente por Urey e Miller. Portanto, só podia ser refutada directamente por Pasteur se este voltasse do além-túmulo…

Comentar por Marcos

Cientistas formarem compostos químicos em laboratório é uma coisa; compostos químicos se transformarem em cientistas é outra muito diferente.

Experiências feitas em laboratórios especializados, com elementos específicos em qtdes. calculadas apenas mostra ação de Designer Inteligente, e não uma origem casual numa sopa primordial.

Comentar por Fabricio Lovato

Não creio que qualquer cientista que tenha conhecimento profundo das ideias da evolução (biológica ou social) se surpreenda com essa matéria. Se Hipócrates, “considerado” pai da medicina catalogou uma série de procedimentos médicos há quase 3000 anos, é mais do que óbvio que todos esses conhecimentos haviam sido herdados e aperfeiçoados pela civilização grega durante centenas ou milhares de anos antes. É quase senso comum (inclusive entre cientistas) que plantas medicinais são usadas há muito e muito tempo, pra coagulação, anestesia e por aí vai…

Comentar por Rubens

Criacionista que acredita em homens da caverna? essa é nova!

Comentar por Thadeu

Evolucionista desinformado?
Essa não é nova…

Tirado do site da Sociedade Criacionista Brasileira:

FÓSSEIS HUMANOS

1. Os homens das cavernas realmente existiram?
Sim. Houve seres humanos que viveram em cavernas, e pode haver alguns que ainda moram nelas. Isto não significa que eles sejam semelhantes às figuras vistas em caricaturas de estórias em quadrinhos que você possa ter visto. Acredita-se que o “Homem de Cro-Magnon” pode ter sido um homem das cavernas, porque se crê que ele seja responsável por algumas pinturas notáveis em cavernas na França e áreas próximas. O “Homem de Cro-Magnon” é essencialmente o mesmo que os europeus modernos, e pode representar os europeus pré-históricos (1).

2. Existem realmente fósseis que se parecem com homens-macacos?
Já foram encontrados fósseis que parecem ter uma mistura de características humanas e de macacos. Há vários tipos destes, tais como o “Homem de Java”, o “Homem de Pequim”, e vários tipos da África conhecidos como “erectinos”. Estes parecem ter sido humanos, mas de uma forma diferente. Para interpretações criacionistas e evolucionistas destes fósseis, veja as referências (2).

3. Os homens de Neanderthal eram humanos verdadeiros?
A maioria dos criacionistas acredita nisso, mas a questão é controversa (3). O “Homem de Neanderthal” provavelmente viveu em cavernas, mas eles não eram homens-macacos. O crânio tinha um formato diferente da maioria dos homens modernos, mas o volume do cérebro era maior. Eles aparentemente tinham cultura e eram provavelmente muito inteligentes. Os “Homens de Neanderthal” tinham alguns traços singulares, mas nada que pudesse ligá-los aos macacos de algum modo particular. Algumas das diferenças em seu crânio podem ter sido parcialmente produzidas como resposta a um clima severo e a alimentos duros à mastigação. Aparentemente tinham uma constituição física mais robusta do que as pessoas que vivem hoje (4). O recente seqüenciamento do DNA mitocondrial do osso de um “Homem de Neanderthal” indica que o DNA dos Neanderthais é bastante diferente do DNA de seres humanos atuais(5). Resta ver se pesquisas futuras irão mudar ou dar apoio a este quadro.

4. O que são fósseis humanos “arcaicos”?
Há um grupo de material esquelético que não se encaixa facilmente em nenhuma outra categoria, e são referidos tipicamente como “Homo sapiens arcaico”. Eles têm geralmente cristas orbitais salientes, como humanos “erectinos” e “arcaicos”. Eles têm volume cerebral maior do que os erectinos, e não apresentam a saliência bem marcada (torus occipital) na parte de trás do crânio que os “Homens de Neanderthal” têm(6).

5. Que se pode dizer dos Australopithecus?
Os Australopithecus foram provavelmente um tipo extinto de macaco (7). Eles tinham algumas similaridades com os seres humanos, mas tinham um cérebro de tamanho aproximado ao de um chimpanzé, e alguns aspectos que sugerem que viviam em árvores. Aparentemente, podiam andar eretos, mas há alguma evidência de que eles teriam certa dificuldade para andar assim (8).

6. Há alguma seqüência evolutiva que vai dos macacos ao homem?
Há vários tipos de fósseis que possuem uma mistura de características humanas e de macacos. Têm sido feitas tentativas de organizar estes fósseis em uma seqüência que vai do menor número para o maior número de características humanas. “Australopitecíneos” têm menos características humanas, seguidos pelos “erectinos”, pelo grupo “arcaicos”, e então pelos Neanderthais e Cro-Magnons. A seqüência parece convincente para muitas pessoas, e é interpretada como uma linhagem evolutiva (9). Os criacionistas não aceitam esta interpretação, apontando que os detalhes não se encaixam bem, e a série não é verdadeiramente uma seqüência de ancestrais-descendentes (10).

7. Qual é a explicação criacionista para estes fósseis que têm uma mistura de características humanas e de macacos?
A resposta a esta pergunta está perdida na antigüidade. Os fósseis referidos são primariamente os “erectinos” e os “australopitecíneos”.

Aqui está uma resposta possível: os erectinos parecem ter sido humanos. Talvez tenham sofrido os efeitos de um intenso endocruzamento genético e um estilo de vida pobre. Os australopitecíneos podem ter sido um tipo extinto de macaco. Parecem não ser relacionados com nenhuma espécie viva atual.

8. O que se pode dizer dos gigantes humanos que viveram antes do dilúvio? Algum já foi encontrado?
Não. Nenhum fóssil humano gigante que tenha vivido antes do dilúvio foi encontrado. Nosso único conhecimento sobre eles vem através de revelação sobrenatural.

9. Como as raças humanas se originaram? Alguma delas foi marcada por uma maldição?
Todos os seres humanos estão vivendo sob a maldição do pecado, e é duvidoso de que isto se aplique mais a alguma raça do que a outra.

As raças podem se diferenciar quando pequenos grupos são isolados. Além da distância, a linguagem é provavelmente o maior fator de isolamento. Quando as linguagens foram confundidas em Babel, provavelmente pequenos grupos se dispersaram para vários lugares, produzindo grupos isolados que se diferenciaram em raças distintas.

Alguns aspectos raciais podem ser o resultado do fato de que certas características fisiológicas são vantajosas em determinados ambientes. A cor da pele é um exemplo. A luz solar é necessária para produzir vitamina D. Luz solar em excesso aumenta o risco de câncer de pele. A melanina protege os que vivem em climas tropicais do câncer da pele causado por excesso de luz solar. Isto explica porque pessoas que vivem nos trópicos têm tipicamente pele mais escura. Pessoas que vivem em latitudes mais altas não necessitam de muita proteção contra o sol e têm pele mais clara. A pele escura pode ser desvantajosa em latitudes altas se a quantidade de luz solar for apenas suficiente para a produção de vitamina D.

10. Que problemas não resolvidos sobre fósseis humanos são de maior preocupação?
Por que não são encontrados fósseis de homens gigantes? Por que não são encontrados fósseis humanos que pareçam ter sido enterrados pelo dilúvio? Qual é a explicação para os fósseis que têm características de homem e de macaco?

Notas para as perguntas sobre fósseis humanos

1. Ver por exemplo Prideaux, Tom.1973. “Cro Magnon Man”. New York: Time-Life Books.

2. Para uma interpretação criacionista, ver: Lubenow M. L., 1992. “Bones of contention”. Grand Rapids, MI:, Baker Books; para uma interpretação evolucionista, ver: Rightmire G. P., 1981. “Patterns in the evolution of Homo erectus”. Paleobiology 7:241-246.

3. Stringer C., Gambel C., 1993. “In search of the Neanderthals”. NY: Thames and Hudson.

4. Ruff C.B., Trinkaus E., Holliday T. W.,. 1997. “Body mass and encephalization in Pleistocene Homo”. Nature 387:173-176.

5. Krings M., et al. 1997. “Neanderthal DNA sequences and the origin of modern humans”. Cell 90:19-30.

6. Uma discussão recente sobre humanos arcaicos está em: Tattersall I. 1997. “Out of Africa again … and again?” Scientific American 276(4):60-67.

7. Hartwig-Scherer S, Martin R. D. 1991. “Was ‘Lucy’ more human than her ‘child’? Observations on early hominid postcranial skeletons”. Journal of Human Evolution 21:439-449.
8. Spoor F., et al. 1994. “Implications of early hominid labyrinthine morphology for evolution of human bipedal locomotion”. Nature 369:645-648.

9. Uma coleção de alguns trabalhos importantes neste campo é encontrada em: Ciochon R. L., Fleagle J. G., editors. 1993. “The human evolution source book”. Englewood Cliffs, N. J:, Prentice-Hall.

10. Kennedy E. 1996. “A busca dos ancestrais de Adão”. Diálogo 8(1):12-15, 34. Um resumo sobre fósseis humanos feito por um criacionista está em: Lubenow M. L., 1992. “Bones of contention”. Grand Rapids, M.I. Baker Books.

Comentar por Fabricio Lovato




Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s



%d bloggers like this: