No princípio criou Deus os céus e a Terra


Inundação catastrófica responsável por separar Inglaterra da Europa – (Está o uniformitarismo a perder o seu charme?)
Junho 28, 2009, 12:07 am
Filed under: Evolução/Big-Bang

Em 1830, o advogado e geólogo amador Charles Lyell publicou o livro “Princípios da Geologia“, onde popularizou a doutrina do uniformitarismo – a corrente de pensamento que diz que os registos geológicos do passado devem ser entendidos com base no ritmo dos processos geológicos que observamos hoje. Charles Darwin foi profundamente afectado por este livro e foi graças a ele que o naturalista inglês começou a duvidar do dilúvio bíblico e do resto da Palavra de Deus. Até há bem pouco tempo, a ciência da Geologia só fazia sentido à luz da doutrina unifornn_britain1mitarista.

No entanto, essa ideia de que as coisas sempre foram como são agora tem sido colocada em causa. Os geólogos evolucionistas agora reconhecem o papel do catastrofismo nos seus modelos. Eles são os principais apologistas de catástrofes (como a que dizem que matou os dinossauros).

Agora, uma equipa de geólogos afirma que uma megainundação foi responsável pela separação do terreno que é hoje a Inglaterra do resto do continente europeu. Eles dizem:

Megaflood events involving sudden discharges of exceptionally large volumes of water are rare, but can significantly affect landscape evolution, continental-scale drainage patterns and climate change” – (Megainundações que envolvam descargas repentinas de volumes incríveis de água são raros, mas podem afectar significativamente a evolução de uma paisagem, padrões de drenagem à escala continental e alterar o clima)

Bem, se megainundações são ou não raras não interessa muito aos criacionistas. Nós só precisamos de uma megainundação à escala mundial para explicar os fósseis e a geologia. Os criacionistas utilizam o modelo de Tectónica de Placas Catastrófica para explicar a separação dos continentes e a elevação das formações rochosas como os Himalaias ou o Evereste, em vez do modelo “lento e gradual” da Tectónica de Placas.

É interessante notar que os modelos evolucionistas, pouco a pouco, acabam por se aproximar das propostas criacionistas. A única diferença nos dois é o factor tempo. Enquanto os criacionistas bíblicos consideram muita água durante pouco tempo, os evolucionistas consideram pouca água durante muito tempo (mas lá acabam por meter uma inundaçãozinha catastrófica de vez em quando).

Segundo os autores, a megainundação mudou completamente a geografia local. Ela reorganizou a drenagem dos rios Tamisa e Reno ao Canal da Mancha e, mais importante ainda, deixou permanentemente separadas a Grã-Bretanha da Europa continental.

Cuidado… não vão as evidências te levar a considerar o relato bíblico do dilúvio

O autor do blogue Ceticismo, ao mencionar esta notícia, teve o cuidado de escrever dois parágrafos para avisar os seus leitores que não devem deixar-se levar por mais esta evidência do dilúvio bíblico.

É interessante notar que não é necessário algum criacionista lhe dizer que isto é uma evidência do dilúvio de Noé, pois ele próprio tem consciência disso. No entanto, como o ser humano se desviou do entendimento de Deus (Salmos 14:2-3), não importa quais sejam as evidências… ele não vai querer saber de Deus. Não importa se encontramos proteína bem conservada em ossos fossilizados de dinossauros ou se se descobre que a anatomia dos pássaros impede qualquer relação evolutiva com dinossauros. Quaisquer que sejam as evidências negativas, ele não vai abandonar a sua crença na teoria da evolução pois não foi devido às evidências que ele decidiu acreditar nela. Ele apenas acredita nela porque a outra alternativa é impensável.

Anúncios

6 comentários so far
Deixe um comentário

Do Cepticismo:

Eles só “esquecem” de mencionar que tais fósseis datam de MILHÕES de anos!

Por outras palavras, eles esquecem-se de mencionar que Darwin é o nosso salvador!
Obviamente que eles não mencionaram que os fósseis tem “milhões de anos” porque nada tem milhões de anos. O que ele quêr é que nós operêmos dentro da sua religião.

É mesma coisa que ele disse: “Vamos assumir que eu estou certo e tu estás errado. Ok. Agora vamos analisar as evidências!”.

Muito, mas muito antes dos seres humanos aparecerem na Terra.

Segundo….. a teoria da evolução.

O fato de haverem inundações tremendas no passado não significa que foi aquela inundação descrita no mito Bíblico.

Não, mas mostra que as observações estão de acordo com a posição cristã. Se houve um dilúvio universal, este tipo de coisas é o que se poderia esperar.
As observações estão de acordo com a Bíblia.

Comentar por Mats

“At its peak, it is believed that the megaflood could have lasted several months, discharging an estimated one million cubic metres of water per second. This flow was one of the largest recorded megafloods in history and could have occurred 450,000 to 200,000 years ago (not 4000 years ago).
The researchers believe the breach of the ridge, and subsequent flooding, reorganised the river drainages in north-west Europe by re-routing the combined Rhine-Thames River through the English Channel to form the Channel River.
The breach and permanent separation of the UK also affected patterns of early human occupation in Britain. Researchers speculate that the flooding induced changes in topography creating barriers to migration which led to a complete absence of humans in Britain 100,000 years ago (not 4000 years ago).
Dr Sanjeev Gupta, from the Department of Earth Science & Engineering at Imperial said: “This prehistoric event rewrites the history of how the UK became an island and may explain why early human occupation of Britain came to an abrupt halt for almost 120 thousand years.”
Project collaborator, Dr Jenny Collier, also from the Department of Earth Science & Engineering, speculates on the potential for future discoveries on the continental shelves.
“The preservation of the landscape on the floor of the English Channel, which is now 30-50 m below sea-level, is far better than anyone would have expected. It opens the way to discover a host of processes that shaped the development of north-west Europe during the past million years or so,” said Dr Collier.
The Imperial research team collaborated with the UK

Comentar por João Silva

Mais escapadas dos céticos… Não sei qual o propósito do autor do Ceticismo.net ao publicar isto aí…

Comentar por MVR

Assisti a este documentário no Sábado:

Em busca da arca de Noé
http://www.youtube.com/view_play_list?p=CF37D065346C2708&search_query=em+busca+da+arca+de+no%C3%A9

Apesar de um tanto antigo, é muito interessante! 🙂

Comentar por Fabricio Lovato

Peça para os “cientistas” (sic) criacionistas calcularem o fluxo térmico necessário para a viabilização da estapafúrdia Tectônica de Placas Catastrofista!

Depois peça uma explicação aos “cientistas” (sic)criacionistas sobre as implicações para a crosta, caso tivesse ocorrido a supra tectônica.

Se eles não souberem calcular ou lhe explicar, então me avise. Eu o farei.

Comentar por Paulo

Endosso as palavras e solicitações do meu homônimo.

Comentar por Paulo




Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s



%d bloggers like this: