No princípio criou Deus os céus e a Terra


A não-evolução do registo fóssil
Janeiro 15, 2010, 7:41 am
Filed under: Evolução/Big-Bang

Os evolucionistas estão convencidos de que o registo fóssil mostra evolução. E mais… eles querem-nos convencer de que o registo fóssil, de facto, mostra que houve evolução. A responder a um post meu, o evolucionista Ludwig Kripphal disse:

O Marcos Sabino escreve que «O mais antigo fóssil de morcego que se conhece mostra que eles sempre foram morcegos». Duh. O fóssil mais antigo de morcego é classificado como morcego porque, se fosse classificado como outra coisa qualquer, já não seria o mais antigo fóssil de morcego. Isto só mostra que tudo o que classificamos como fóssil de morcego é considerado um fóssil de morcego.

Conseguem perceber o que o Ludwig está implicitamente a admitir? Ele está a reconhecer que o morcego esteve milhões de anos com a mesma estrutura corporal. O mais antigo fóssil de morcego encontrado supostamente tem 52 milhões de anos. Portanto, a história que nos é contada é que alguma coisa evoluiu para aquilo que nós chamamos de morcego e depois permaneceu 52 milhões de anos na mesma.

O registo fóssil está repleto de exemplos que documentam a não-evolução do mesmo. Por exemplo, o mais antigo fóssil de coelho tem 55 milhões de anos. Os mais antigos fósseis de pinguins têm entre 58 a 62 milhões de anos. Podem ver muitos mais exemplos na página Geologia e Fósseis.

Por que é que os animais evoluem uma determinada estrutura corporal em poucos milhões de anos e depois ficam muitos milhões de anos na mesma? Por que é a que a pressão selectiva faz os animais evoluírem determinada estrutura corporal e depois parece deixar de exercer a dita pressão?

Há certas coisas sobre o cenário evolutivo proposto que nos intrigam. Por que é que os peixes só sentiram necessidade de sair para fora da água há coisa de 380 milhões de anos (ah, desculpem… 400 milhões de anos, segundo a mais recente actualização) e depois nunca mais? Os peixes completaram a sua emancipação para fora de água em cerca de 150 milhões de anos. Nos 350 milhões que se seguiram nunca mais houve necessidade de sair para fora de água?

Por que é que animais terrestres só sentiram necessidade de voar há coisa de 110 milhões de anos e depois nunca mais? Por que é que animais terrestres só sentiram necessidade de voltar para dentro de água há coisa de 50 milhões de anos e depois nunca mais? Por que motivo as grandes transições só aconteceram uma vez em todos os alegados milhões de anos de evolução?

CONCLUSÃO

A narrativa evolucionista é claramente uma interpretação forçada em cima dos fósseis. Eles mostram que permaneceram imutáveis durante muitos milhões de anos, muitos deles, inclusive, passando ao lado das catástrofes naturais, alterações climáticas, deriva continental, etc.

Isto é mais notório em animais microscópicos como bactérias, que permanecem na mesma durante mais de duas centenas de milhões de anos. Este cenário fica ainda mais impressionante quando nos é dito que as hoje existentes archaebactérias sugiram na Terra há 3,5 mil milhões de anos (3.500.000.000) e não mudaram muito desde então.

A única coisa que o registo fóssil mostra é a variação dentro do tipo de cada animal. O registo fóssil mostra várias espécies de morcegos, várias espécies de cavalos, várias espécies de peixes, etc… mas eles são sempre morcegos, cavalos e peixes. Isso é científico e não é discutido por criacionistas. Especulações evolucionistas que vão para além disso deixam de ser científicas e passam a estar dentro do campo da fé. O facto de alinhares um peixe e um anfíbio numa linha evolutiva não quer dizer que um evoluiu do outro.


53 comentários so far
Deixe um comentário

Por que é que os animais evoluem uma determinada estrutura corporal em poucos milhões de anos e depois ficam muitos milhões de anos na mesma? Por que é a que a pressão selectiva faz os animais evoluírem determinada estrutura corporal e depois parece deixar de exercer a dita pressão?”

Mas e então o que é pressão selectiva? A pressão selectiva é constante ao longo dos anos? Quais são os factores que afectam a pressão selectiva?

Comentar por hermógenes

Pequenas variações nos cromossomas ocorrem. Devido à dimensão do grupo em que uma espécie se encontre, as pequenas diferenças no cromossoma acabam por ser apagadas, de forma análoga ao efeito que uma gota de tinta tem numa piscina. Quando um pequeno grupo fica isolado (uma cadeia de montanhas, ou uma ilha) ou existem (graduais) alterações no meio ambiente essas pequenas diferenças podem tornar-se cruciais (ter um bocadinho mais de pêlo é melhor do que não ter nada), essa gota de tinta, desta vez foi introduzida num copo de água.
Perdoem-me a simplicidade.

As bactérias não permaneceram sempre na mesma.
E já agora, a teoria do símio aquático é mais bonita do que a Bíblia.

Comentar por Nuno Dias

Nuno,
Com exceção do teu conceito de estética, “a teoria do símio aquático é mais bonita do que a Bíblia”, o resto do teu comentário é para confirmar a não-evolução do registro fóssil ou o quê?

Comentar por Darcy

é a resposta às sucessivas perguntas levantadas

Comentar por Nuno Dias

“é a resposta às sucessivas perguntas levantadas”

Ah…tudo explicado.

Comentar por Darcy

mais alguma dúvida é só dizer

Comentar por Nuno Dias

Dúvida já esclarecida. A pergunta era para confirmar a “distraction” da mensagem dos fósseis: “não há evolução”. Especiação limitada, adaptação, microevolução, como sempre, não muda o quadro: “o número de evolucionistas que têm explicado como a ciência prova e evolução é precisamente zero”. Cornelius Hunter

Comentar por Darcy

“Os peixes completaram a sua emancipação para fora de água em cerca de 150 milhões de anos. Nos 350 milhões que se seguiram nunca mais houve necessidade de sair para fora de água?”

Porque esse espaço já tinha sido ocupado.

“Por que é que animais terrestres só sentiram necessidade de voar há coisa de 110 milhões de anos e depois nunca mais?”

Porque esse espaço já estava ocupado.

“A narrativa evolucionista é claramente uma interpretação forçada em cima dos fósseis.”

E é mesmo: as evidências nos forçam a pensar em evolução (conhece um tal de DNA?). Realmente é uma coisa forçada, mais ou menos como somos forçados a acreditar na gravidade. E claro, eu acho que é bem melhor do que usar livros escritos por pessoas a 2000 anos atrás como evidência. Pessoas essas que não sabiam nem que a terra era redonda ou que ela girava em torno do Sol…

Não me entenda mal, pode até ser que um deus tenha criado a vida. Mas se isso aconteceu, ele criou e deixou ela se virar (e evoluir) sozinha.

Comentar por Bráulio Bezerra

Que comédia suas respostas…
Porque esse espaço já tinha sido ocupado. Tipo assim… Fazem uma reunião com os peixes mais influentes e o papo é…”Pessoal, não podemos mais sair da água, já saíram na nossa frente !” Ae solta o Celacantos ..”Que pena, está em processo de mutação pra isso, mas agora vou ter que parar”.
Não pude deixar a essa deixa… Muito hilário.
Mas interessante ainda foi a baleia, os mamíferos surgiram fora da água, segundo a evolução.
Ae está o mamífero lá fora, olha e vê que já ocuparam a terra e o ar… como a evolução é lógica, o que ele faz…”Ops, ta ficando complicado aqui, vou voltar pra água” e começa o processo de involução.
Chegando na água o Celacantos puxa logo assunto ? “E æ, tem espaço pra mim lá em cima?” a baleia “Vai tratando de parar as mutações, já está lotado. Ei olha só, fui lá e voltei com seios !”

Comentar por Frederico Fiuza

E supostamente tudo isso ocorreu no jardim do éden, que era onde os animais conseguiam falar… Se você acha que o que você acabou de falar é uma piada, você acha que a bíblia e sua cobra falante é uma piada muito maior.

Comentar por Bráulio Bezerra

Nuno, o teu excelente comentário defende muito bem a tua fé.
Pena (para ti) que os registros fósseis não mostram nenhuma forma transitória. Desde Darwin até hoje os tais elos continuam perdidos. E todos os supostos elos que aparecem caem por terra mais cedo ou mais tarde.

Comentar por Isaias S. OLiveira

Realmente não existem milhares de fósseis com todas as espécies que antecederam aos humanos (e para ser justo tb das espécies paralelas que falharam).
E também não existem milhões e milhões de fósseis para todas das espécies existentes.
Aliás, será que este planeta bastava para albergar tanta relíquia?
Mas existem alguns registos.

E já agora, onde anda o barco de Noé? Ou os fósseis (humanos) dos nossos antepassados? O dilúvio deve ter afogado bastante gente, não?

Comentar por Nuno Dias

O registro fóssil nos mostra que algo (ou alguém) morreu. É muito precipitado por parte dos evolucionitas fazeram afirmações sobre animais desconhecidos. Se o ornitorrinco só existisse na forma de fósseis, os evolucionistas diriam que ele é um elo perdido.

Quanto a arca de Noé, só temos a descrição de uma e não de milhares delas, evoluindo durante milhões de anos.

Precisamos de fósseis humanos para saber que existimos?

Comentar por Isaias S. Oliveira

na verdade precisamos de milhões de fósseis humanos, e cidades para sabermos que o Dilúvio aconteceu.
Acho que tem lógica, não?

Comentar por Nuno Dias

Enfim. As bactérias ficam na mesma??
A resposta (evolucionista) está no próprio post e no comment inicial do Hermogénes:

Mas e então o que é pressão selectiva? A pressão selectiva é constante ao longo dos anos? Quais são os factores que afectam a pressão selectiva?
Este cenário fica ainda mais impressionante quando nos é dito que as hoje existentes archaebactérias sugiram na Terra há 3,5 mil milhões de anos (3.500.000.000) e não mudaram muito desde então.

Se pensarem na primeira, e tiverem em conta que entre as archeobactérias encontram-se muitos seres vivos chamados extremófilos vão perceber…

Comentar por Selfish Gene

Vão perceber que elas continuam as mesmas.Archaebactérias como halófilas,extremófilas e metanogeneas.Interessante que as archaebactérias são mais semelhantes a eucariotos do que as eubactérias!!!Durma-se com este barulho!.A verdade cristalina é:essas bactérias sempre serão bactérias,e ninguém viu ou verá nada diferente.Os extremófilos de hoje tem as mesmas estruturas do que os extremófilos dos supostos 3.5 bilhiões de anos.Será que não houve pressão seletiva nessas bactérias atuais,para que elas continuassem semelhantes as suas antecessoras primevas?Este processo imaginário da evolução ainda vai deixar “cientistas” malucos,pois não está facil ligar as “pontas”.

Comentar por jonas

Try again

Comentar por Selfish Gene

“Try again ” zilhões de vezes em zilhões de anos,para transformar uma archeabactéria em um antropólogo,pois até agora só “no processo imaginário da evolução”!!!

Comentar por jonas

Fósseis…

Comentar por Gil do brasil,

Fósseis que apoiavam a teoria da evolução, como todo estudioso do assunto sabe, já era um problema no tempo de Charles Darwin. O problema era tão grave que Darwin não exitou em escrevê-lo em sua obra capital. Hoje o problema permanece, e vai continuar permanecendo para sempre. Todos os supostos elos de trasição são apenas uma gota de água numa piscina olímpica. Se a evolução fosse um fato, como afirmam, não se gastaria tanto tempo e dinheiro em busca de provas em todos os cantos do mundo. Na verdade, nem precisaríamos dos fósseis, bastaria observar o mundo vivo atual para encontrar milhões de formas transicionais andando por aí. Se a teoria da evolução fosse mesmo verdadeira, muitos estudiosos da natureza, como Aristóteles (que viveu antes de Cristo), não teria dificuldades em perceber tal evento. Finalmente, se a teoria da evolução fosse mesmo verdadeira, hoje não saberíamos quem foi Charles Darwin, pois ele não teria o que descobrir.

Comentar por Gil do brasil,

Isaías:

“Quanto a arca de Noé, só temos a descrição de uma e não de milhares delas, evoluindo durante milhões de anos.”

VOCES tem descrição desta tal arca.

Comentar por Clayton Luciano

VOCES tem descrição desta tal arca.

Isto é uma pergunta ou uma afirmação?

Comentar por Isaias S. Oliveira

Pessoal,

Será que esta surgindo a 3ª versão da T.E.??
(darwinismo->neo-darwinismo->neo-darwinismo ortodoxo???)

Achei um artigo que me chamou a atenção:

Cliquem aqui para lerem o artigo de James A. Shapiro, professor no “Department of Biochemistry and Molecular Biology” da Universidade de Chicago.

Vou citar algumas coisas que traduzí do texto:

“As últimas cinco décadas de pesquisa em genética e biologia molecular nos trouxeram descobertas revolucionárias…”

“Foi uma surpresa aprender que as células se protegerem cuidadosamente contra precisamente o tipo de mudança genética aleatória que, segundo a teoria convencional, são as fontes de variabilidade evolutiva…

“..Existe alguma inteligência orientadora no trabalho na origem das espécies..”

[..]

Atenção: Não estou fazendo qualquer apoio às ideias deste professor.

Só achei curioso o artigo.

[..]

Forte abraço.

Comentar por nilo

Isto mesmo, ele disse: “..Existe alguma inteligência orientadora no trabalho na origem das espécies..”

A T.E. vai deixar o pilar da aleatoriedade??

Comentar por nilo

O próprio Richard Dawkins disse:
“É absolutamente inconcebível que algo tão complicado e tão bem PROJETADO como um pássaro, ou um ser humano ou um ouriço, venham a existir por acaso. Esta opção tem de ser definitivamente descartada.
Porque partir aleatoriamente do nada de nenhuma complexidade, nenhuma informação, à extrema complexidade dos seres vivos modernos não seria possível acontecer. Seria como jogar um dado mil vezes e conseguir um seis cada vez. Não há como”.

Para Dakins, a evoluçao surgiu por sorte e tempo.
Além disso, há uma nova “teoria” dentro do evolucionismo: Ao invés da evolução lenta e gradual, as espécies evoluíram repentinamente.
Isto me é familiar…

Comentar por Isaias S. Oliveira

ó Isaias, vai ler outra vez o que ele disse e quando regressares corrige a asneira que tentaste passar.

Comentar por Nuno Dias

Descoberto Sistema Molecular de Segurança que protege as células de DNA potencialmente danoso!!!Será acaso?????Abaixo está o site sobre a descoberta!
http://www.sciencedaily.com/releases/2010/01/100110151321.htm

Comentar por jonas

kkkkkkkkkkkkkkkk. Em “65 milhões de anos” o acaso construiu o cérebro que temos hoje… Haja fé🙂

Comentar por JeremiasMezenga

Nilo:

Me sinto cada vez mais próximo de prova a tese do seres naturais superiores (como criadores),

Está mais evidente, ainda mais que não há a alegação de benevolência.

Comentar por Clayton Luciano

Nilo:

Tudo bem ,eu sei que mudanças na teoria atômica sempre ocorreram,

Por isso a teoria atômica não é mais válida.

Comentar por Clayton Luciano

É complicado Luciano.

O prof. Shapiro, esta propondo um “ajuste” na T.E., ele diz:

”…vou me concentrar em uma crescente convergência entre a biologia e ciência da informação que oferece o potencial para a investigação científica da possível ação inteligente das celulas na evolução…”

No artigo ele defende que as células fazem um controle rigoroso sobre as mutações de maneira a selecionarem qual “evolução” desejam, ou não, obterem.

Ou seja, existe uma inteligência guiando a evolução, assim teríamos propósito, intencionalidade,… ao invés de aleatoriedade.

[..]

Agora vamos pensar, por que esta surgindo este tipo de proposta de ajuste para a T.E.? Fácil, a teoria atual esta se mostrando inconsistente com os modelos matemáticos e com a experimentação.

Lembra-se do “problema do macaco”?

Este ajuste, que o tal professor esta propondo, simplesmente elimina qualquer tipo de questionamento relacionado ao estudo de probabilidades.

Muito conveniênte, não acha?

É uma maneira de tentar calar a oposição criacionista, mas não vai funcionar…

Comentar por nilo

Luciano, achei a página dele aqui.

Comentar por nilo

Não falei???

Vejam só:

O prof. Shapiro publicou outro artigo, no ano passado, chamado “Mobile DNA and Evolution in the 21st Century”

Neste artigo ele afirma:

“..Tal componente cognitivo está ausente do convencional teoria da evolução, porque os evolucionistas do século 19 e 20 não possuiam conhecimento suficiente sobre a resposta celular e sobre redes de controle…”

e

“…responde às acusações à teoria convencional levantadas pelos defensores do design inteligente… obscurantismo anti-ciêntífico..”

Se este ajuste da T.E. vingar (novo-neo-darwinismo??), ao menos já sabemos a motivação pela qual foi proposto e o carater ideológico deste “ajuste” teórico.

Comentar por nilo

Aí vem o “Computador-DNA”: Obra do acaso, da sorte ou Design inteligente?
http://informatica.hsw.uol.com.br/computadores-de-dna.htm

Comentar por Isaias S. Oliveira

“na verdade precisamos de milhões de fósseis humanos, e cidades para sabermos que o Dilúvio aconteceu.
Acho que tem lógica, não”?

Não sabemos quantas pessoas exatamente viviam no planeta na época do referido dilúvio, mas estas seriam apenas milhares e não muitos milhões ou bilhões como hoje.
Além disso o relato de Gênesis mostra que essa população teria se concentrado próximo aos rios Tigre, Eufrates e adjacências ou seja, Mesopotâmia e arrredores (A história nos mostra que as primeiras grandes cidades surgiram ali. Conicidência, não?). Um dilúvio global lançaria estes “poucos” milhares nos rios, mares e oceanos próximos. Seriam devorados por animais marinhos, ou entrado em decomposição ou mesmo soterrados por milhões de toneladas de sedimentos. Daí a escasses dos tais fósseis humanos pré-diluvianos. Quanto às cidades, estas seriam construídas de forma muito simples na época pré-diluviana. Não se pode comparar com os grandes edifícios de hoje.
Convém salientar que dilúvio significa cataclisma. Seiam chuvas torrenciais, terremotos,maremotos e erupções vulcânicas em grande escala. E se ficarem confirmadas as suspeitas de que existem imensos oceanos abaixo da crosta terrestre, então teremos mais uma confirmação da passagem de Gênesis que diz sobre o dilúvio: “E romperam-se as fontes do grande abismo…”.

Comentar por Isaias S. OLiveira

“O relato de Gênesis mostra que essa população teria se concentrado próximo aos rios Tigre, Eufrates e adjacências ou seja, Mesopotâmia e arrredores (A história nos mostra que as primeiras grandes cidades surgiram ali. Conicidência, não?).”

Não, não é coincidência, como qualquer aluno que frequente o 8º ano em Portugal deve saber! Está a dizer que este foi o único local onde surgiram grandes civilizações humanas?

“Um dilúvio global lançaria estes “poucos” milhares nos rios, mares e oceanos próximos. Seriam devorados por animais marinhos, ou entrado em decomposição ou mesmo soterrados por milhões de toneladas de sedimentos. Daí a escasses dos tais fósseis humanos pré-diluvianos.”

Se um comentário deste tipo fosse feito por um dito “evolucionista” o mesmo seria acusado por um criacionista de tentar esconder a escassez de provas.

“Quanto às cidades, estas seriam construídas de forma muito simples na época pré-diluviana. Não se pode comparar com os grandes edifícios de hoje.”

Pois realmente! Um edifício precisa de ser grande para deixar vestígios por milhares de anos? Mesmo debaixo de água?

Comentar por Ana Silva

O fóssil mais antigo de morcego é classificado como morcego porque, se fosse classificado como outra coisa qualquer, já não seria o mais antigo fóssil de morcego. Isto só mostra que tudo o que classificamos como fóssil de morcego é considerado um fóssil de morcego.“

O Ludwig está a tentar fazer um jogo de palavras muito subtil, mas que é manifestamente enganador.
O que o post diz é que a primeira vez que o morcego aparece na interpretação darwinista do registo fóssil (sempre fiável, como nós sabemos), ele está essencialmente igual ao morcego de hoje. Onde está a evolução?
Dito de outra forma, onde está o proto-morcego que evoluiu para o morcego actual? Não deveria o morcego primordial ser menos evoluído que o actual? (Bem, esta até uma pergunta fácil de responder, porque os evolucionistas provavelmente dirão que os animais mais antigos eram mais simples, excepto aqueles que não eram mais simples).
O malabarismo semântico de Ludwig é apenas uma forma de esconder o padrão não-evolutivo do registo fóssil.
Sim, o primeiro morcego que se sabe é um morcego normal, mas isto, diz o Ludwig, é porque nós resolvemos dar a essa forma de vida o nome de “morcego”. Pois bem, mas onde está o o animal a partir do qual o morcego evoluiu?

O Ludwig não tem resposta porque a ciência não confirma a evolução do morcego (nem a evolução de qualquer outra forma de vida).

O Ludwig sabe disso, e por isso ele redefine evolução apenas como “variação das características herdadas”.

Desta forma, basta mostrar um exemplo de variação” (fenómeno não controverso entre cientistas criacionistas e cientistas evolucionistas), e com isso concluir que a evolução “é um facto”.

Como os evolucionistas não conseguem oferecer evidências para a evolução que eles usam contra Deus (peixes-para-pescadores), eles oferecem evidências exclusivas para a evolução algo com a qual toda a comunidade científica criacionista está de acordo (gatos-para-gatos, cães-para-cães, etc).

Isto é no mínimo enganador.

Comentar por Mats

o antepassado do morcego está no mesmo local (ou pelo menos nas redondezas) que todos os cães “intermédios” que do lobo (ou semelhante) deu origem no chiuaua.
Ou o chiuaua tb foi criado por Deus?

Comentar por Nuno Dias

o antepassado do morcego está no mesmo local (ou pelo menos nas redondezas) que todos os cães “intermédios” que do lobo (ou semelhante) deu origem no chiuaua.

E isso é onde?

Ou o chiuaua tb foi criado por Deus?

O chiuaua descende do tipo básico criado por Deus há cerca de 6,000 anos atrás.

Comentar por Mats

o sarcasmo nem sempre é a melhor forma de apresentar respostas.

Assim como não é possível encontrar todos os cães intermédios que do cão “do tipo básico” resultou no chiuaua, também não é possível apresentar todos os fósseis para o morcego.

E porquê? Porque não existem! Mas alguém duvida que tenham existido? Não! Mas se em “6000 anos” foram possíveis modificações tão grandes, em milhões de anos mais modificações seriam possíveis.

Comentar por Nuno Dias

“Está a dizer que este foi o único local onde surgiram grandes civilizações humanas”?

Não. Eu disse apenas que alí surgiu a civilização que construiu as primeiras cidades-estado que se conhece até hoje: Os sumérios.

“Se um comentário deste tipo fosse feito por um dito “evolucionista” o mesmo seria acusado por um criacionista de tentar esconder a escassez de provas”.

“Esconder” alguns milhares de pessoas é uma coisa. Agora, esconder milhões de anos de uma suposta evolução com milhões de elos inexitentes, é outra coisa.

“Pois realmente! Um edifício precisa de ser grande para deixar vestígios por milhares de anos? Mesmo debaixo de água”?

A civilização pré-diluviana construiu edifícios?

“ó Isaias, vai ler outra vez o que ele disse e quando regressares corrige a asneira que tentaste passar”.

Você leu o quê Dawkins disse? Transcreva então.

Comentar por Isaias S. Oliveira

Aqui Dawkins não repondeu à uma pergunta. Algum evolucionista se candidata a dar umas aulas a ele?

Comentar por Isaias S. Oliveira

Ele deu a resposta. O que existe de errado em tirar uma pausa para pensar na resposta?
É isto o melhor que consegues apresentar para o descredibilizar e à evolução?

E já agora, entendeste a pergunta e a resposta? Ou nem as ouviste?

Comentar por Nuno Dias

Isaías S. Oliveira:

Pessoas de responsabilidade optam por ter segurança na qualidade do que vão responder tecnicamente,

mesmo que isto implique em não ser o gostosão.

Pessoas irresponsáveis é que em prol de dar uma que sabem tudo, soltam qualquer asneira para evitar qualquer ofensa á vaidade.

Comentar por Clayton Luciano

Ele deu uma resposta que não teve nenhuma relação com a pergunta.

Depois saiu espalhando por aí que foi montagem… até os produtores disponibilizarem o vídeo não editado, com a linha do tempo, etc expondo ainda mais o vexame dele.

Dawkins chorão.

Comentar por Vanessa Meira

Sem contar que muitos dos discípulos de Dawkins saíram na defesa inventando as respostas mais absurdas evolucionistas!!!

Confira aqui uma pérola refutada: https://alogicadosabino.wordpress.com/2008/03/12/no-bom-caminho-para-a-evolucao/

Comentar por Adalberto Felipe

início 4:43
“De onde vem toda esta informação/complexidade?
Não pode vir do acaso
É absolutamente inconcebível que algo tão complicado e tão bem projectado como um pássaro, ou um ser humano ou um ouriço, venham a existir por acaso.
Esta opção tem que ser definitivamente descartada.
Porque partir aleatoriamente, do nada, de nenhuma complexidade, nenhuma informação, à extrema complexidade dos seres vivos modernos.”


ora aqui está o problema. Falta de honestidade. O que ficou por traduzir:
5:23 EM UM PASSO DE ACASO

continua a tradução
“não seria possível acontecer”

A evolução ocorre ao longo de milhões de anos, gradualmente e ao acaso. O acaso são pequeníssimas alterações no genoma que de uma geração para a outra são praticamente imperceptíveis.

Comentar por Nuno Dias

Vocês fazem realmente do Dawkins uma ideia. Para mim o grande problema dele é ter paciência a mais, para as pseudo-entrevistas em que ele se mete ás vezes, em que estão literalmente a dizer-lhe que ele vai arder no inferno e etc… Quem perde tempo a tentar explicar a T.E. a gente desse tipo bem merecia a canonização. Porque ás vezes a coisa mais sensata a fazer seria …#$#$”#%

Comentar por Selfish Gene

Pois então prove o que dizes.Quais são as evidências?Epistemicamente descreva quais são os mecanismos,que faz do ACASO o gestor e o mentor da complexidade e da informação complexa e especificada.

Comentar por jonas

@jonas
Vou tentar. O que te serve como prova válida?

Comentar por Nuno Dias

Isaias:

Primeiro diz:”o relato de Gênesis mostra que essa população teria se concentrado próximo aos rios Tigre, Eufrates e adjacências ou seja, Mesopotâmia e arrredores (A história nos mostra que as primeiras grandes cidades surgiram ali. Conicidência, não?)”

Depois eu respondo-lhe (um pouco a quente, confesso!)” Não, não é coincidência[…]. Está a dizer que este foi o único local onde surgiram grandes civilizações humanas?”

Depois o Isaias escreve “Eu disse apenas que alí surgiu a civilização que construiu as primeiras cidades-estado que se conhece até hoje: Os sumérios.”

Concordo consigo nesse ponto. Mas o que eu queria apontar é que é natural que um local tão propício à prática de agricultura como a zona de confluência de dois grandes rios seja um berço da civilização (se é o único berço, já é outra história!).

Uma coisa engraçada da agricultura relativamente ao processo de caça-recolecção é que , embora a agricultura e pastoreio de animais seja uma fonte segura e constante de alimentos ao longo do ano, legumes, sementes e frutos não são tão nutritivos como carne. E exigem muito mais cuidado e atenção (porque enquanto a fonte de carne é caçada em algumas horas) a fonte de cereais exige muitas semanas de dedicação e vigilância.

Portanto as populações que vivem da agricultura são sedentárias e têm tendência a agrupar-se em comunidades. Dai até à formação de sociedades organizadas vai um passo que não é difícil de dar. Na verdade foi dado em diferentes pontos do planeta.

Mas até populações semi-sedentárias podem construir edifícios e outras infraestruturas de apoio. E vestígios dessas edificações podem sobreviver muitos milhares de anos (perto de 6 mil anos, pelo menos). Para não falar dos vestígios que existem de populações de humanos nómadas, que podem ser datadas de forma muito segura (até sem se basear em datações radioquímicas) como tendo mais de 12 mil anos.

O Isaias disse “Não sabemos quantas pessoas exatamente viviam no planeta na época do referido dilúvio, mas estas seriam apenas milhares”. É bem possível que fossem tão poucas (500 mil pessoas ainda são só 500 milhares). Mas estavam espalhadas pelo planeta. E vestígios de civilizações muito antigas, do tempo dos sumérios, existem por todo o planeta.

“A civilização pré-diluviana construiu edifícios?” Se se refere a populações que viveram à mais de 4500 anos a resposta é “Sim, construiu”.

Comentar por Ana Silva

“Ele deu a resposta. O que existe de errado em tirar uma pausa para pensar na resposta”?

Nuno, Dawkins não respondeu à pergunta:
“Dawkins, o sr. Pode nos dar um exemplo de uma mutação genética ou de um processo evolutivo no qual pode ser observado o aumento da informação no genoma”?
Quel resposta Dawkins deu? Nenhuma! Ele enrolou, enrolou, e não respondeu. Para quem sugeriu que não crer na evolução implica em fanatismo, doença mental e etc, foi decepcionante.

“ora aqui está o problema. Falta de honestidade. O que ficou por traduzir:
5:23 EM UM PASSO DE ACASO”

Isto não melhora em nada a situação constrangedora de Dawkins e de seus seguidores.

“Uma coisa engraçada da agricultura relativamente ao processo de caça-recolecção é que , embora a agricultura e pastoreio de animais seja uma fonte segura e constante de alimentos ao longo do ano, legumes, sementes e frutos não são tão nutritivos como carne. E exigem muito mais cuidado e atenção (porque enquanto a fonte de carne é caçada em algumas horas) a fonte de cereais exige muitas semanas de dedicação e vigilância”.

Ana, concordo com você em parte. Os grãos como trigo, cevada e milho podem ser estocados por longos períodos, ao passo de que carne e leite não. Em seu livro “Armas, Germes e Aço” (ganhador de um prêmio Pulitzier), Jared Diamond faz algumas considerações interessantes sobre a agricultura na mesopotâmia e eurásia e as principais vantagens destas sobre as demais regiões do planeta.

“A civilização pré-diluviana construiu edifícios?” Se se refere a populações que viveram à mais de 4500 anos…”

Se.

Comentar por Isaias S. OLiveira

Nuno!
Aquilo que é empirico e não parte de pressupostos e processos imaginários!!!

Comentar por jonas




Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s



%d bloggers like this: