No princípio criou Deus os céus e a Terra


A Bíblia e os dinossauros (Parte 6) – Relatos históricos sobre dragões
Novembro 19, 2009, 5:45 pm
Filed under: Convicções / Fé

Ver Parte 5.
___________________________________________________________________

A História está cheia de relatos de encontros e visualizações dos chamados “dragões”. Alguns deles:

1) O Épico de Gilgamesh, um conto da civilização da Suméria, contém lutas com dragões;

2) Conta-se que figuras que se crêem lendárias, como Beowulf, São Jorge e Siegfried, tiveram encontros com dragões e mataram-nos. Talvez estes contos mitológicos estivessem apoiados numa raíz histórica – a existência de dinossauros (dragões) naqueles tempos. Colocar alguma pessoa a matar um portentoso dragão seria certamente uma boa forma de divinizar o herói em questão;

Alguns relatos e factos históricos mais importantes:

1) Marco Polo viveu na China durante 17 anos, no ano de 1271, e reportou que o imperador chinês criava dragões para puxarem as suas carruagens em desfiles;

2) No século IV A.C., Alexandre, o Grande, reportou que quando conquistava partes do que é hoje a Índia, os seus soldados ficaram assustados com os grandes dragões que viviam em cavernas;dragons1

3) Os últimos governadores gregos do século II A.C. trouxeram dragões vivos da Etiópia;

4) Livros antigos chineses reportam que algumas famílias chinesas criavam dragões para fins medicinais;

5) O dragão é um dos 12 animais do zodíaco chinês;

6) Nos tempos medievais, os Escandinavos faziam referência a dragões que nadavam nos mares;

7) Os Vikings utilizavam na proa das suas embarcações cabeças de dragão;

8 ) O grande médico naturalista suiço, Conrad Gessner, cuja obra Historiae Animalium (séc. XVI) foi considerada marcante para o princípio da zoologia moderna, disse que “os dragões são muito raros mas ainda criaturas vivas” (pág. 224).

9) O grande historiador grego Heródoto, que viveu no século V A.C., registou:

Há um lugar na Arábia, situado muito perto da cidade de Buto, onde eu fui quando ouvi a respeito de serpentes com asas; quando lá cheguei, vi ossos e espinhas de serpentes, em quantidades tais que seriam impossíveis de descrever. A forma da serpente é como aquela da serpente da água, mas com asas em vez de penas. Muito parecidas com as asas de um morcego” (Heródoto, Historiae, tr. Henry Clay, 1850, pp. 75-76)

10) O grande historiador judeu Flávio Josefo, que viveu no século I/II D.C., escreveu a respeito de pequenos répteis voadores na Arábia e no Egipto;

11) O rei assírio Sargão II, que viveu no século VIII A.C., deixou registado que navegava no mar Mediterrâneo quando viu uma serpente marinha;

12) Em 1611, o imperador chinês criou o posto de “Alimentador do Dragão Real”;

Tudo isto para além dos inúmeros testemunhos de individuais por todo o mundo, ao longo dos últimos séculos.

Mais informação em Dragons in History.

CONCLUSÃO

O astrónomo ateu Carl Sagan escreveu: “A difusão de mitos de dragões nas lendas de muitas culturas provavelmente não é um acidente” (Sagan, Carl, The Dragons of Eden, New York: Random House, 1977, p. 149). Claro que ele não acreditou que essas lendas têm por base a realidade.

dragons2A pergunta é: por que motivo pessoas como Marco Pólo e Alexandre, o Grande, iriam contar histórias destas se elas não fossem verdadeiras? Por que iria o poderoso e destemido Alexandre, o Grande, dizer que as suas tropas ficaram assustadas com os dragões que viviam nas cavernas, se isso não fosse verdade?

Por que razão iriam os grandes historiadores Heródoto e Josefo falar a respeito de criaturas que pela descrição são pterossauros, se elas não fossem reais? Ninguém duvida do que eles disseram de outras coisas, pois não? Mas disto já duvidam. Por que será…

Por que razão os chineses iriam incluir no seu zodíaco um animal mitológico juntamente com onze reais? Todos os restantes 11 estão vivos hoje e são considerados reais, naturalmente. Hum… a não ser que o dragão fosse um dinossauro que os antigos presenciaram;

Por que motivo o imperador chinês precisava de um “alimentador do dragão real”? Talvez para alimentar o dragão, não?

Dizem vocês: “Pois, mas relatos são sempre relatos. Não há maneira de saber se o que eles diziam era realmente verdade. Ainda se existissem evidências arqueológicas…“. E é precisamente aqui que vocês vêm para a Parte 7.

(PS: Se estás a pensar refutar aquilo que aqui foi dito, não te limites a usar insultos e ataques pessoais. Usa argumentos!)

Advertisements

56 comentários so far
Deixe um comentário

“1) Marco Polo viveu na China durante 17 anos, no ano de 1271, e reportou que o imperador chinês criava dragões para puxarem as suas carruagens em desfiles;”

O mesmo Marco Polo que contava histórias de pessoas com cabeça de lobo?

“3) Os últimos governadores gregos do século II A.C. trouxeram dragões vivos da Etiópia;”

Esta é boa! E que é feito desses dragões?

“6) Nos tempos medievais, os Escandinavos faziam referência a dragões que nadavam nos mares;”

E sereias…

“5) O dragão é um dos 12 animais do zodíaco chinês;”

O sagitário (centauro) é um dos signos do zodíaco.

“7) Os Vikings utilizavam na proa das suas embarcações cabeças de dragão;”

E que dizer das representações de grifos e quimeras?

Conclusão: relatos e artefactos não valem nada por si. Fico à espera do que aí vem. Espero que ao menos sejam dados concretos.

Comentar por gnomo

Erros de comparação, principalmente o zodíaco chinês e o zodíaco “normal”.

E que dizer das representações de grifos e quimeras?

Não são provas, bem como as cabeças de dragão não provam, mas é sugestivo. O dragão, ao contrário dos Grifos e Quimeras, não são uma “mistura” de outros seres vivos.

Se bem que, se não houvessem ornitorrincos hoje, não acreditariam em sua existência, ou diriam que nunca foi um “conterrâneo” do ser humano, devido à idade de seus fósseis, e ao paradigma evolutivo, que lhe daria milhões de anos de extinção.

Comentar por MVR

É bem possível que tenha havido repteis e mamíferos que se tenham extinguido há relativamente poucos anos.

Sabemos que os grandes mamíferos se extinguiram na Europa depois da ultima glaciação.

Há restos de mamutes, na Austrália foi o lobo marsupial e por aí fora.

Parece que não há grandes evidências de restos de dragões nem de repteis gigantes recentes.

Se forem encontrados pode ser uma grande revelação para a ciência.

E, de facto, nada parece impedir que possam surgir dragões. Não foi é encontrado nada de concreto.

Até lá ficamos a aguardar o osso, o fóssil ou outra evidência.

Sem essas evidências não podemos sequer saber se existem essas criaturas, se foram mamíferos ou o que quer que seja.

O que tu estás a tentar é demonstrar que os dinossaurios foram contemporâneos dos nossos antepassados. Isso já me parece muito mais complicado mas… quem sabe ?

Até porque é muito pouco provável que animais de tão grande porte se tivessem coexistido connosco teriam deixado ossadas em número suficiente para já ter sido encontrado algum coisa.

E repara que as grutas de Lascaux representam muito animais, muitos deles já extintos, mas nada que se pareça com um dino. E os desenhos tem entre 15 a 17000 anos.

Comentar por João Melo de Sousa

Parece que não há grandes evidências de restos de dragões nem de repteis gigantes recentes.

Estás a brincar!!!

Comentar por MVR

Já ouviu falar do “Draco volans”, um pequeno lagarto das florestas do sudoeste asiático? Então, era dele que falava Flavio Josefo.

Já ouviu falar do Dragão de Comodo, um lagarto gigante que ainda vive na Ilha de Comodo?

Você exige dos seus leitores respeito pela lógica, mas você mesmo a despreza.

Cara, com todo o respeito, seu conhecimento a respeito das ciências naturais é minimo.

Antes de se propor a escrever deveria estudar um pouco mais.

Você deve ser novo na fé, o motivo do deslumbramento.

Comentar por Ricardo

KKKKKKK – Não acredito que acabo de ler isto – KKKKKKK

Meu Deus, tu não merece seguidores como estes.

Comentar por Douglas

´´PS: Se estás a pensar refutar aquilo que aqui foi dito, não te limites a usar insultos e ataques pessoais. Usa argumentos!“

O Romano foi proibido de postar nesse topico, que pena.

Comentar por Adim

Não há problema Adim. O Douglas substitui-o 🙂

Comentar por alogicadosabino

Imagina vc entrando na saude aula p estudar e da de cara com um professor de historia com a mentalidade do Jonathan Diaz, no meio da aula diz algo como ´´Cristo não existiu, é uma invenção apatir de varios mitos pagãos que bla, bla, bla…“
Vc tenta argumentar, mas varios colegas de classe pensam e ´´debatem“ como o Romano e o Douglas.

Infelizmente esse tipo de ateu é comun no Brasil, alem de argumetos o cristão precisa ter um forte preparo psicologico p contestar o ateismo.

http://darwinismo.wordpress.com/2009/11/14/debate/#comment-5171

Precisamos de muita oração aqui no Brasil tb, Deus te abençoe.

Comentar por Adim

Adim,

O Brasil é um país pobre e inculto, por isso os ateus não são compreendidos. O que eu estou dizendo é confirmado através de pesquisa do Gallup. Faça uma visita no meu blog e comprove.

Quanto mais religiosos um povo, mais pobre e ignorante.

Comentar por Ricardo

O Brasil é um país pobre, mesmo sendo a sexta economia mundial. Inculto é quem não percebe que quem vive na riqueza não quer saber de Deus (Mt 19:23-24).

Comentar por MVR

Fiz uma visita ao teu blog Ricardo.
Tens algum problema com causa e efeito.

Argumento semelhante ao teu é “países secularizados tem alto indice de suicídio”, daí concluem: ateísmo leva ao suicídio.

Simplório.

Comentar por Vanessa Meira

Ah, somos religosos porque somos pobres e ignotantes, e por isso não intendemos os ateus.
obrigado pela explicação.
Generalizações a parte vc sabia que es um Ignorante preconceituoso?
Pelo fruto que se conheçe um arvore.

Parece ser uma regra do Site, quase todo ´´cetico“ que posta pela 1* vez sempre começa de forma Arrogante e combativa:
´´Jamais vi alguem falar tanta estupidez e imbecilidade de uma so vez, vc é louco, Fanatico, Bandido! KKKKKKKKKKKKKKKK “
Vc sabe oque uma 1* impressão causa, certo?

Só Depois de ler a replica é que um ´´cetico“ COMEÇA a pensar, buscar informações e argumentar na defensa de sua FÉ.

Da uma olhada nas postagens dos teus colegas, especialmente um chamado Romano,
me dis se ISSO é forma de ´´debater“ com alguem.
O que pensa desses ´´pobres-ateus-cultos-incompeendidos“?

Comentar por Adim

E, como compreendes, não dás qualquer evidência. Tens um texto antigo e tentas perceber se o autor se referia a algo real, imaginado ou a uma mera mentira.

Pode ter sido assim. O autor do livro de Job conheceu um dinossaurio. Poder pode…mas é muito difícil.

Não está de acordo com os achados arqueológicos.

Um dia pode estar se se encontrar algo nesse sentido. Até lá….

E ninguém afirma que não houve espécies que se extinguissem recentemente e que até fossem bastantes extraordinárias. Nada impede uma serpente de voar. Mamíferos, insectos e aves voam.

Não conhecemos é nenhuma.

Encontra o ossito e leva-o a um museu de história natural. Aí já se pode ver de que bicheza é, se é osso e essas coisas todas.

Até aí o relato de Job tem tanta credibilidade como muitos outros textos antigos. São documentos mito importantes mas nem sempre relatam uma verdade factual.

Lembra-te do mito de Sisífo, da arca de Pandora e do Jonas na barriga da baleia.

São relatos intemporais, como o Hamlet ou o Édipo Rei, mas não são relatos de factos.

E não é por não ter existido um príncipe Hamlet na Dinamarca que o Hamlet deixa de ser uma obra prima da literatura mundial.

Comentar por João Melo de Sousa

Pode ter sido assim. O autor do livro de Job conheceu um dinossaurio. Poder pode…mas é muito difícil.

Não está de acordo com os achados arqueológicos.

Quais achados, e quais são as incompatibilidade? São estas fiáveis (As incompatibilidades)?

Dizer que um animal não cuspia fogo porque não está no registro fóssil é tolice.

Comentar por MVR

Oh homem !

Valha-nos Deus e um burro aos coices!

O que eu digo é que se não se encontram ossos, fósseis, desenhos, fotografias, pegadas, dejectos ou qualquer outro elemento de trabalho o bicho é como se não existisse. E um relato obscuro não nos leva a parte nenhuma. Se formos dar crédito a todos os relatos sem prova temos de acreditar no xupa-cabras, no monstro de Loch Ness e muitos outros. Por acaso tenho na minha colecção vários bestiários que são relatos de animais fantásticos. Alguns parecem ser relatos deturpados de animais existentes outros mera imaginação.
Isto é claro só é válido enquanto não se encontrarem provas do animal.
Aliás foram encontrados animais vivos que se pensava estarem extintos.

Comentar por João Melo de Sousa

Parece-me que foi encontrado um fóssil de um animal que tinha duas cavidades cranianas, uma delas continha uma pequena quantidade de uma substância que ao entrar em contato com a agua, pega fogo, isso foi documentado pelo Prof. Dr Adalto Lourenço, para quem quer maiores informações, basta acessar os videos disponiveis dele no youtube

Comentar por Jocemar

Adim concordo plenamente com você, a ignorância e a mentalidade medieval ainda predomina no Brasil. Sou brasileiro, e digo que os que negam a existência histórica de Cristo são ignorantes e irracionais, e em pleno século XXI na era da modernidade ainda existe pessoas que recusam a admitir que Cristo andou pela terra. Esta hipótese é considerada totalmente absurda pela comunidade acadêmica. Os que negam levantam três hipóteses:

1- Que Cristo é uma entidade antropomórfica
2- Que os livros do Novo testamento não são documentos históricos confiáveis.
3- Que os relatos extra bíblicos foram adulterados não sendo suficiente para provar a existência de Cristo.

Mas como eu disse isso são apenas hipóteses (está mais para teorias de conspiração, como o lixo do filme Zeitgeist). A tese de que Cristo foi uma junção de mitos pagãos já foi derrubada, para não entrar em maiores detalhes basta recorrer a uma boa enciclopédia e analisar os supostos paralelismos entre Cristo e os seres mitológicos.

O novo testamento é historicamente confiável, os que argumentam contrário geralmente apresentam pressupostos naturalistas alicerçados sobre bases frágeis. É aceito pela maioria dos estudiosos neo testamentários que os evangelhos foram concluídos até o final do primeiro século, qualquer hipótese datando os evangelhos para o século II é arbítrária. Por isso o tempo em que os fatos narrados aconteceram até o tempo que os evangelhos foram escritos são pequenos sendo muito improvável que foram mistificados, porque seria necessário muito tempo para que as tradições orais se corrompesse trazendo os evangelhos inconfiáveis. Além de vários outros critérios de autenticidade.

Os ateus gostam de dizer que os relatos extra bíblicos não são confiáveis, por terem sido adulterados como o relato de Josefo. O manuscrito do testimonium Flavianum em grego foi adulterado isto é óbvio, mas existe estudiosos que argumentão que não foram todas as palavras do relato que foram adulterada, porque existe palavras que encaixam perfeitamente no estilo linguístico de Josefo. Além do mais em 1971, o professor Shlomo Pines descobriu manuscrito do século X de uma versão em Árabe que é a mais próxima do relato original de Josefo, então é comumente aceito que Josefo fez uma refência a Jesus, isto se torna evidente na passagem que ele se refere a Tiago irmão de Jesus, também chamado de Cristo.

Quem negar a existência histórica de Cristo tem que enfrentar a ônus da prova. Isto será uma tarefa impossível por que terão que provar que Cristo é um antropomorfismo, ora como se pode provar o que já foi provado falso?, também terão que provar que o novo testamento não é confiável isto será um tarefa árdua e muito improvável. Também vão ter que explicar como surgiu o mito de Cristo, e como eles resistiram e venceram a opressão Judaica dos líderes Judeus. Meus pesames as irracionais.

Comentar por Allef

De facto parece que há algumas evidências de Cristo. Não esquecer que em 66 Israel é derrotada e certamente os israelitas da altura tinha muito mais que fazer relatarem algo sobre Cristo. Nem deve ter tido uma grande influência sobre os judeus porque a religião judaica continuou de boa saúde e se muitos dos judeus se tivessem convertido ao cristianismo os rabis teriam escrito uma série de catilinárias contra a heresia.

O Cristianismo desenvolve-se no império romano, fora da judeia, e é natural que incorpore pensamentos romanos e de diversas culturas próximas.

O personagem em si até nem é assim importante. É pouco importante saber exactamente quem foi ou que pensava exactamente Sócrates.

Platão relatou e afirma que eram os ensinamentos de Sócrates. Já nem um nem outro estão por cá para contarem a sua versão dos acontecimentos assim temos de confiar em Platão.

O personagem em si está sempre rodeado de mistério. Uma biografia de personagens muito mais próximos de nós : Salazar, Hitler, Madre Teresa ou de alguém tão próximo de nós no tempo é muito difícil de fazer quanto mais coisas que se passaram há 2000 anos.

E os evangelhos são confiáveis. Tão confiável como é qualquer texto apologético da época.

O relator conta que ouviu que Cristo disse e que fez.

Os Evangelhos escolhidos pela Igreja Católica para fazerem parte da vulgata foram estes e entre si parece ser os que menos se contradizem e o que eles consideram mais canónicos com a visão que eles tinham de Cristo.

Comentar por João Melo de Sousa

Pois, você foi honesto da sua parte dizendo que há evidências para Cristo, pelo menos não está alguns séculos desatualizado. Sim o cristianismo surgiu fora da Judéia, em um dos piores lugares do mundo para se começar uma religião em Jerusalém. E em relação aos evangelhos a igreja escolheu os mais antigos que eram compatíveis com as tradições orais da época. Já os apócrifos surgiram no século II e III e são de origem gnóstica.

Comentar por Allef

“De facto parece que há algumas evidências de Cristo. Não esquecer que em 66 Israel é derrotada e certamente os israelitas da altura tinha muito mais que fazer relatarem algo sobre Cristo. Nem deve ter tido uma grande influência sobre os judeus porque a religião judaica continuou de boa saúde e se muitos dos judeus se tivessem convertido ao cristianismo os rabis teriam escrito uma série de catilinárias contra a heresia.”

Concordo com você isso não só vale para os israelitas como também para os Grecos-romanos (historiadores) que pouco ou nada relataram sobre Jesus, “eles tinham muito mais a fazer que relatar algo sobre Jesus” não é verdade?. O movimento Cristão cresceu muito tanto que superou a opressão judaica e chegou a ásia menor, parte do oriente médio e do sul da europa, se você ler o livro de Atos dos Apóstolos verá que os cristão cresceram muito, os rabinos nada disseram sobre a heresia ou talvez disse mas se perdeu com o tempo. De fato as tradições orais judaica foi escrita século mais tardes no talmude e muitos dizem que ele menciona Cristo com um mágico, e que levou Israel a apostasia.

Comentar por Allef

Ricardo em partes concordo com você. O Brasil é um país que está se tornado marjoritariamente evangélico, é um país com grande diversidade de crenças. O religioso só se torna irracional quando ele delega uma explicação que poder ser perfeitamente esclarecida pela ciência a um ser sobrenatural ou quando vive cheio de supertições nos demais são perfeitamente racionais. Existem grandes nomes da ciência que são religiosos, é puro preconceito dizer que uma pessoa é ignorante só porque manifesta algum tipo de crença, se for assim todos nós somos irracionais por que os religiosos creêm no que diz a sua religião já os céticos e ateus creêm no evolucionismo. Se os ateus são tão intelectuais por que vivem dizendo que Cristo não existiu? pela maneira como eles expressam e mostram a evolução parece ser um fato, não é mesmo?! Tomem cuidado com o que dizem.

Comentar por Allef

Aguardo ansioso a parte 6, e, já agora, vai ter parte 7?

Comentar por MVR

Êh, quis dizer, aguardo a sétima parte, eheh

Comentar por MVR

Obviamente que temos que rejeitar todos estes dados históricos, e depositar a nossa fé na teoria da ebulição. Digo, evolução.

Comentar por Mats

Se fizermos uma análise histórica imparcial, sem qualquer predisposição a aceitar ou não uma ou outra teoria, vamos invariavelmente acabar aceitando que os relatos históricos confirmam os relatos bíblicos, e é isso que faz com que esses ateus que postaram acima fiquem de cabelo em pé, ou seja, tudo o que se encontra no estudo fóssil, no estudo arqueológico, e nos escridos de historiadores do passado também coroboram com os relatos bíblicos, por isso esse ataque ferenho na tentativa de desqualificar tudo o que se tem de evidências apresentadas pelo Sabino.
Lembrem-se, para os ateus vale tudo em nome da sua religião, são verdadeiros fanaticos, não conseguem abrir os olhos para ver a sua volta, acredito que se for tirado uma foto de um homem montado em um grande dragão voador e postar aqui, ainda assim isso não seria suficiente para faze-los convencer de que os homens e os répteis pré-históricos foram contemporâneos; e porque eles não aceitam isso, simplesmente porque a sua religião diz que isso não é possível, não apresentam qualquer evidencia cientìfica, e ainda dizem que a sua religião é uma teoria científica, que Deus tenha misericordia desses homens

Comentar por Jocemar

Os relatos históricos não são contrários à biblia, ao Hamlet ou ao Édipo rei.

Literatura é literatura, história é história.

A Odisseia é um livro de inegável valor cultural. Tem partes que relatam factos históricos (a guerra de Tróia) e outros que são literatura.

Com a biblia passa-se o mesmo. Tem uma parte que é o relato, do ponto de vista judeu, da história do povo judeu, uma parte poética, uma parte mítica, etc.

Não se pode é confundir literatura e apologia dum povo com história.

Não há dúvidas que o povo Hebreu esteve no Egipto e na Babilónia. Apreenderam muito destas culturas. E tiveram o mérito de se terem safado do desaparecimento como muitos outros povos a antiguidade.

Claro que os relatos das matanças de inocentes no Egipto, a abertura do mar vermelho, a paragem do sol e outras serão figuras de estilo para realçarem os feitos dos heróis.

O milagre de Ourique foi estruturante na criação da identidade cultural portuguesa.
Foi muito importante.
Não é um facto histórico.

E o jovem Hamlet, Édipo, Climnsestra e o Carlos da Maia são personagens importantes da nossa cultura.

Não são é história.

E dizer que a Odisseia é disparate porque as éguas da lusitania não emprenham apenas com o vento é disparate.

São livros importantes mas não históricos.

Comentar por João Melo de Sousa

João de Melo a bíblia é sim um documento histórico! E por sinal o documento mais bem atestado da antiguidade, ela contém relatos históricos do povo hebreu e de os outros povos da antiguidade, da criação do universo, contém profecias (um terço de toda bíblia), mas o próposito principal da bíblia é relatar problema do homem com Deus, o surgimento de um povo da qual sairia o salvador da humanidade que resolveria o problema e a esperança de morarmos com Deus. Os escritores bíblicos usavam figuras milógicas mas de um modo histórico como diz o Dr. Ben Witherington ( Phd pela universidade de Durham, Inglaterra, e professor do Asbury Theological Seminary, onde ministra aulas na área de Novo Testamento):

“De fato, o que você pode encontrar na Bíblia é a desconstrução de mitos de outras culturas, ou, melhor dizendo, a desmitologização de tal material, por escritores Bíblicos criando polêmicas. George Earnest Wright, que me ensinou muito em Harvard, costumava enfatizar que os judeus não foram, de maneira geral, um povo criador de mitos. Ele estava certo sobre isto. Eles fundamentaram suas histórias na história, particularmente no que veio a ser chamado de história da salvação. E quando eles usaram imagens mitológicas (como por exemplo, a imagem do grande monstro do mar Leviatã) eles as usaram de modo histórico. Um bom exemplo deste tipo de prática são alguns materiais que encontramos no livro de Apocalipse. Apocalipse 12 conta a lenda de uma mulher, representando um grupo histórico de pessoas, e um dragão tentando destruir seu filho, e quando isto falha, então ela. Imagens mitológicas certamente são usadas aqui, de antigos mitos de combates (veja meu comentário sobre o livro de Apocalipse).

Mas o que é interessante sobre a utilização é que as imagens mitológicas são usadas para servir a propósitos históricos — o autor não acredita apenas que há um povo histórico de Deus, ele também acredita que há um ser espiritual chamado Satã, e ele usa as imagens mitológicas mais espinhosas que ele pode achar para descrevê-lo. Isto é chamado de desmitologizar imagens mitológicas e usá-las para propósitos históricos e outros.”

Como Muitos desinformados argumentão, a religião Judaica não surgiu durante o exílio da Babilônia, e nem durante a escravidão no Egito. Surgiu em Abraão, Isaque e Jacó. A fé aumentou e propagou especialmente no Êxodo de Israel, muitos estudiosos concordam com isso, Além do mais temos boas razões para crer que foi Moisé quem escreveu o pentateuco. Inclusive existe arqueólogos que dizem que há evidências para a historicidade do êxodo. Sobre O sol parar ralatado no Livro de Josué, isto está mais para um recurso de linguagem utilizado pelo escritor, e também é um refencial do indivíduo em relação ao sol sobre sua posição na terra.

Comentar por Allef

“Infelizmente esse tipo de ateu é comun no Brasil, alem de argumetos o cristão precisa ter um forte preparo psicologico p contestar o ateismo. ”

1- Anti-intelectual
2- burro
3- idiota
4- ignorante
5- bandido
6- criminoso
7- sub-humano
8- imbecil

Apenas alguns títulos que recebi certa vez em um post que coloquei em uma comunidade do orkut.
Em 2 dias, chegou a 200 comentários de ateus enfurecidos, nenhum argumentou nada, só xingou.
E um biólogo criacionista que apareceu pra mostrar que eu estava certo foi expulso da comunidade.
Realmente, o preconceito ateu é muito grande aqui no brasil.

“O Brasil é um país que está se tornado marjoritariamente evangélico”
Amém por isso!
O Censo 2010 do IBGE revelará o quanto o Brasil está crescendo nesse aspecto!

Comentar por Fabricio Lovato

Fabrício é bom saber que os evangélicos estão se tornado maioria em um país que foi e é durante muito tempo escravizado pela idolatria. Mas com este crescimento vem também um problema, estão só crescendo em número pois em qualidade está praticamente retrocedendo. Os evangélicos ao invés de causar um grande impacto no país estão se deixando moldar pela cultura brasileira. Isto é ruim. Vamos orar pelo Brasil.

Comentar por Allef

Realmente, não devemos orar só por quantidade, mas por qualidade.
Vivemos em uma época que para atrair fiéis, as igrejas estão até promovendo dentro de seus templos ringues de boxe e tatuagens grátis.

Comentar por Fabricio Lovato

“Realmente, o preconceito ateu é muito grande aqui no brasil.”

E ainda se fazem de coitados falando que eles é que sofrem preconceito, mas tente contestar a evolução e fale que é criacionista para ver o que acontece.

Comentar por Adalberto Felipe

os ateus representam apenas 3% da população. Portanto, ou existe alguma coisa de muito errada com o discurso criacionista, ou então, esses 97% de religiosos são uns bananas, que se deixam intimidar por 3%. rs

Comentar por Ricardo

Pois é temos que ter pulso forte para contestar a evolução. Porque se dissermos que somos criacionistas só faltam nos queimar nas fogueiras como a igreja católica fazia com os hereges na idade medieval. Alguns dos irmãos já viram o lixo (pseudo-histórico) do portal do site Ateus. net. Que criaram uma obra literária de La sagesse chamada ” Jesus Cristo Nunca existiu” sinceramente é engraçado, dá vontade de rir. As vezes me assombro do “intelecto” ateu, quase me “incurvo” diante deles, são pessoas “inteligentíssimas”. Parabéns a eles por esse livro pseudo histórico. O senhor tenha misericórida.

Comentar por Allef

O fato que a evolução “ser” espinha dorsal da biologia,e a biologia estar em uma posição previlegiada em relações a outras áreas,por avanços da verdadeira ciência (empirica e metodológica),faz com que a teoria da evolução não se torne comprovada,se seguir as evidências empíricas da biologia.Isto me faz pensar,a evolução é ciência ou fé?Acho que acreditar nesta teoria é o mesmo que acreditar na criação especial,pois ambos são conceitos,e somente a fé dos que acreditam poderá suplantar as faltas de evidências inequívocas e cabais.

Por falar em cabais e inequívocas, pergunto o que é ciência?Um conceito simplificado diz que ciência é o corpo inteiro do conhecimento,e por isso hipóteses que não podem ser comprovadas não deveriam ser levadas aos patamares de teoria.Uma hipótese tem que ser capaz de ser testada e tem de ter o potencial de ser falseável.Pelo meu entendimento nem a a evolução e tambem a criação especial tem status de teoria.Partindo destas minhas análises,percebo que as duas hipóteses não passam de crenças e convicções quando confrontadas com o verdadeiro empirismo.

Esta afirmação de Paul Ehrlich,professor de biologia da universidade de Stanfort reforça aquilo que estou a concluir:”Nossa teoria da evolução,tornou-se como Popper descreveu,algo que não pode ser refutado por nenhuma observação possível.CADA OBSERVAÇÂO CONCEBÌVEL PODE SER AJUSTADA.È FORA DA CIÊNCIA EMPÌRICA,mas não necessáriamente falsa.NINGUÈM PODE PENSAR EM MANEIRAS DE TESTA-LAS.

Idéias sem base ou baseadas em poucos experimentos completados em sistemas extremamente simplificados,ALCANÇARAM CIRCULAÇÂO MUITO ALÈM DA VALIDADE.Elas se tormaram parte de um DOGMA EVOLUCIONÀRIO aceito por muitos de nós como parte do NOSSO TREINAMENTO!”O naturalismo filosófico não pode posar de ciência,isto é inconcebível;até entendo que o naturalismo metodolódico quando apoiado por evidências verdadeiramente empíricas deve ser seguido.

Quero ressaltar que por ser naturalismo,ele não poderá se posicionar quando a existência de DEUS ou não,pois isto foge de sua alçada,pois não é falseável.Sou cristão e não sou dogmático e preconceituoso.As evidências devem ser seguidas aonde elas forem,sem preconceitos.Quando a maioria dos cientistas deixarem de ser preconceituosos,objetivos e infalíveis,a ciência chegará a verdades absolutas,mas como isso é impossível,sempre estaremos a mercê de cosmovisões,o que determina muita distância da verdade.

A dicotomia ciênciaxreligião em relação a evolução é falsa,pois as mesmas se apoiam em preconceito e cosmovisões.A minha visão me leva a crer num CRIADOR,que fez o universo belo,singular,harmonioso e com sintonia ultra fina,pois as evidências me convenceram a tal posicionamento.No mais DEUS está no intangível para a ciência,somente tangível para os “corações” que querem percebe-lo e se relacionar com ELE!

Comentar por jonas

A Evolução é muito fácil de ser infirmada:

Se a terra tiver poucos milhares de anos a evolução não é possível.

Esta mesma preposição infirma o criacionismo da terra jovem :

Se a terra não tiver 6000 anos o criacionismo da terra jovem está infirmado.

Creio que há uma grande unanimidade nas observações de todas as ciências que a terra não tem nada que se pareça com 6000 anos.

Isto não infirma o criacionismo da terra antiga. Por este facto uma parte dos cientistas são teístas de diversas religiões.

Na minha opinião há é uma errada interpretação da Bíblia.

Comentar por João Melo de Sousa

Os métodos que “provam” que a terra tem bilhões de anos confirmam que diamantes no Zaire podem ter cerca de 1 bilhão a mais de idade que a própria terra.

Formaram-se no espaço e vieram para a terra, ajudar a “formar” o planeta?

Comentar por MVR

Nossa Ricardo, são 97% contra 3%? é verdade. Mas acontece que esses 3% estão querendo atingir os formadores de opnião na sociedade, estão invadindo os meios de comunicação em massa, fazendo campanhas, etc. Na tentativa de destruir as religiões, além de querer propagar e incucar seus sofismas disfarçado de ciência no público leigo. Os desinformados não sabendo se defender muitas vezes acredita e esses 3% pode aumentar vários porcentos, aumentando assim a criminalidade e queda do caráter humano.

Comentar por Allef

MVR :

A datação por decaimento dos elementos radioactivos é apenas um entre muito métodos de avaliar a idade de objectos.
Há um conjunto de ciências que, de forma independente uma das outras, nos dão uma idade da terra e do universo muito antigo.
Concordo que muitas das datas podem ser duvidosas mas não se aproximam, de maneira nenhuma, de seis ou dez mil anos.

Comentar por João Melo de Sousa

A datação por decaimento dos elementos radioativos é ridícula. Não é apenas uma ou duas as suposições necessárias, mas três: Supõe-se que o decaimento sempre foi o mesmo, que se pode determinar a composição inicial, e que não há contaminação externa.

Parece tão fiável quanto uma bola de cristal.

Comentar por MVR

Frase digna de prêmio:

Concordo que muitas das datas podem ser duvidosas mas não se aproximam, de maneira nenhuma, de seis ou dez mil anos.

É suposto datas duvidosas servirem de referência para alguma coisa?

Comentar por MVR

O boa gente:

Na ciência nada é afirmado com certezas absolutas.

Quando digo que as datas são duvidosas quero dizer que :

A idade da terra e do universo é estimada por diversos métodos. A datação radiológica apenas um deles. Tem-se mostrado muito confiável.

A ciência vai indo por aproximações. Sempre que se consegue um valor mais fiável os anteriores são abandonados.

Actualmente os períodos geológicos, a distância a muitas estrelas foram determinados com uma maior grau de precisão que há uns anos.

Não há nenhum caminho na ciência que nos aponte para uma terra com menos de 10000 anos há mais de 100 anos.

A velocidade da luz, segundo tudo indica, é constante e sempre foi esta, nada nos pode levar a pensar que o decaimento dos elementos radioactivos foi diferente (maior ou menor no passado).
A erosão, os depósitos de sedimentos, a arqueologia e muitas outras evidências apontam para uma terra e um univeso muito antigos.

Comentar por João Melo de Sousa

A idade da terra e do universo é estimada por diversos métodos. A datação radiológica apenas um deles. Tem-se mostrado muito confiável.

Vejo que não sabes como se faz radiometria.

A erosão, os depósitos de sedimentos, a arqueologia e muitas outras evidências apontam para uma terra e um univeso muito antigos.

O problema é que ninguém viu esse tempo todo a passar. Toda a história está contida na idade da terra jovem, bem inferior a 10.000 anos.

Queres que acreditemos que o ser humano só aprendeu a registrar história 6.000 anos atrás, mesmo que já existisse há centenas e centenas de milhares?

Comentar por MVR

Allef :

De certo modo você tem razão. Um mito desconstrói outros mitos. O relato Génesis é um bom exemplo. Em contacto com outras culturas os hebreus desconstruíram os mitos alheios e construíram a sua cosmovisão própria.

O velho testamento dá-nos a visão deles da criação, a sua lei, história, mitos , os heróis míticos e suas façanhas.

E ninguém pode negar a importância do pentateuco na união do povo judeu que viveu e vive em grande parte na diaspora.

É, conjuntamente com a língua, a religião judaica o grande factor de união dos judeus.

Há textos que já referi aqui que são muito importantes na cultura, pelo menos na ocidental.

Édipo rei é um personagem importante na cultura ocidental. Freud baseou parte da psicanálise nessa obra.

A história, salvo erro, não conhece nenhum rei Édipo e muito menos se o relato de Sófocles tem algum fundo de verdade.

Com a bíblia e os seus heróis é a mesma coisa. Pouco importa se Cristo foi assim, se existiram ou não os heróis do velho testamento.

O importante é a importância que o relato teve na cultura.

Por vezes a história até vem a descobrir que estes heróis míticos até existiram, pode até ser que parte do mito tenha algo de real mas o importante é o mito em si e as consequências que teve no evoluir das culturas.

Comentar por João Melo de Sousa

João Melo de Sousa!
“A velocidade da luz segundo tudo indica.”È exatamente assim;tudo indica,possivelmente,espera-se,até o momento não se viu nada ao contrário,e tantas outras “evidências” que não se podem testar.A física, no segmento relacionado a cosmologia,só perde especulativamente para a hipótese da evolução.Jà que especulas também vou!E quem garante que a densidade do universo é igual em todos os seus pontos.Se tiver algum ponto de densidade mais elevada ou baixa interferirá na velocidade da luz.Viste estamos ainda navegando em águas abissais,e por este motivo tudo ainda não passa de pressupostos,que bem poderiam ser outros,dentro de outra cosmovisão!

Comentar por jonas

Tem um comentário acima sobre a questão do cristianismo ter sido copiado:

Eu assisti aquele Zeitgeist Refutado, pelo que parece o autor admite que o Cristianismo incorporou aspectos da religião pagã, porém, depois de alguns séculos após Cristo, apresentando para a sua alegação a páscoa, árvore de natal, coelho.

Uma coisa que percebi é que o “teoria” da cópia diz que o cristianismo se inspirou e não que é idêntica a religião pagã.

O zeitgeist refutado se posicionou muito na Bíblia para refutar, mas a Bíblia no primeiro Zeitgeist não foi o foco do raciocínio e sim o cristianismo (da mesma forma que questionar o direito brasileiro e questionar a letra da lei são coisas diferentes).

Fatos relativos a páscoa, coelho, arvore de natal, hoje são práticas constantes do cristianismo (fazem parte, memso que sem legitimidade).

A alegação de que o direito romano inspirou o direito brasileiro, não quer dizer que são idênticos e que o direito brasileiro apóia o que foi praticado no império romano, da mesma forma que o cristianismo não deve necessariamente ter a mesma ideologia que o paganismo;

Usar o cristianismo para controlo social, não quer dizer que “criar o cristianismo para controlo social”

e o fato da bíblia condenar líderes mundiais, não afasta a hipótese de usar a cristianismo para controlo social;

Sobre os dez mandamentos, o “refutado” admitiu, e aquela de Deus fez nascer a idéia é pregação.

Disse que falta fontes confiáveis para Hórus (muita gente fala a mesma coisa de Jesus)

O primeiro zeitgeist questionou que o cristianismo se inspirou no paganismo e o “refutado” defendeu a letra da bíblia;

O refutado questionou mais o cristianismo atual do que zeitgeist (Falando de Cruz, árvore de natal, etc)

O ataque do refutado foi em relação às fontes dos autores da teoria da cópia, atacou os autores também (aquela do homossexual)e acusou do zeitgeist ter feito analogias por coincidências(peixes, bezerro etc)

O zeitgeist afirmou que a idéia de Horus se irradiou e não que o cristianismo copiou aspectos de cada religião

teve aspectos coerentes, mas a maior parte foi mais pregação, preconceito e ameaça (quem não esta comigo está contra mim),

se uma pessoa TEM que dar seu filho para salvar o mundo, esta pessoa não tão poderosa (seria só estralar os dedos)

Com todo respeito, andar sobre as águas, ressuscitar, transformar água em vinho, curar doentes (este é argumento para eu ficar agradecido), advinhar acontecimentos, mesmo que tiver acontecido, não são argumentos para me fazer seguir uma pessoa (é argumento para me deixar curioso, espantado)

por isso se tais fenômenos acontecessem hoje memso assim eu não seguiria uma pessoa por isso(respeitaria)

(Na minha opinião) as boas obra merecem mais mérito que a fé.

os interpretes da bíblia que conheço pessoalmente (não disse que voces são assim)interpretam a bíblia com certos princìpios e um deles é o que não permite resultar em prejuizos financeiros

é só falar no Lucas e o Príncipe. Então é muito mais benéfico para os pobres a pessoa gostar mais do dinheiro do que Deus e se arrepender depois, porque assim ele vai e vende tudo e dá aos pobres para entrar no céu

porque se ele for crente desde o início ele pode morrer rico sem dividir

Tomara que Deus não seja a pessoa que a Bíblia diz

Comentar por luciano

Olá luciano,

“Eu assisti aquele Zeitgeist Refutado, pelo que parece o autor admite que o Cristianismo incorporou aspectos da religião pagã, porém, depois de alguns séculos após Cristo, apresentando para a sua alegação a páscoa, árvore de natal, coelho.

Uma coisa que percebi é que o “teoria” da cópia diz que o cristianismo se inspirou e não que é idêntica a religião pagã.”

É preciso saber fazer uma distinção importante. Quem absorveu essas práticas pagãs do pinheiro de natal e da celebração no dia 25 de Dezembro não foram os apóstolos nem Jesus Cristo, mas sim as pessoas que, séculos mais tarde, proclamaram o Cristianismo como religião oficial do Império. O Cristianismo em si não incorporou práticas pagãs. Quem as incorporou foram os cristãos que viveram muitos anos depois do fundador do Cristianismo. As bases do Cristianismo não assentam em práticas pagãs.

Comentar por alogicadosabino

olá Sabino:

O que a bíblia diz sobre a solteira desejar o homem da próxima?

E o que o Cristianismo diz sobre a mesma pergunta?

Comentar por luciano

Está bem. Alega praí

Comentar por alogicadosabino

Luciano o Zeitgeist é um lixo e nem é levado a sério no meio acadêmico, já foi muito bem refutado. É comumente aceito entre os estudiosos neo testamentário e historiadores que não existe nenhuma semelhança entre Cristo e qualquer entidade pagã. Esta tese de antropomorfismo já foi derrubada! Muitos dos livros sagrados de várias religiões foram posteriores ao novo testamento. Dizer que há falta de evidências confiáveis para Cristo é um disparate, pois como sempre os ateus ignoram o novo testamento dizendo que não é um documento histórico confiável sem apresentar um prova cabal. Temos bons motivos para confiar no novo testamento, os estudiosos procuram as fontes em que os escritores dos evangelhos e a carta de 1 Corintios( Paulo) usaram para escrever tais coisas sobre Jesus, como a fonte da paixão pré-Marcos, á fonte Paulina onde 1 Corintíos 15 foi baseado em um Credo apostólico muito antigo, e por aí vai. Além do mais o que a Igreja Católica fez séculos mais tarde não é culpa de Cristo e nem dos apóstolos, pois o que ela incorporou no cristianismo não altera a sua verdadeira originalidade.

Comentar por Allef

O propósito da pergunta é alegar que o Cristianismo não se resume ao texto da bíblia ou nos apóstolos e Jesus.

Comentar por luciano

Sabino você disse que as pedras de ica NO Pero NÃO SÃO TOTALMENTE CONFIÁVEIS. Baseado em que você afirma isso. Nem mesmo os mentirosos cientistas atuais(trapaceiros,destruidores de reputação,destruidores de artefatos incomodos,falcificadores de evidências,mafiosos)são capazes de avaliar tais pedras. Eles inventaram um mundo próprio, fruto de sua imaginação fértil sem nenhuma obervação dos eventos que eles dizem que aconteceram.

Comentar por gilson dos santos pinto

Sou Batizado na Igreja católica mas não frequento.
Fui (Sou) jogador de RPG e mesmo assim sabia que dragão é fantasia dos nossos ancestrais mentirosos que achavam um crânio de Dinossauro e corria para a taberna mais próxima contar_ “Matei um Dragão!!!”

Comentar por Marco Aurelio (Rio)

Meus caros e caras colegas , amigos , irmãos , enfim eu não sou ninguém para mudar as convicções de pessoas , mas eu dentro da minha , que estudo as escrituras , a compilação de livros inspirados pelo espirito de DEUS , sustento atualmente que baseado em alguns versos tenho por certo que certamente houveram grandes repteis e peixes :Jó 40:15 Contempla agora o Beemote ( um animal grande, disseram é mamute, é Hipopótamo )…….E orou Jonas ao Senhor, seu Deus,lá das entranhas do peixe;Jn.2-1 (grande) .
Não há como negar ossadas de animais que não vivem mais entre nós e o Carbono 14 é contestado em suas precisões de tempo.
As escrituras afirmam que :
…mil anos são aos olhos do criador , como o dia de ontem que passou, e como a vigília da noite.Sl.90:4
1000 anos ou mais = 1 dia ou menos
Se pensarmos que não haveremos de dormir , porque espirito não dorme e que o Deus criador vai iluminar a tudo e a todos , pelo tempo todo , não haverá mais noite e a questão do tempo (chronos) não se haverá de contar.
O que quero aqui colocar ? NO livro de Genesis cap.01 verso 5 E Deus chamou à luz dia, e às trevas noite. E foi a tarde e a manhã, o dia primeiro.
Aqui se estabeleceu o tempo chronos, 1000 anos ou mais pode ter se passado e assim sucessivamente até aparecer o homem no sexto dia , mas vejam que no quinto dia o que aconteceu e está registrado assim :
verso 21 Criou, pois, Deus os monstros marinhos, e todos os seres viventes que se arrastavam, os quais as águas produziram abundantemente segundo as suas espécies; e toda ave que voa, segundo a sua espécie. E viu Deus que isso era bom.
Alguns textos podem ser analizados mediante a estudos de originais , que enfatiza mais esse estudo , mas a fonte aqui colocada foi a mais simples e aceita entre nós a versão João Ferrreira de Almeida revisada. Um Abraço a todos e caso possam acrescentar a essa visão agradeço.

Comentar por alfredo alves

há fotos no youtube de homens gigantes (nefilins) então porque não acreditar ?
nenhum cientista afirmou a precisão da radiometria e lógico que a terra só é documentada de 6.000 anos para trás .
história , telegrafo , imprensa , telefone hieróglifos , pinturas e escrituras em cavernas , penhascos locais de proteção , enfim … GRANDES SERES EXISTIRAM E A BIBLIA NÃO CONTRARIA A ARQUEOLOGIA , MAS AO CONTRARIO ONDE O ONUS É DA SEGUNDA .

Comentar por alfredo alves

Gostei muito dos teus artigos !

vc tem orkut ?
poderia me adcionar ?

entre em contato comigo, abraço !!

Comentar por Nander




Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s



%d bloggers like this: