No princípio criou Deus os céus e a Terra


“A experiência da oração”
Janeiro 30, 2008, 2:44 pm
Filed under: Estupidez/Fanatismo/Ignorância ateísta

É incrível como a necessidade de demonstrar a todo o custo que Deus é uma imaginação da mente humana, um mito, leva a que sejam realizadas as mais absurdas experiências, desprovidas de qualquer sentido. Vou transcrever a “experiência da oração” realizada por Herbert Benson, cardiologista americano fundador do Mind/Body Medical Institute, descrita na página 92 do livro “The God Delusion” de Richard Dawkins:
_________________________________________________

“O Dr. Benson e a sua equipa acompanharam 1802 pacientes em seis hospitais, todos eles submetidos a uma cirurgia de bypass coronário. Os pacientes foram divididos em três grupos. O grupo um foi objecto de orações sem o saber. O grupo dois (grupo de controlo) não foi objecto de orações, igualmente sem ter disso conhecimento. O grupo três foi objecto de orações e sabia-o. A comparação entre os grupos um e dois testa a eficácia da oração intercessória. O grupo três testa os possíveis efeitos psicossomáticos de alguém saber que estão a rezar por si.

As orações foram proferidas pelos fiéis de três igrejas: uma no Minnesota, outra no Massachusetts e outra no Missuri, todas elas distantes dos três hospitais. Foi explicado às pessoas que só saberiam o nome próprio e a inicial do apelido de cada paciente por quem iam rezar. Constitui boa prática experimental uniformizar os procedimentos tanto quanto possível, pelo que a todos foi dito que incluíssem nas suas orações a expressão “por uma operação bem-sucedida, com uma recuperação rápida, saudável e sem complicações.

Os resultados, apresentados na edição de Abril de 2006 do American Heart Journal, foram inequívocos. Não houve diferença entre os pacientes alvo de orações e os restantes. Que surpresa! Houve diferença entre os pacientes que sabiam que tinham sido objecto de orações e os que ignoravam, mas foi ao contrário. Os primeiros sofreram um número mais significativo de complicações do que os segundos.”
________________________________________________

Como é que este grupo de pessoas esperava, imbecilmente, poder estudar os efeitos práticos da oração? Em que é que este grupo de pessoas se baseou para concluir que os efeitos práticos da oração eram mensuráveis? Por acaso pensam eles que Deus funciona como uma máquina de self-service, que basta colocar a moedinha, clicar no botão e o produto sai?

Por outro lado, quais seriam as crenças e convicções dos doentes submetidos à experiência? Acreditariam eles em Deus? Acreditariam eles no poder da oração? Seriam tão ou mais ateus que os homens que conduziram a experiência?! Não sei se os crentes que oraram por aquelas pessoas estavam a par da experiência. Se estavam não são menos néscios que os demais.

E como seria de esperar, vindo de um “orgulhosamente ateu”, “os primeiros” (submetidos à oração dos fiéis) “sofreram um número mais significativo de complicações do que os segundos” (não submetidos à oração dos fiéis).

Jesus disse: “E tudo que pedirdes em oração, CRENDO, recebereis” (Mateus 14:22). Deus conhece o coração de cada um de nós, sabe o que cada um de nós pensa: “Todo o caminho do homem é recto aos seus olhos, mas o Senhor sonda os corações” (Provérbios 21:2); “Jesus percebeu logo em seu espírito que era isso que eles estavam a pensar e lhes disse: “Porque arrazoais vós em vossos corações?” (Marcos 2:8).
Só quem não conhece o que a Palavra de Deus diz acerca da oração é tolo o suficiente para realizar experiências deste género. Iria Deus atender ao mero capricho destes cientistas? Também Cristo criticou os religiosos do seu tempo: “E quando vocês orarem , não sejam como os hipócritas que gostam de orar em pé nas sinagogas e nas esquinas, a fim de serem vistos pelos outros” (Mateus 6:5).

A Bíblia diz o seguinte: “Os homens, dizendo-se sábios, tornaram-se loucos” (Romanos 1:22). Os 2,4 milhões de dólares gastos na realização da experiência tinham dado jeito a muito boa gente.

Anúncios

3 comentários so far
Deixe um comentário

«Em que é que este grupo de pessoas se baseou para concluir que os efeitos práticos da oração eram mensuráveis?»

Na fé de milhões e milhões de crentes que todos os dias rezam a pedinchar favores. Quando é preciso estudar parvoíces às vezes é preciso fazer coisas parvas 🙂

Comentar por pedroromano




Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s



%d bloggers like this: