No princípio criou Deus os céus e a Terra


Naturalismo – a muleta da ciência das origens (Parte 4)
Maio 6, 2008, 10:55 pm
Filed under: Evolução/Big-Bang

Ver PARTE 1, PARTE 2 e PARTE 3. [O destacado é meu]
___________________________________________________________

A CIÊNCIA COMO VALIDAÇÃO DO NATURALISMO

Como se vê, as regras do jogo naturalista determinam não apenas o modo como o “jogo” científico é jogado, mas o próprio resultado do jogo. Os resultados da investigação científica já estão pré-determinados antes mesmo de essa investigação ter começado. Isto significa que não é necessária qualquer investigação científica para concluir pela teoria da evolução aleatória e pela antiguidade da Terra. Basta adoptar premissas naturalistas. As mesmas encarregam-se de conduzir inelutavelmente o cientista à conclusão de que a evolução aleatória e a antiguidade da Terra são correctas. O sistema de validação científica pelos pares tem por base controlar o naturalismo das premissas, dos métodos e dos resultados. O “verdadeiro cientista”, por definição um naturalista, não tem qualquer alternativa senão confirmar as premissas naturalistas e os “factos” que elas estabelecem.

Assim é, porque toda a evidência terá forçosamente que ser interpretada de acordo com essas premissas, sob pena de sair fora da ciência naturalisticamente definida. Isso, mesmo quando se trate de evidência possa, a primeira vista, atentar contra essas premissas. É o caso, por exemplo, da inexistência de uma fonte primordial de energia, da extrema complexidade do DNA, da manifesta impossibilidade física de o DNA surgir por acaso, da existência de C-14 em rochas e fósseis datados de milhões de anos, da evidência de catastrofismo nas formações rochosas, da retenção de hélio nos cristais de rochas graníticas, das grandes disparidades na datação do decaimento radioactivo, do decaimento do campo magnético da Terra, das taxas de deposição de sedimentos nos oceanos, da estatística populacional, da idade recentíssima das civilizações mais antigas ou da recente observação de hemoglobina e tecidos moles em ossos não fossilizados de dinossauro (Ver: Os dinossauros são assim tão velhos?).

Também todas essas evidências têm que ser interpretadas de acordo com o único modelo admissível – o da evolução naturalista ao longo de milhões de anos – porque só essa solução é considerada cientificamente correcta. Assim é, mesmo que isso obrigue a aceitar milagres matemático-probabilísticos, envolvendo probabilidades infinitesimais, como sejam os respeitantes ao surgimento casual de uma célula (probabilidade estimada de 1 em 1 x 10 ^ 57800) – com os seus biliões de componentes – ou mesmo de uma simples proteína funcional (probabilidade estimada em 1 em 1x 10 ^ 191). Em qualquer outro domínio, estas probabilidades seriam muito mais do que suficientes para que se considerasse um evento impossível. Mas não na ciência naturalista. Aqui as mesmas demonstram a ocorrência dos eventos a que se referem.

Eis a razão pela qual é impossível refutar cientificamente a evolução. Mesmo num debate entre 10 criacionistas e 1 evolucionista este acabaria sempre por vencer o debate, se e enquanto a ciência fosse definida em termos exclusivamente naturalistas. Mas, como bem se depreende, não o vencia por ter exposto os melhores argumentos ou mostrado as evidências mais sólidas, mas apenas por causa do automatismo tautológico da regra “garbage in, garbage out” (naturalismo “in”, evolucionismo “out” / evolucionismo “in”, extrema antiguidade da Terra “out”). Se a ciência é definida em termos naturalistas, então só a evolução aleatória e a extrema antiguidade da Terra e do Universo são compatíveis com ela.

Assim sendo, os fósseis e as rochas têm que ser obrigatoriamente interpretados de acordo com a teoria da evolução aleatória. Se, por acaso, o registo fóssil não demonstrar evolução gradual, então isso só pode significar que a evolução ocorreu por saltos. A esta luz, a proliferação de fósseis vivos (Ver: A pequena formiga que resistiu a 15 milhões de anos de Evolução), fósseis polistráticos ou fósseis em posição anómala é vista como uma mera curiosidade sem grande relevo, insusceptível de abalar a crença evolucionista. Do mesmo modo, as semelhanças e as diferenças entre animais só podem ser interpretadas de acordo com a evolução. Se existem semelhanças genéticas entre duas espécies animais, fala-se em homologia e “prova-se” dessa forma evolução. Se existem diferenças genéticas estruturais entre dois órgãos funcionalmente idênticos de espécies distantes entre si, fala-se em “evolução convergente” e “prova-se” também assim a evolução.

__________________________________________________________________

Ver Parte 5

Anúncios

Deixe um Comentário so far
Deixe um comentário



Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s



%d bloggers like this: