No princípio criou Deus os céus e a Terra


O coelho cambriano
Dezembro 4, 2009, 12:48 am
Filed under: Evolução/Big-Bang

O evolucionista Ludwig diz que uma das coisas que poderia falsificar a teoria da evolução é encontrar um “coelho num estrato Cambriano“, referindo-se à frase popularizada pelo evolucionista John Haldane. Quando um evolucionista usa este argumento, ele está a pedir que os criacionistas mostrem um fóssil num local impróprio da coluna geológica (por exemplo, um coelho no estrato do câmbrico).

De facto, à primeira vista, este até parece ser um argumento muito convincente e difícil para os criacionistas. Também me deixou a pensar quando o ouvi pela primeira vez. Afinal de contas, por que razão é que o registo fóssil aparenta ter uma certa ordem? Isto é, se os diferentes seres vivos não foram evoluindo gradualmente, por que razão eles não aparecem espalhados no registo fóssil?

Parece um argumento convincente… até ao momento em que conseguimos sair da ilusão criada pelos evolucionistas.

Quando um evolucionista usa este argumento, ele está a assumir que o registo fóssil e a coluna geológica, de facto, são uma representação fidedigna da História biológica da Terra. No entanto, vastos exemplos nos mostram que isso está longe de ser verdade.

Fósseis-vivos

Considerem, por exemplo, os fósseis-vivos. Os fósseis-vivos são animais que só eram conhecidos do registo fóssil até serem encontrados vivos. Estes animais não surgem nos últimos estratos geológicos da coluna estratigráfica. Por essa razão, os evolucionistas julgavam que eles estavam extintos.

Como os evolucionistas acreditam que a coluna geológica traduz a História da Terra, um animal é julgado extinto quando não aparece nos estratos geológicos seguintes. Mas os fósseis vivos mostram bem que a coluna geológica está longe de ser uma representação fiável da História da Terra.

Por exemplo, a tuatara aparece pela última vez no registo fóssil no período do Paleoceno – 66 a 58 milhões de anos atrás. Mas se ela sobreviveu até hoje, por que razão não há sinais dela nos alegados últimos 60 milhões de anos do registo fóssil?

O celacanto é o fóssil-vivo mais conhecido. Aparece pela última vez no período geológico pertencente ao Devoniano – 416 a 359 milhões de anos atrás. De novo,… se sobreviveu até hoje, por que razão os seus fósseis não aparecem nas camadas sedimentares que se seguem? Façam a mesma pergunta para todos os restantes fósseis-vivos existentes.

Fósseis poliestráticos

Por este planeta fora, existem muitos fósseis que penetram mais do que uma camada sedimentar, o equivalente a vários milhões de anos – os chamados “fósseis poliestráticos”. Existem centenas de árvores fossilizadas que atravessam múltiplas camadas sedimentares. Claro que nem os evolucionistas propõem que elas viveram durante milhões de anos, procurando outro tipo de explicações para o sucedido.

Os fósseis poliestráticos também mostram bem que o registo fóssil e a coluna geológica não traduzem a História fidedigna da Terra.

Por quê o fetiche pelo coelho?

Por que é que os evolucionistas apenas falam no coelho? Muitos outros exemplos (ou falta deles) mostram que a coluna geológica não é a História da Terra. Os peixes sempre foram contemporâneos do ser humano. Mas não encontramos muitos fósseis de seres humanos juntos com fósseis de peixes, pois não?

O mesmo com outros seres vivos, como os caranguejos-ferradura, lagostas, osgas, medusas, salamandras, lampreias, etc. Todos estes seres, sendo mais velhos do que o ser humano, segundo os evolucionistas, foram contemporâneos do último, a certa altura da História. Se o registo fóssil fosse um registo fidedigno da História da Terra, deveria ser comum encontrar seres humanos junto com estes seres. Mas isso não acontece.

CONCLUSÃO

O coelho não aparece no estrato cambriano. Mas o celacanto e outros peixes também não aparecem no estrato quaternário e a verdade é que, desde que apareceram, sempre andaram pela Terra. E quem diz o celacanto diz os outros milhares de fósseis-vivos. Se a coluna geológica não está bem para cima, o que leva os evolucionistas a assumirem que ela está bem para baixo?

Por que é que o Ludwig exige um coelho no cambriano para se falsificar a evolução, se ele não consegue dar um celacanto no quaternário? Por que é que ele assume que a coluna geológica traduz a História da Terra, quando isso não é verdade, e pior… por que é que ele nos quer hipnotizar de forma a pensarmos como ele?

Mais uma vez, os argumentos evolucionistas são destruídos pelas observações científicas.


38 comentários so far
Deixe um comentário

E o coelho ?

Comentar por João Melo de Sousa

“E o coelho ?”

Quando me deres o celacanto😉 (Aconselho-te a releres – ou leres pela 1ª vez – o texto)

“e que conjugue o criacionismo da terra jovem com o que se sabe.”

O que é “que se sabe”?

Comentar por alogicadosabino

“Os peixes sempre foram contemporâneos do ser humano. Mas não encontramos muitos fósseis de seres humanos juntos com fósseis de peixes, pois não? ”

……Pra isso voce esta pedindo tambem um elo perdido um ACQUAMAN…
…Me pede tanto pra pensar antes de falar – eu te digo não – pois quero ser igual a voce!…
…Pra encontrar o que pede aqui ou voce deseja um ACQUAMAN ou alguem que morreu afogado e seus dejetos resistiram até agora!

“O mesmo com outros seres vivos, como os caranguejos-ferradura, lagostas, osgas, medusas, salamandras, lampreias,…”

……Só pedes o impossivel né?
…Fosseis de homens com animais marinhos…somente um ACQUAMAN mesmo…
…ou alguem que foi comer um peixe e morreu engasgado com os restos do peixe do lado!!!
……………………………….
Mas como são doidos iludidos por milagres e só o que sabem pedir!

Comentar por ROMANO LIMA AROS

“……Pra isso voce esta pedindo tambem um elo perdido um ACQUAMAN…”

Não. Quem o está a pedir és tu. Para mim basta um fóssil de um celacanto com um ser humano. Aí a acusação do coelho no cambriano passa a fazer algum sentido.

“…Fosseis de homens com animais marinhos…somente um ACQUAMAN mesmo…
…ou alguem que foi comer um peixe e morreu engasgado com os restos do peixe do lado!!!”

Bem, eu também não acho que um coelho tenha ido comer com uma trilobite no fundo do mar… mas os evolucionistas continuam a pedir um fóssil que registe esse momento. Sim, é ridículo… mas foram vocês que começaram.

Comentar por alogicadosabino

O sr Madruga não acredita em Aquaman, mas acredita em homem-macaco.
Os evolucionistas tem os coelhos? E daí? Nós temos as árvores petrificadas atravessando “eras geológicas” inteiras.

Comentar por Isaias S. OLiveira

Prezado Isaias,

Já estava sentido falta da sua ladainha do homem-macaco – ou do homem descendente do macado, tanto faz.

Muito obrigado por não me decepcionar.

Comentar por Alexssc

Mas nem houve ladainha, ele só mencionou o homem-macaco…

Afinal, os homens não evoluíram de macacos, mas evoluíram de seres que deram origem a macacos… Grande diferença.

Comentar por MVR

Sabino, tenho uma duvida…
.
.

….Tu não sabes o que fala?
….Tu não sabes o que lê?
….Ou tu não sabes de nada?

……Agora eis porque minha duvida…

…1º voce relata…
.
“O evolucionista Ludwig diz que uma das coisas que poderia falsificar a teoria da evolução é encontrar um “coelho num estrato Cambriano“,”

..E depois diz que falaram isso?
.
“Bem, eu também não acho que um coelho tenha ido comer com uma trilobite no fundo do mar… mas os evolucionistas continuam a pedir um fóssil que registe esse momento. Sim, é ridículo… mas foram vocês que começaram.”

.
Existe uma grande diferença entre :
…“coelho num estrato Cambriano“
e
…“coelho tenha ido comer com uma trilobite no fundo do mar“

.
….Escrevendo este post resolvi minha duvida…

…..Realmente tu não sabes é nada!
..
…..

Comentar por ROMANO LIMA AROS

Prezadíssimo ROMANO,

Sabe o que é mais triste nisso tudo?

Nosso companheiro Sabino é jornalista (?). Para um jornalista (?) – que defende inclusive que os jornalistas deveriam ser mais críticos sobre os fatos científicos – ele faz um grande serviço de DESinformação.

E os 5 apóstolos dele vão pelo mesmo caminho.

Comentar por Alexssc

Isto são enormes argumentos. Estou quase convencido!

Falta-me é um texto que permita servir de guia didáctico e que conjugue o criacionismo da terra jovem com o que se sabe.

Eu sei que existe e que até me enviaram.

Como infelizmente o perdi pedia que o reenviassem para apresentar nos locais próprios.

Vai ser uma revelação….

Vá lá!

Enviem!

Chuif!

Pelo menos um bocado….

Comentar por João Melo de Sousa

Eu sei que existe um texto lógico que afirma o criacionismo da terra jovem e todas as ciências.

Sei que é simples, não ataca nada, mas defende a cronologia de uma forma revolucionária.

Só que perdi o email.

Não podem reenviar ?

Comentar por João Melo de Sousa


Em ingles

Comentar por Adim

Se se encontrar um coelho na altura pedida pelo Ludwig, o mesmo vai dizer que deve haver um erro na datação porque “sabemos que os coelhos não existiam na altura”.

O “desafio” parece científico, mas após alguma análise, e especialmente, depois de se vêr o tipo de resposta que se dá ao tecido orgânico encontrado em ossos de “milhões de anos”, podemos vêr que é um ilusão.

Repito, se se encontrar um coelho no período Cambriano, o Ludwig vai duvidar dos métodos de datação e não da teoria da evolução.

Comentar por Mats

Para além da resposta aos tecidos orgânicos nos dinossauros, temos também o exemplo onde uma rocha ficou uns 3 mil milhões de anos mais velha. Dado a flexibilidade da teoria da evolução, não é difícil imaginar que um coelho no cambriano seria facilmente descartado como uma mera curiosidade.

Comentar por alogicadosabino

Ora, um coelho no Cambriano só demonstraria que o coelho evoluiu alguns milhões de anos antes do que se imaginava.
Nunca refutaria a evolução! :p

Comentar por Fabricio Lovato

A fé de Ludwig e seus discípulos são tão grandes que mesmo que apresentássemos um coelho comendo cenouras juntamente com uma meia dúzia de dinossauros, não seria suficiente para que ele viesse a desacreditar da sua ideologia.
As evidencias apresentadas acima, são muito mais que qualquer pessoa que não está comprometida com as suas próprias idéias pré-concebidas, precisa.
Infelizmente, o que nós vemos são pessoas que com o objetivo de defender a sua ideologia, argumentam que estão embasados em ciência, quando na verdade são os maiores embaraço para a verdadeira ciência se desenvolver livremente.

Comentar por Jocemar

Então faça o teste e apresente!
Faço-nos passar por ridiculos!

Comentar por ROMANO LIMA AROS

Sabino!
Uma das grandes insuficiências da teoria da evolução é exatamente quando a “explosão” do cambriano.O aparecimento abrupto de estruturas complexas é a maior ddificuldade para evolução explicar.O problema não são os fósseis ou a falta deles(fósséis de transição)e sim o ganho absurdo de complexidade(ganho de estruturas corporais novas,novos orgãos)e como já tinha falado em post anteriores a biologia do desenvolvimento desautoriza qualquer mutação nas fases primordiais do embrião,e seriam elas as que teriam potencial de mudanças para novos planos corporais.Para mim este é o ponto mais frágil do darwinismo,(PORQUE NOVAS ESTRUTURAS BIOLÓGICAS,SÓ SE FORMAM COM MUTAÇÕES EM ESTÁGIOS PRIMORDIAS DO DESENVOLVIMENTO DO EMBRIÃO,E ESTAS OU SÃO DELETÉRIAS OU CAUSAM A MORTE OU DEIXAM A SER SEM MODIFICAÇÕES).As evidências são fortíssimas demonstrando a impossibilidade da EXPLOSÃO DO CÂMBRIANO.Ah aquela estória de fosséis que não teriam partes duras para não se fossilizar,é estoria da carrocinha.Abraçõs!

Comentar por Jonas

Olá Adim!
SE NÃO FOSSSE TRÁGICO ATÉ QUE SERIA CÔMICO ESTE VIDEO.ABRAÇOS

Comentar por Jonas

João Melo,

Falta-me é um texto que permita servir de guia didáctico e que conjugue o criacionismo da terra jovem com o que se sabe.

Você é mau… muito mau…

Mas, voltando ao assunto do post, vamos esquecer o coelho, por fim (que, inclusive, eu já tinha tocado neste assunto aqui anteriormente – abril/2009, se eu não me engano – como os assuntos vão e vêm, não?).

Podem apresentar o fóssil de qualquer mamífero em estratos do pré-cambriano.

Melhor assim? No aguardo (eu sei, João, eu também sou mau… muito mau…)

Comentar por Alexssc

Ok. Certo.
Ainda não foi encontrado um fóssil de mamífero em extratos geológicos nos alegados 400 milhões de anos.
Mas um trilobita, por exemplo, era quase tão complexo quanto um mamífero. Pelo menos em nível bioquímico. Ele era pluricelular, se reproduzia sexualmente e tinha até olhos de calcita.
Segundo alguns, demoraria cerca de um bilhão de anos para um animal como o trilobita evoluir.
O problema (para o modelo evolucionista, é claro) é que não existem existem “passos interemediários” de trilobitas no Pré-cambriano.

Comentar por Fabricio Lovato

Sim, o João Melo é mal…
muito mal… informado.

O que ele pede já existe e está à disposição.

Conjugar os modelos criacionistas com o que “se sabe” requer primeiro filtrar o que “se sabe”.

Muitas vezes a ciência tem demonstrado que o que se sabe é apenas o que se imagina.

Comentar por Vanessa Meira

Vanessa,

O que ele pede já existe e está à disposição.

Ora, não guarde(m) esta informação só para você(s)… diga(m) o nome do livro (não vale dizer que é a bíblia, se não sabe brincar, não brinca).

Começo a concordar com o João Melo: também estou ansioso para ter em mãos a revolucionária obra escrita pelo nosso prezado Sabino, onde ele irá conciliar todos os dados científicos, arqueológicos e teológicos com os eventos descritos na bíblia.

Será um dia memorável.

Comentar por Alexssc

“Começo a concordar com o João Melo: também estou ansioso para ter em mãos a revolucionária obra escrita pelo nosso prezado Sabino, onde ele irá conciliar todos os dados científicos, arqueológicos e teológicos com os eventos descritos na bíblia.

Será um dia memorável.”

E vocês com a mesma ladaínha de sempre. Bem, vou então seguir as pisadas do Jonathan e deixar alguns livros que falam sobre o criacionismo bíblico e o explicam de acordo com o conhecimento actual (repito, conhecimento, e não especulação/interpretação). Os seguintes falam de uma perspectiva do criacionismo biblico, com as devidas evidências da ciência que suportam a sua tese:

Em portugues:
– Como Tudo Começou (Adaúto Lourenço)
– Tem outro em portugues que é tipo um manual de criacionismo mesmo. Vai do génesis até à torre de babel. Chama-se “Criação”, mas não lembro de momento quem é o autor. Deixei o livro na casa de Braga. Depois acrescento aqui.

EM inglês:
– Unraveling the Origins Controversy (David Dewitt) -> sobre o debate em si. Apresentação das ideias do Criacionismo
– The Young Earth (John Morris) -> sobre a idade da terra
– Starlight and Time (Russell Humphreys) e Starlight, Time and the New Physics (John Hartnett) -> sobre o universo
– Afther the flood (Bill Cooper) -> Este é mt bom. Mostra, baseado nos registos históricos, como as nações se originaram após o diluvio e babel e em como as antigas civilizações registaram estes acontecimento. Aconselho
– The geologic Column (John Reed e Michael Oard) -> sobre a geologia
– An Ice Age Caused by the Genesis Flood (Michael Oard) -> sobre a idade do gelo

Acho que cobri os tópicos todos mais importantes. Se me esqueci de algum digam que eu acrescento. Há muito material, ao contrário do que certos ignorantes pensam.

(Gravei este comentário para quando o Sousa voltar a rerererere-pedir a mesma coisa).

Comentar por alogicadosabino

Sabino,
postamos quase no mesmo instante.
Realmente há uma carência de mais obras em português, nesse sentido as piadas do Melo e do Alexssc até causariam um bocejo.

No entanto, existem (pelo menos no Brasil) enormes redes criacionistas de ensino.
Trabalho em uma delas (adventista), e os livros didáticos são produzidos pela própria rede, apresentando o criacionismo nos livros didáticos das diversas matérias.

As universidades adventistas ao redor do mundo, assumidamente criacionistas, também trabalham com o material que a dupla Melo-Alexssc acha que não existe.

Aliás, vão além: mostram detalhadamente a visão naturalista também, o que proporciona ao aluno a visão crítica.

Comentar por Vanessa Meira

No site da SCB [Sociedade Criacionista Brasileira] há mais uma lista muito boa de livros publicados em português.

http://www.scb.org.br

Comentar por Fabricio Lovato

Alexssc,
eu realmente não quero crer q vcs estam se divertindo nesse assunto..
Vou levá-los à sério:

A bibliografia criacionista e do Design é muitíssimo vasta. Inclui obras que abordam os modelos criacionistas nas mais distintas áreas do conhecimento (que é o teu clamor com ar de ‘vejam-como-sou-engraçadão’ aqui).

Vou te dar uma boa dica, em português:
“A Criação”, Alexander vom Stein, SCB.
Ao final do livro, e no DVD que o acompanha, vc tem uma seção chamada “bibliografia” organizada por temas (história, arqueologia, genética, etc).

Leia e farte-se de informação.

Comentar por Vanessa Meira

Alexander von Stein… era esse que me referia🙂

Comentar por alogicadosabino

Olá Alexssc,

“Podem apresentar o fóssil de qualquer mamífero em estratos do pré-cambriano.

Melhor assim? No aguardo (eu sei, João, eu também sou mau… muito mau…)”

Quando tu apresentares o fóssil de qualquer fossil-vivo nos estratos geológicos recentes😉

Comentar por alogicadosabino

Pode ate não ser oportuno, mas tem haver como assunto, video é hilario!

Comentar por Adim

Uma explicação Criacionista para a disposição da Coluna Geológica: O modelo do Zoneamento Paleoecológico:
“O modelo de zoneamento paleoecológico propõe uma distribuição ecológica dos organismos pre-catástrofe, semelhante à disposição dos fósseis na coluna geológica. Isto significa dizer que os seres vivos, na ocasião, encontravam-se perfeitamente organizados em níveis topográficos bem delimitados. A disposição das formas de relevo provavelmente teria se manifestado com uma determinada simetria, o que também sugere um zoneamento paeogeográfico. Assim, os dinossauros, os trilobitas, elefantes e seres humanos foram todos contemporâneos, vivendo, no entanto, em distintos ambientes ecológicos ou diferentes níveis topográficos. De acordo com esse modelo, por ocasião da Grande Catástrofe (o Dilúvio de Gênesis), grandes massas de água e sedimentos “varreram”, inicialmente, as regiões topograficamente mais baixas, cujos depósitos correspondem às camadas mais profundas com seus respectivos fósseis (refletem ambiente bentônico pré-catastrófe). Os seres bentônicos, por definição, são aqueles que habitamos fundos dos mares ou lagos. Os estratos sedimentares subsequentes, durante o grande Cataclismo, apresentam então conteúdos fossilíferos que refletiriam os sucessivos ambientes topograficamente mais elevados, até as partes mais altas – último reduto dos seres terrestres (mamíferos, angiospermas, etc.). Assim, a sequência fóssil dos depósitos sedimentares do fanerozóico, da base ao topo (por exemplo, peixes, anfíbios, répteis, mamíferos e aves), reproduziria aproximadamente a distribuição ambienteal original desses organismos.” (Nahor, 2004).

Comentar por Fabricio Lovato

Fabrício,

Só complementando com o Ariel Roth (Origens,2001), sobre a sequência fóssil na coluna geológica:

“…várias alternativas que os criacionistas têm proposto para explicar esse padrão: (1) motilidade, (2) flutuação e (3) ecologia…

A distribuição por motilidade se aplicaria aos animais ao procurarem escapar das águas ascendentes num dilúvio global.Por exemplo, as aves são raras no registro fóssil…Seria de esperar que elas gradualmente escapassem para locais mais elevados durante os meses do dilúvio, deixando somente rastros em sedimentos moles. Isso explicaria a aparente abundância relativa de rastros de aves no Triássico, abaixo de quaisquer bons ossos de aves.

Igualmente, pegadas de anfíbios e répteis tendem a aparecer mais nos níveis inferiores da coluna geológica do que os seus corpos fósseis.

Animais terrestres maiores seriam mais capazes de escapar para locais mais altos durante o dilúvio do que os menores. Esta pode ser a base da regra de Cope, que declara que na evolução os organismos tendem a progredir rumo a dimensões maiores. A regra tem por base a observação de Cope de um aumento em tamanho em tipos particulares de fósseis quando se sobe na escala geológica.

…Após a morte, alguns vertebrados tendem a flutuar mais tempo do que outros. Experimentos preliminares com organismos recentes indicam que as aves flutuam um média de 76 dias, os mamíferos 56 dias, os reptéis 32 dias, e os anfíbios cinco dias. Deve-se reconhecer que os representantes atuais desses grupos diferem um tanto de seus correspondentes fósseis, o que poderia produzir dados numéricos diferentes para os mesmos tipos de vertebrados. Não obstante, esta sequência se ajusta tanto com o arranjo na coluna geológica como com a estrutura do tempo do dilúvio descrito no Gênesis.”

Comentar por Darjo

Tenho esse livro, é muito bom.🙂

Comentar por Fabricio Lovato

Podemos não ter um coelho no Cambriano, mas há vários outros “achados anômalos”, coisas que estão em camadas que não deveriam estar.
Em 1849, operários de uma mina de ouro na Califórnia encontraram ferramentas mais avançadas, como pontas de lança e pedras de amolar, em leitos de cascalho localizados dezenas de metros abaixo das rochas. A idade dos cascalhos variava de 9 milhões a 55 milhões de anos [sic], ou seja, um tempo muito anterior ao “surgimento” de uma criatura capaz de fabricar ferramentas, segundo a concepção evolucionista.

Há vários outros exemplos, com tempo comento.

Comentar por Fabricio Lovato

1849 ???

“Ara nóis”, Fabrício. Não seja tão mau.

Posta a fonte prá “nóis oiá”.

Gosto de tirar minhas próprias conclusões.

Comentar por Alexssc

“Já estava sentido falta da sua ladainha do homem-macaco – ou do homem descendente do macado, tanto faz”.

Desculpe-me. É que eu tenho o “péssimo” hábito de fazer o feitiço voltar contra o feitiçeiro.
Se o sr Madruga (e outros como tu)solta sempre a mesma ladaínha, po quê eu não posso?
Tu, como discípulo do sr Madruga também deves acreditar que a LEI DA BIOGÊNESE é apenas uma HIPÓTESE e que TEORIA é apenas um conjunto de ESPECULAÇÕES, não é mesmo?
Obs: Estas declarações ridículas saíram da boca do teu mestre, o Madruga.

Comentar por Isaias S. OLiveira

“…também estou ansioso para ter em mãos a revolucionária obra escrita pelo nosso prezado Sabino, onde ele irá conciliar todos os dados científicos, arqueológicos e teológicos com os eventos descritos na bíblia.
Será um dia memorável”.

Também estou ansioso para ver tu transformar um peixe em anfíbio, um anfíbio em réptil, um réptil em ave e/ou mamífero, um macaco em humano e um sapo em príncipe. Será um dia memorável.

Comentar por Isaias S. OLiveira

AH, achei que a foto era di verdade mesmo.
As lacunas no registro so existe por que fosseis sao raros de se formar. nao me falem que o diluvio forma os fosseis porque noutros posts ja respondi isso.
E estes fosseis polistratos nao eram um problema na epoca de Darwin e nao o sao agora. Um amigo de Darwin, Charles Lyell, conhecido como um dos pais da geologia moderna conseguiu desdaquela epoca explicar que elas nunca foram um desafio.

Ja que o Sabino dividiu esse post, vou dar continuação aqui:
https://alogicadosabino.wordpress.com/2008/05/22/quando-as-arvores-esperam-milhoes-de-anos-para-serem-fossilizadas/

Comentar por Anderson du Lustoza




Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s



%d bloggers like this: