No princípio criou Deus os céus e a Terra


O “Mito de Cristo” e a dificuldade ateísta em usar a História a seu favor (Parte 1)
Outubro 5, 2009, 3:03 pm
Filed under: Convicções / Fé

O “Mito de Cristo” refere-se à crença de que Jesus Cristo nunca existiu enquanto figura histórica. Este post é dedicado aos ateus mais fanáticos e desinformados que defendem essa tese de forma acérrima, dizendo que tal é sustentado pela parca evidência histórica existente a seu respeito (como o leitor que assina como hermogenes defende, nos comentários a este post).

Não deixa de ser uma boa táctica. Afinal de contas, eliminando o fundador o resto deixa de fazer sentido. É um pouco como o que a ciência demonstrou em relação à teoria da evolução quando foram encontrados vasos sanguíneos, proteína e células em ossos de dinossauro: sem milhões de anos todo o cenário evolucionista morre.

A crença de que a pessoa histórica de Jesus nunca existiu vem sobretudo de G.A. Wells (com licenciaturas em Alemão, Filosofia e Ciências da Natureza), que em 2003 deixou de ser um dos que acredita que Jesus nunca existiu, e Earl Doherty (com apenas uma licenciatura em História Antiga), que se inspirou nas obras de Wells – o tal que já se retratou daquilo que disse.

O restante material que vocês encontram na internet a respeito do “Mito de Jesus” é proveniente de “ateus normais”, pessoas como eu e tu que estão em suas casas e se limitam a papaguear o que esta minoria de pseudo-historiadores diz a respeito do tema. O próprio Richard Dawkins, no seu livro “A Desilusão de Deus“, baseia-se nos escritos de Wells (sim, o tal que já se retratou) para dizer que é possível reunir evidência histórica para o caso de que Jesus Cristo nunca existiu na Terra. É para vocês terem ideia do desespero ateísta.

Mas a verdade é que os ateus que acreditam que o Jesus histórico nunca existiu iriam ter grandes dificuldades em debater contra historiadores experimentados na área. Vamos ver o que dizem alguns historiadores proeminentes, tanto cristãos como não cristãos, a respeito da existência histórica ou não de Jesus Cristo.

Ver Parte 2.

Anúncios

41 comentários so far
Deixe um comentário

De facto não consigo entender como este mito de que Jesus não existiu historicamente ainda perdura.. enfim…
Obrigada pelos posts 😉

Comentar por Joana

Pensem bem, pq os apostolos mentiram a respeito da ressusreição de Cristo se tudo o que eles ganhariam em troca seria ser lançados aos leões, serem crucificados, queimados, esbofeteados, mortos humilhados etc?

Quando a testemunha não tem nada a ganhar mentindo e só a perder muito provavelmente esta falando a verdade.

O historico existiu com certeza mas o divino provavelmente tb.

Comentar por Dede Carvoeiro

Pois é, se eles suportaram isso tudo ou estavam a falar a verdade ou foram enganados. Como a segunda hipótese também é muito improvável face às evidências, resta concluir que é verdade.

É claro que sendo cristã sei que Jesus ressuscitou e não preciso de comprovações históricas, mas é facto que elas existem. 😉

Comentar por Joana

“É claro que sendo cristã sei que Jesus ressuscitou e não preciso de comprovações históricas, mas é facto que elas existem”

Horus ressuscitou também! e eu também não preciso de comprovaçôes históricas, mas é fato que elas existem.

Se for pensar bem, que mérito tão grande assim em ressuscitar? O filho do diabo também teria este poder.

Comentar por luciano

-.-‘
era para responder?

Comentar por Joana

É preciso que se diga que o cristianismo foi uma nova cultura e não uma nova religião. Como tal, se impôs a ferro e fogo e tentou apagar os vestígios da verdadeira história, são os vencedores que fazem prevalecer a sua versão. Os gregos foram os vencedores. A História é grega, os fundadores do cristianismo eram todos gregos da Ásia Menor, os documentos cristãos antigos foram escritos em grego (Koiné), os historiadores da época eram gregos, o Império Romano é obra dos gregos, eram gregos os redatores e copistas dete império, as fraudes pias são conhecidas de pesquisadores de todas as tendências, não existem e nunca existiram fragmentos de escritos do primeiro século escritos em aramaico, grego ou latim se referindo a Jesus Cristo porque ele nunca existiu. O objetivo deste golpe grego era se apoderar do Antigo Testamento (política religiosa judaica), motivo do sucesso do judaísmo no mundo antigo. Irritados com o progresso judeu no mundo helenístico, os gregos criaram um antídoto – o cristianismo. Não admitiam a hipótese de perderem a tutela moral da Humanidade. Foi só isso.

Comentar por Ivani Medina

Ivani, se algum historiador lê-se as bacoradas que escreveste ia-se engasgar.

Comentar por alogicadosabino

A História Universal nasceu em Roma após o quarto século para respaldar a cultura cristã. Uma política religiosa universal precisa de uma História Universal. Se quiser maiores argumentos pode encontrá-los em meu e-book Jesus Cristo – um presente de gregos http://www.ebooksbrasil.org Apresento a minha tese de forma simples para o leitor comum. Historiadores também podem e devem comentá-la.

Comentar por Ivani Medina

Ivani, não fiques pela internet nem por este blog obscuro. Se achas mesmo que a tua tese está embasada em registos históricos, avança com ela para a discussão teológica. Mas como até eu sou capaz de identificar as falhas da tua teoria, que fará aqueles que são especialistas na área. Mas tenta, não perdes nada. Quanto muito, credibilidade.

Comentar por alogicadosabino

Sabino:

Possível—provável—certeza

Estou falando de possibilidade e no máximo probabalidade e

voce quwer que te dou certeza quanto aos meus alegados

Comentar por Clayton Luciano

Sabino, a discussão teológica tem sido o entrave ao debate histórico. Na verdade trata-se de uma antiga questão ideológica na qual uns se atiram ingenuamente enquanto outros se divertem no camarote. Esta parte da História me fascina e a minha pesquisa foi diligente. Servi-me da literatura oficial específica utilizada nos cursos secundário e universitário. Se alguém está mentindo não sou eu e tampouco tu. Tenho argumentos para qualquer blog que faça afirmação como a tua. A História está aberta a todos, especialmente aos que gostam dela. Talvez algum historiador se engasgue sim, mas de susto.

Comentar por Ivani Medina

Ivani, qual é o historiador antigo que refere que o cristianismo é produto da civilização grega?

Comentar por alogicadosabino

Evidentemente nenhum. O gostoso no estudo da História é a investigação, e investigação sem conclusão é frustração. Sinto-me contemplado por poder demonstrar os indícios que me levaram a tal conclusão. No entanto, duvido que eu seja o único a pensar assim. Minha vaidade não chega a tanto. O peso da cultura dominante é milenar, Sabino. Historiadores também precisam de empregos para pagarem suas contas. O professor Marrou foi bem claro quando disse: “O historiador não avança só em direção ao passado, aborda-o como um representante do seu grupo”. A História Universal tem o compromisso moral de zelar pela cultura cristã e os historiadores de zelarem por ela. Os historiadores insatisfeitos não ousam desafiá-la. Aquele que se dedicou a profissão sempre terá o que perder e não quer cair em desgraça. Mesmo depois de apagadas as fogueiras da Inquisição o chão continuou quente, lembremos disso. O sentimentalismo plantou a ira no coração dos crentes. Estou certo de que uma enxurrada de evidências correrá sobre os nossos pés, quando essa nuvem escura que encobre a luz da História precipitar-se sobre os mesmos fatos. Não há como conter a Internet sem agredir frontalmente os princípios democráticos.

Comentar por Ivani Medina

Olá Ivani,

essa acusação implícita de que os historiadores só não revelam “a verdade sobre o cristianismo” porque temem ser despedidos ou desprezados não tem qualquer validade. O que não tem faltado ao longo da História são pessoas, inclusive teólogos e historiadores, a falar contra a validade da bíblia, cristianismo, Deus e Jesus. Portanto, com todo o respeito, essa é uma desculpa esfarrapada. A razão pela qual essas teorias da conspiração não se aguentam deve-se ao facto de não terem qualquer validade histórica, e não porque os historiadores têm medo de perder o emprego. Não estás a falar do evolucionismo. Aí sim, muitos casos comprovados mostram que há repercussões em ir contra a maré. Tal como a ciência evolucionista não tem qualquer problema em dizer que o Génesis bíblico é mito, não ia ser a disciplina da História a colocar receios.

Comentar por alogicadosabino

A minha conclusão é que os historiadores não-alinhados se recolhem por esse motivo, porque a maioria dos renomados é militante da ideologia cristã, sim. Historiador não pesquisa sem o suporte de uma universidade. Bem sabes que a universidade é uma invenção cristã subvencionada pela cultura dominante. Dizes bem que ao longo da História já se falou contra a validade da Bíblia, do cristianismo, de Deus, de Jesus. A isto cabe a simples refutação. No entanto, já pensastes num historiador a questionar a validade da História? Já pensastes na consequencia disso? Das duas uma, ele fulmiria ou seria fulminado. A verdade histórica que conhecemos é uma verdade ideológica e intolerante. Não há espaço para livres pensadores no magistério.

Comentar por Ivani Medina

“Dizes bem que ao longo da História já se falou contra a validade da Bíblia, do cristianismo, de Deus, de Jesus.”

Depende de como você lê a Bíblia e de suas concepções acerca de Deus e Cristo. É mais uma questão pessoal, não histórica.

Comentar por Juan

“[…] Por fim, a Hélade frustrada chegou a termos com a Judéia indomável, adotando uma versão helenizada da sua religião fanática. Esse tempestuoso encontro e a final união do helenismo com o judaísmo deram origem ao cristianismo ao islamismo, duas religiões heleno-judaicas que são hoje professadas pela metade da raça humana. (TOYNBEE, 1983, p. 173) TOYNBEE, Arnold J. Helenismo – História de uma civilização. Rio de Janeiro: Zahar, 1983.
De fato nenhum historiador foi tão explícito quanto eu fiu nas 40 páginas da minha. Não sei se este historiador cristão lhe serve, todavia, a origem grega do cristianismo aí está claramente enunciada. Não concordo com a palavra “encontro” utilizada por ele. “Confronto” seria mais adequado.

Comentar por Ivani Medina

Parabens Ivani…

…..Por historiadores como voce que me apaixonei por historia (não estoria)desde o 1º contato no 5º ano do ensino fundamental brasileiro!!!

Comentar por ROMANO LIMA AROS

“…..Por historiadores como voce que me apaixonei por historia (não estoria)desde o 1º contato no 5º ano do ensino fundamental brasileiro!!!”

“Historiadores” que não ligam à História.

Comentar por alogicadosabino

Ivani, o problema com a tua “teoria” é que não há sinal algum dessa estória deixado por historiadores da antiguidade. Essa “teoria” parece-me mais ser uma adaptação moderna dos factos. Nem fontes bíblicas, nem fontes extra-bíblicas cristãs nem fontes extra-bíblicas seculares sequer mencionam a possibilidade dessa tua estória.

E a tua explicação de que os historiadores escondem a verdade pk têm contas para pagar de facto não pega mesmo. Como já disse, não têm faltado historiadores e teólogos a negar a autenticidade da bíblia e cristianismo, e que exercem funções em universidades.

Já agora, eu pensei que alguém me tivesse dito que os historiadores não tocam na verdade porque têm contas para pagar e não sei quê. Tu não tens contas para pagar ou não és historiador?

Comentar por alogicadosabino

“É preciso que se diga que o cristianismo foi uma nova cultura e não uma nova religião.”

Isto é a tua opinião. É direito teu.

“Como tal, se impôs a ferro e fogo e tentou apagar os vestígios da verdadeira história”…

Os primitivos cristãos foram ridicularizados e perseguidos pelos judeus, pelos primeiros imperadores romanos…
Que tipo de historiador é você? Estás parecendo com um outro que andou por aqui se dizendo historiador. Depois de devidamente refutado, sumiu.

“são os vencedores que fazem prevalecer a sua versão”.

Nem sempre. Aqui no Brasil, são os derrotados que escrevem a história. Os mesmos que em um passado recente (anos 60 e 70) praticaram assaltos, sequestros e atentados a bomba, agora fazem reuniões públicas com sequestradore, traficantes de drogas e terroristas (as FARC) e estão no poder zombando da cara do povo (Dilma, Carlos Minc, José Dirceu e outros bandidos semelhantes). Todos ligados ao comunismo e ao ateísmo.

“… os fundadores do cristianismo eram todos gregos da Ásia Menor…”

Tu não sabe o quê dizes. Os fundadore do cristianismo eram judeus.

“os documentos cristãos antigos foram escritos em grego (Koiné)…”,

E daí? Qual o problema? Era a língua internacional da época.

“não existem e nunca existiram fragmentos de escritos do primeiro século escritos em aramaico, grego ou latim se referindo a Jesus Cristo porque ele nunca existiu”.

E os fragmentos do primeiro século,(se ainda existe algum) falam de quê exatamente?

“O objetivo deste golpe grego era se apoderar do Antigo Testamento (política religiosa judaica), motivo do sucesso do judaísmo no mundo antigo”.

Motivo de sucesso aonde? Tu não sabes o que dizes.
O auge da civilização judaica foi durante os reinados de Daví e Salomão, quando as fronteiras de Israel chegaram ao Egito (fronteira sul) e à Damasco (fronteira norte – Síria). Depois de Salomão, o reino se dividiu, o império judaico ruiu e o povo judeu entrou em declínio e nunca mais se reergueu como antes.

“Irritados com o progresso judeu no mundo helenístico…” Não admitiam a hipótese de perderem a tutela moral da Humanidade. Foi só isso”.

Os judeus não foram prósperos apenas no mundo helenistico. Eles são prósperos aonde quer que cheguem. Ao invés de gastarem o dinheiro com orgias e bebedeiras, eles passam a vida juntado dinheiro pensando nos seus descendentes. Ao invés de invejar a prosperidade dos judeus, tu deverias seguir o exemplo deles.

“…os gregos criaram um antídoto – o cristianismo”.

Só para repetir: Os fundadores do cristianismo eram judeus. E O evangelho já era anunciado pelos profetas (todos judeus, nenhum grego) desde o Antigo Testamento.
Isa.53:1-12; Miq.5:2; Jó 19:25 e etc.

Não basta chegar aqui neste blog e dizer que é isso ou aquilo. É preciso argumentos convincentes e que estejam de acordo com a história e/ou a ciência.

Comentar por Isaias S. OLiveira

É incrível a quantidade de desculpas que criam para dizer que o homem mais influente da hitória nunca existiu. A maioria dos historiadores, pela lógica, aceitam a existencia de Jesus, mesmo que o considerem apenas um maluco que se dizia filho de Deus.

Comentar por Juan

“A maioria dos historiadores, pela lógica, aceitam a existencia de Jesus”

……Historia agora é logica?
……
……Se não fosse Constantino o que seria de Jesus?

..Acho que estas equivocado em dizer que Jesus foi o mais influente…

Comentar por ROMANO LIMA AROS

Não estou equivocado mesmo, amigo. Constantino fundou a ICAR devido ao fato de que o Império estava se convertendo ao cristianismo. Ele não podia continuar mandando matar cristãos, pois ia acabar aniquilando todo mundo! Ele só fez trasnformar o cristianismo na religião oficial do Império Romano. Foi ele também que fez a famosa união entre Estado e Igreja.

Comentar por Juan

Romano, não disse que história é lógica. A lógica é que se uma pessoa fez muita influencia no passado é muito provável que ela tenha existido.

Comentar por Juan

Gostei da discussão entre o Ivani e o sabino. Um com um pseudo-livro da treta, o outro a usar o bom senso que renega quando fala “discute” biologia para refutar a tese, Diz o surdo ao cego…
Permitam-me esta experiência, entre parêntesis são só comentários meus:

Ivani, o problema com a tua “teoria” é que não há sinal algum dessa estória deixado por historiadores ou registos da antiguidade. Essa “teoria” parece-me mais ser uma adaptação moderna dos factos. Nem fontes científicas, nem fontes extra-bíblicas cristãs nem fontes extra-bíblicas seculares, nem fontes bíblicas sequer mencionam a possibilidade de serem dinossauros.

E a tua explicação de que os biologos escondem a verdade pk têm contas para pagar de facto não pega mesmo. Como já disse, não têm faltado é teólogos, cientistas (hum, pronto, pseudo-cientístas e “pantomineiros”) a negar a autenticidade da evolucionismo, e que exercem funções em universidades (como contínuos ou porteiros looool xD… ou então são mesmo professores e “investigadores”, mas isso diz muito sobre as universidades).

Já agora, eu pensei que alguém me tivesse dito que os biólogos não tocam na verdade porque têm contas para pagar e não sei quê. Tu não tens contas para pagar ou não és biólogo?

Então sabino? Não percebo, até pareces ter bom senso ás vezes, porque é que não usas sempre esta parsimónia??

Comentar por Selfish Gene

Romano,

Obrigado pelo imerecido elogio, pois não sou historiador. Sou um antigo apaixonado por essa parte da história e, por isso, fui pesquisá-la. Se, por acaso ainda não o fez, deves baixar o meu e-book. Será útil nas tuas invetigações. Para um apaixonado por História a verdade está sempre mais adiante. Boa sorte.

Comentar por Ivani Medina

Sabino,
Como parte das chamadas ciências humanas, a História também é interpretação. Portanto, a dinâmica não se esquece também da História. Se um simples acidente de trânsito é capaz de gerar diversas versões das testemunhas, por que da História Universal não encontramos um único livro com uma versão diferente. Isso parece natural, mas não é. Pelos motivos que expus na minha teoria (no e-book), deixo claro o porquê do meu convencimento sem atacar a ninguém ou a instituição alguma. Se no meio religioso a não-crença é uma ofensa, paciência. Religião me interessa como um fenômeno histórico e não como um lenitivo pessoal. Amo a História e tu a religião.

Comentar por Ivani Medina

Ivani,

“Obrigado pelo imerecido elogio, pois não sou historiador.”

Que não és historiador eu já tinha percebido.

“Sou um antigo apaixonado por essa parte da história e, por isso, fui pesquisá-la.”

Então das duas uma: ou a tua pesquisa foi enviesada ou esqueceste-te de pesquisar as fontes dos primeiros séculos que falam sobre o Cristianismo e Jesus.

“Amo a História e tu a religião.”

Duas não verdades numa pequena sentença. Não amo a religião. Abomino. A religião tem o dedo do homem e corrompe-se a todo o tempo. Basta ver o que já se fez e se faz em nome da religião. Sigo a Cristo e não alguma religião.

E tu também não amas a História. Se amasses a História, não ignoravas o que os historiadores do I e II disseram sobre Jesus e o Cristianismo e não te punhas a inventar teorias da conspiração. Até o agnóstico e exímio historiador clássico Michael Grant refutava quaisquer dessas teorias da conspiração sobre a não historicidade de Cristo ou das verdadeiras raízes do Cristianismo e vens tu, um apaixonada por história, fazê-lo.

Comentar por alogicadosabino

Isaías,
Deverias antes ler o meu e-book. Não espero convencer-te, apenas dar-te base a crítica. Talvez, não precisarias apelar para insinuações maldosas e grosseiras.

Comentar por Ivani Medina

Sabino,

Podes me citar tais fontes do I e II séculos? Quero saber extamente a quem tu te referes. Perdão por desconhecer a tua abominação e tê-lo focalizado de modo convencional. O mesmo respeito que tenho por ti tenho por Grant, Gibbon, Bowra ou qualquer outro. “[…] as universidades não podem ser mais universais que as pessoas que ensinam e aprendem dentro de suas paredes. Poucos são aqueles que vão além do aprendizado da moda do seu tempo, […]”

(Robertson Davies, professor e mestre no Massey College da Universidade de Toronto, Canadá, falecido em 1995)
Falas muito em conspiração, acho estranho. Entretanto, se assim preferes, diria que o faço a favor e não contra a História. Muito está por vir nessa primeira metade do século XXI.

Comentar por Ivani Medina

Ivani,

“Sabino,

Podes me citar tais fontes do I e II séculos?”

Se tu queres investigar, de um ponto de vista histórico, a origem do Cristianismo, tens de recorrer às fontes históricas mais próximos do mesmo. Um historiador a sério sabe isso. Portanto, aquilo que deverias ler sobre Cristianismo são as fontes bíblicas, extra-biblicas cristãs e seculares do 1º e 2º século. Fontes cristãs biblicas são os evangelhos e as epístolas de paulo. Fontes cristãs extra-bíblia tens por exemplo Clemente de Roma, Inácio de Antioquia, Policarpo e Justino Mártir. Fontes seculares tens, por exemplo, Tácito, Josefo, Suetónio, Luciano, Plínio o Jovem, etc.

Se ignoras as fontes que tens mais próximas do cristianismo no teu trabalho, ele tem pouco de histórico.

“Perdão por desconhecer a tua abominação e tê-lo focalizado de modo convencional.”

Não é a mim que tens de pedir perdão, mas sim a todos aqueles a quem já disseste que tens uma obra “histórica” sobre a origem do Cristianismo.

Comentar por alogicadosabino

Sabino,

Minha teoria tem quarenta páginas contra milhões de toneladas de papel a endossar Jesus Cristo como uma figura histórica. Nela, demonstro por que considero o cristianismo como a consumação do ideal universal helenístico. A tentação de se transformar fé em História criou um dilema ético de difícil solução para a cristandade. Não esperava encontrar aplausos ao contrariar mais de um milênio de estabilidade da História Universal.

“A humanidade teria então uma história comum e uma direção única: a vitória romana e a salvação cristã. A história da salvação romano-cristã reúne tempo e eternidade, história e Cristo. Foi uma idéia absolutamente nova, que nem os judeus haviam chegado a formular, obcecados com a idéia de “um povo eleito”. […] Os eventos históricos eram manifestação de Deus, cuja vontade devia ser decifrada. O destino das nações, as lutas políticas se submetiam à vontade divina. Essa idéia nova criou uma história nova – a história universal.” (REIS, 2003, p. 19)

REIS, José Carlos. História & Teoria: historicismo, modernidade, temporalidade e verdade. Rio de Janeiro: FGV, 2003.

Comentar por Ivani Medina

Dizer que Cristo existiu não prova a autenticidade da Bíblia nem que Deus existe. Acreditar que o que a Bíblia diz sobre ele é verdade é uma questão de fé. Mas afirmar que ele não existiu já é querer “forçar a barra”.

Comentar por Juan

Juan:

“Mas afirmar que ele não existiu já é querer “forçar a barra”.”

Se esqueceu de falar o por que?

Comentar por Clayton Luciano

Luciano,

“Se esqueceu de falar o por que?”

Se esqueceu de falar o por que não?

Comentar por alogicadosabino

Juan,

Acaso conheces os motivo da minha afirmação? Não tenhas em conta somente o que escrevo neste blog. Já ofereci o raciocínio que me levou a isso.

Comentar por Ivani Medina

Sabino,

Às fontes bíblicas não dou a importância histórica que a cultura dominante dá. Te fazes de tonto. Quanto às fontes seculares, muito já se discutiu na Internet e não dou uma fração de centavo pela autenticidade delas. Quanto ao perdão que te pedi, o fiz por relevar a cordialidade na discussão das idéias. Não confunda as coisas. Não me desculpo por aquilo que acredito. A História mentiu e continua mentindo.

Comentar por Ivani Medina

Olá Ivani,

“Às fontes bíblicas não dou a importância histórica que a cultura dominante dá. “

Mas em termos históricos, elas são as obras mais fiáveis da antiguidade. Existem mais de 5000 manuscritos gregos dos evangelhos, ao contrario do resto das obras desse período, as quais só estão disponiveis menos de 20 manuscritos. É quase possível juntar o novo testamento apenas a partir das citações dos versículos nas obras dos pais da igreja. As cópias mais antigas dos evangelhos datam de apenas 100 a 150 anos depois dos eventos que relata. Compara isso, por exemplo, com as cópias dos textos de Tácito ou Heródoto. As mais próximas dos relatos que descrevem têm pelo menos 700 anos. Para além disso, temos os evangelhos completos. Em contrapartida, muitas obras de Tácito e Lívio perderam-se.

Aprende comigo que eu não duro sempre. Não é por acaso que essas teorias de que os evangelhos foram adulterados e não sei quê não duram muito tempo.

“Quanto às fontes seculares, muito já se discutiu na Internet e não dou uma fração de centavo pela autenticidade delas.”

Por alguma razão és só um “apaixonado pela história”, e não um verdadeiro historiador. E se andas a fiar-te naquilo que se discute na internet, então estás mesmo muito mal. O verdadeiro debate académico ocorre ao nível das publicações e não em fóruns e blogues de internet.

Comentar por alogicadosabino

Sabino,

Fontes bíblicas e extra-bíblicas são fiáveis para os cristãos. Para quem não é não passam de conversa mole para boi dormir.Nunca falei em evangelho adulterado. Não sou um verdadeiro historiador porque não me graduei em História, não fiz mestrado e nem doutorado na matéria. No entanto, esta matéria se ocupa do relacionamento humano e, por acaso, eu o sou. Evangelho é coisa de grego e os judeus nada têm a ver com essa estória, volto a afirmar! Não perco meu tempo discutindo isso. Evangelhos só podem ser considerados no seu valor histórico por representarem conceitos e costumes de uma época, nunca pelas histórias que contam. Mais uma vez te fazendo de tonto, ó Sabino. Cito a Internet porque, inclusive, estamos nela. Reparastes?
Aí vai mais um exemplo colhido no suor da pesquisa:

A verdade histórica é a mais ideológica de todas as verdades científicas […] Os termos de subjetivo e de objetivo já não significam nada de preciso desde o triunfo da consciência aberta […]. A verdade histórica não é uma verdade subjetiva, mas sim uma verdade ideológica, ligada a um conhecimento partidário. (ARON cit. por Marrou, s/ data, p. 269)

MARROU, Henri Irénée. Do Conhecimento Histórico. 2 ed. Lisboa:ÁSTER, S/DATA.

A tua arrogância é também ingênua.

Comentar por Ivani Medina

Sabino,
O lixo intelectual travestido de História que tu reclamas ausente no meu trabalho, ao qual te referes como fontes bíblicas e extra-bíblica, recebe reclamações há muito tempo. No caso, de um intelectual cristão:

“A falta absoluta de historiadores verídicos, a multidão de livros apócrifos escritos em grego em latim, impedem-nos de julgar por nós mesmos os primeiros séculos do Cristianismo.” (Lachatre, 2004, p. 36)

LACHATRE, Maurice. Os Crimes dos Papas: Mistérios e Iniqüidades da Corte de Roma – São Paulo: Madras, 2004.

Quem gosta de ser enganado que o seja. Mas, quando a gente sabe o que procura os livros acabam contando.

Comentar por Ivani Medina




Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s



%d bloggers like this: